Bia Villa-Chan é destaque do Festival BB Seguros de Blues e Jazz

Única mulher na programação do evento, a multi-instrumentista pernambucana largou a odontologia para se dedicar à música, vem acumulando prêmios e prepara um novo EP para novembro

Bia Villa-Chan Bia Villa-Chan  - Foto: Divulgação

Depois de passar por Curitiba, Belo Horizonte, São Paulo, Brasília, Goiânia e Manaus, a quinta edição do Festival BB Seguros de Blues e Jazz finalmente chega ao Recife. Reunindo apresentações musicais e atividades para crianças, o evento a céu aberto ocupa o Parque Santana, neste sábado, das 14h30 às 22h30. Entre os artistas que subirão ao palco do projeto, a única mulher é a pernambucana Bia Villa-Chan, multi-instrumentista de 35 anos, que vem despontando no cenário local.

O fato de estar sozinha como representante feminina na programação é para Bia, ao mesmo tempo, motivo de orgulho e de incomodo. "Fico triste, porque gostaria que outras mulheres estivessem comigo, representando a nossa força na música instrumental. Espero conseguir estimular outras mulheres a ocuparem esses espaços. Não devemos baixar nossas cabeças diante do machismo ou de comentários desagradáveis", afirma a artista, que já sentiu na pele o que é sofrer preconceito.

"O meio instrumental é ainda muito masculino. Logo quando comecei a tocar, vi alguns olhares desconfiados. Já escutei coisas do tipo: 'Eita, ela toca feito um menino' ou 'Até que para uma mulher ela toca muito bem'. Por isso é que eu levanto a bandeira do 'Toque como uma mulher'. Hoje em dia, venho conquistando reconhecimento e respeito no meio, tanto de quem faz com de quem escuta. Isso para mim é um troféu muito importante", aponta.

Leia também:
'Bibi - Uma vida em musical' reverencia a diva do teatro brasileiro
Simone e Simaria entre as atrações do Garota VIP 2019


Bia começou a demonstrar interesse pelo mundo da música ainda na infância, influenciada pelo avô, o músico Heitor Villa-Chan. Foi ele quem a presenteou com seu primeiro bandolim, aos seis anos de idade. "Apesar de trabalhar como comerciante, ele (o avô) tinha a música como paixão. Lembro que todos os dias, quando chegava em casa, ele tocava o instrumento. Comecei a aprender ouvindo e observando o que ele fazia", conta a artista, que é autodidata no bandolim e também sabe tocar violão, guitarra, piano e contrabaixo.



Apesar de estar em contato com o ambiente artístico desde quando era criança, a instrumentista só começou a encarar o trabalho de forma mais profissional há pouco mais de um ano. Antes disso, ela dividia o tempo entre a música e a carreira acadêmica. "Me formei em odontologia, fiz pós, mestrado e doutorado. Depois de ser operada de um câncer de tireoide, em 2017, resolvi ir atrás da minha paixão: a música", relembra.

O saldo das escolhas feitas por Bia tem sido para lá positivo. Só em 2019 ela já abocanhou duas premiações: o Prêmio da Música Pernambucana, em maio, e o Troféu Gonzagão, em agosto. "Vejo isso como o fruto de um trabalho feito com muito amor, carinho e dedicação. Nada foi por acaso", comenta. Atualmente, a artista se prepara para lançar em novembro seu segundo EP, intitulado "GiraSons", que inclui a releitura de "Pirata José", gravada com Alceu Valença, além de participações com Armandinho Macêdo e músicas inéditas.

Veja também

Há 40 anos, assassinato de John Lennon comovia o mundo
John Lennon

Há 40 anos, assassinato de John Lennon comovia o mundo

'Fui um homem tóxico, mas jamais tive relação que não foi consensual', diz Marcius Melhem
MARCIUS MELHEM

'Fui um homem tóxico, mas jamais tive relação que não foi consensual', diz Marcius Melhem