A-A+

'Bom Sucesso' termina com morte de Alberto, e audiência surpreende até mesmo os autores

Dados do Kantar Ibope mostram que a trama das 19h da Globo chega à reta final com a maior audiência para essa faixa de horário desde 2012

Cena da novela 'Bom Sucesso'Cena da novela 'Bom Sucesso' - Foto: Reprodução/TV Globo

Escrita por Paulo Halm e Rosane Svartman, "Bom Sucesso" (Globo) termina nesta sexta-feira (24) com ótimos índices de audiência, que surpreendeu até mesmo os autores da trama. "Estamos muito satisfeitos, pois sentimos que a novela dialogou com a sociedade e se debruçou sobre temas sobre os quais as pessoas querem conversar", diz Halm.

"A audiência também nos surpreendeu. É difícil escrever apenas com o intuito de agradar a audiência ou a crítica, então buscamos escrever sobre temas que achamos importantes e de forma apaixonada", completa. Dados do Kantar Ibope mostram que a trama das 19h da Globo chega à reta final com a maior audiência para essa faixa de horário desde 2012. Em alguns dias, sobretudo em dezembro, o folhetim superou "Amor de Mãe", principal novela da emissora exibida após o Jornal Nacional.

Leia também:
Galã de 'Bom Sucesso', Romulo Estrela diz que não teme rótulos
Armando Babaioff diz que adiciona uma pitada de Jim Carrey ao seu vilão de 'Bom Sucesso'


Com 24 semanas completas no ar, a trama registra média parcial de 29 pontos em São Paulo (cada ponto equivale a cerca de 73 mil domicílios). Perguntados se "Bom Sucesso" poderia ser exibida às 21h na TV, os autores preferem ser mais cautelosos. "Não achamos, cada horário tem a sua característica. São dramaturgias, temáticas e abordagens diferentes", diz Svartman.

Uma das cenas mais aguardadas dessa reta final foi exibida nesta quarta-feira (22) quando Alberto (Antonio Fagundes) deixa o hospital para acompanhar Paloma (Grazi Massafera) no desfile da Unidos do Bom Sucesso no Carnaval.  As cenas foram gravadas durante os desfiles ainda em 2019, e o desfecho deve ser a morte do dono da Editora Prado Monteiro. "A novela fala sobre a importância de viver com a consciência de que nossos dias são finitos e únicos. É sobre saber valorizar, de forma intensa, as pequenas coisas do cotidiano", afirma Halm.

"Bom Sucesso" teve muitos destaques individuais, com destaca para Antonio Fagundes, Grazi Massafera, Fabíula Nascimento e o vilão Diogo, interpretado por Amando Babaioff. "Num elenco com tantos talentos, com atores e atrizes tão formidáveis, é difícil destacar um ou outro nome. Mas foi uma honra e um privilégio ver a Paloma vivida intensa e apaixonadamente pela Grazi Massafera. Babaioff transformou um personagem repulsivo e asqueroso como o Diogo em pura diversão. Impossível desgrudar os olhos dele", diz Halm.

O autor também elogia artistas da nova geração. "Entre os novos talentos que a novela revelou, e foram muitos, nos surpreendemos demasiadamente com Valentina Vieira [Sofia], uma gigante em cena. Tem a delicadeza de Bruna Inocêncio [Alice], o carisma imenso de Giovanna Coimbra [Gabriela] e a potência incrível de Lucas Leto [Waguinho]."

Respeito aos fãs
Especialistas em televisão afirmam que "Bom Sucesso" termina de forma marcante e significativa. Para eles, a trama já marcou seu nome na história da dramaturgia por tratar de forma leve e inteligente dois assuntos incomuns: morte e literatura. "Ao contrário de algumas novelas rasas, o texto de 'Bom Sucesso' é inteligente e trata o público com respeito. Em tempos de polarização política em que a educação está tão desvalorizada, assistir a textos literários em um produto de massa é verdadeiramente um privilégio", diz o pesquisador Dirceu Lemos.

Para ele, a novela foi marcante ao fazer críticas a situações políticas atuais de maneira sutil e delicada. O ponto negativo, diz Lemos, foi que algumas histórias se estenderam mais do que deveriam, como a chegada do pai de Gabriela (Giovanna Coimbra). "A trama principal da personagem Paloma reforça o estilo de narrativa que foi desenvolvido a partir dos anos de 1970 por Janete Clair, que envolvia o público com suas histórias romanceadas de fácil compreensão. Não tem como entediar o público", afirma Claudino Mayer, ao destacar as atuações de Armando Babaioff, Grazi Massafera e a leveza com que Fagundes levou a trama da doença que o acometia desde o primeiro capítulo.

Outro ponto positivo do folhetim de Paulo Halm e Rosane Svartman, diz Mayer, foi destacar mais de 15 personagens negros sem cair nos estereótipos tão comum de outras novelas.

Morte de Alberto
Atenção! O texto a seguir contém spoiler! Se não quiser saber, pare por aqui.

Alberto (Antonio Fagundes) morrerá no último episódio. A passagem dele, porém, será bonita e memorável. Após sambar na Sapucaí e realizar seu último sonho em vida, ele voltará para casa e se sentirá mal.

A morte dele ocorrerá no lugar de que mais gosta, em sua biblioteca, após se despedir dos familiares. Já Diogo (Armando Babaioff) não deve morrer, mas, sim, o personagem deve sofrer na pele as consequências de todas as maldades praticadas na trama -matou, ateou fogo, sequestrou e até estuprou.

Paloma (Grazi Massafera) e Marcos (Romulo Estrela) vão terminar juntos e felizes, com os filhos, assim como Nana (Fabiula Nascimento), que tanto sofreu na história. "Acho que Nana amadureceu bastante. Entendeu seu lugar e sua importância. Se fez mais presente na vida da filha, entendeu as necessidades do pai em relação à Paloma, aceitou a leveza e o prazer de amar alguém verdadeiramente. Um belo caminho", diz Fabiula. Para a atriz, a mensagem que a personagem deixa é a de que o amor próprio é essencial. "E que as adversidades da vida podem nos transformar em rochas", conclui.

Para Grazi Massafera, a personagem Paloma a reconectou com a sua essência simples. Ela também começou a novela querendo homenagear a mãe dela, que assim como a mocinha na trama também é costureira. "Saio com o dever cumprido. Minha mãe ficou super orgulhosa de mim. Estou feliz com o resultado de todos."

Veja também

DJ Ivis será solto após mais de 3 meses preso por agressão à ex-mulher
Agressor

DJ Ivis será solto após mais de 3 meses preso por agressão à ex-mulher

Musical 'A menina Akili e seu tambor falante' tem sessões online
Infantojuvenil

Musical 'A menina Akili e seu tambor falante' tem sessões online