Bolsonaro escolhe novo comando do Iphan e provoca alerta no órgão

Sua nomeação é contestada por parte dos servidores do Iphan, por causa de conflitos gerados entre os interesses do órgão e a associação de Peixoto Dutra a interesses comerciais do turismo

Presidente Jair BolsonaroPresidente Jair Bolsonaro - Foto: Marcos Corrêa/PR

A presidência do Iphan (Instituto de Preservação do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) foi trocada nesta segunda-feira (11), a partir de decreto assinado por Braga Netto, da Casa Civil. Quem assume é Larrissa Rodrigues Peixoto Dutra. Depois da sucessão de interinos no mesmo cargo, ela senta na cadeira que pertenceu a Kátia Bogéa, exonarada no fim do ano passado.

Formada em hotelaria, Peixoto Dutra já tinha carreira dentro do Iphan desde o ano passado, com cargo no Departamento de Desenvolvimento Produtivo. Antes, ela chefiou o Gabinete da Secretaria Nacional de Desenvolvimento de Competitividade do Turismo, no Ministério do Turismo, e também exerceu o comando do Gabinete da Secretaria Nacional de Qualificação e Promoção do Turismo.

Sua nomeação é contestada por parte dos servidores do Iphan, por causa de conflitos gerados entre os interesses do órgão e a associação de Peixoto Dutra a interesses comerciais do turismo. A leitura que se faz é que haveria aproximação com a ideia de superaproveitamento dos bens históricos e ambientais de Bolsonaro para atrair recursos ao país.

Leia também:
Visto como uma ameaça, ex-assessor da família Bolsonaro ganha cargo de chefia no governo federal
Bolsonaro terá semana decisiva em caso que pode levar ao seu afastamento


É, segundo funcionários ouvidos pela reportagem, uma visão ligada ao aproveitamento do patrimônio histórico e nacional como forma de atrair visitantes e capital para regiões brasileiras diversas.

Bolsonaro defende, por exemplo, a tranformação da Angra dos Reis em uma Cancún brasileira, com atração de grandes redes de hotéis e shoppings, o que é contestado por ambientalistas, político e moradores da região.

Em março, o Ministro do Turismo Marcelo Àlvaro Antônio, visiou cidades histórias de Portugal para assumir parceria de preservação de bens culturais a partir de interesses similares com o Brasil, partindo também de uma uma visão comercial.

Foi assinado um protocolo de cooperação entre o Ministério do Turismo do Brasil e do Ministério da Economia de Portugal, com a intenção de criar formas de aproveitamento dos bens para geração de emprego e estímulo ao turismo de diversas cidades brasileiras.

Criado em 1937, o Iphan é uma autarquia federal responsável pela preservação e promoção dos bens culturais do País. Está subordinado à Secretaria Especial da Cultura e conta com 27 superintendências espalhadas pelos estados, 37 escritórios técnicos e unidades especiais.

O decreto de nomeação de Peixoto Dutra não tem nem a assinatur do ministro do Turismo, Marcelo Àlvaro Antônio, nem da secretaria da Cultura, Regina Duarte, o que é normal, segundo assessores das pastas.

É importante salientar que o Iphan é responsável pelo embargo de diversos empreendimentos imobiliários pelo país, o que chegou a derrubar Geddel Vieira Lima, ministro-chefe da Secretaria de Governo na gestão de Michel Temer. Ele tinha envolvimento com um empreendimento em Salvador que havia sido suspendido pelo Iphan por violar normas de tombamento.

Veja também

Márcia Fellipe e Rod Bala são eliminados do Power Couple
Power Couple

Márcia Fellipe e Rod Bala são eliminados do Power Couple

'Ter microfone poderoso é dar voz ao meu filho', diz Marcos Mion
Famosos

'Ter microfone poderoso é dar voz ao meu filho', diz Marcos Mion