Brechós ajudam a economizar e renovar energias

Um guia, para este final de semana, com brechós e um mercado de troca de roupas e acessórios para fazer as compras de Natal a preços módicos e longe do tumulto dos shoppings

Brechós são alternativa para tornar o bolso e o mundo mais sustentáveisBrechós são alternativa para tornar o bolso e o mundo mais sustentáveis - Foto: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Este final de semana pode ser sua chance de fazer comprinhas de Natal e conciliar algumas coisas aparentemente incompatíveis: gastar pouco dinheiro, fugir do tumulto dos shoppings e preservar o meio ambiente.

Optar pelos brechós e bazares que fervilham por toda a cidade é uma saída que tem atraído muita gente. Esqueça aquela imagem de um lugar que vende roupas velhas, sujas e fora de moda. Tendência que veio de fora, eles vieram para ficar e são uma excelente forma que as pessoas têm encontrado, também, de circular energia, renovar o guarda roupa e, no caso dos vendedores, fazer um dinheirinho com aquilo que não usam mais. Confira as dicas que a Folha de Pernambuco buscou para você.

Leia também:
Brechós conquistam consumidores
Brechós: peças diferentes, elaboradas e com preço acessível
“Brechó Retrô” vai movimentar a Zona Norte


Brechó Salve Todas

Surgiu há 7 anos, quando uma das integrantes mudou-se para São Paulo, e no começo se chamava Bazar Bota Fora. Tem loja no Instagram (@brechosalvetodas). Traz peças novas, semi novas e usadas das cinco organizadoras, familiares e amigos. Os preços são a partir de R$ 10. "Pedimos que as pessoas tragam suas ecobags, porque este ano não vamos fornecer sacola plástica, para se adequar à mudança de mentalidade que pregamos", diz a produtora cultural Laura Antunes, que também está recolhendo alimentos para doação.
Onde: rua Lopes de Carvalho, 120 - Madalena
Quando: sábado, 15, das 10h às 17h, e domingo, 16, das 10h às 14h

Encontro de Brechós
Criado em fevereiro de 2017, congrega mais de 20 brechós diferentes, além de expositores de comida, acessórios e outros itens. Costuma acontecer mensalmente e traz peças a partir de R$ 5. "As pessoas consomem demais e às vezes não sabem o que fazer das peças. Eu mesma abri minha primeira loja só com meus desapegos", conta a organizadora Tatiana Veloso, uma apaixonada pelo conceito de economia circular. "Tem muita coisa boa que não tem necessidade de ir para o lixo ou ficar no armário, sem uso", aponta. E se você ficou com vontade de vender suas próprias peças numa próxima edição, é só pagar uma taxa de R$ 100 (utilizada para pagar o espaço e mais mesa, cadeira, panfletagem e outros serviços).

Onde: Galeria Ubaias Center - estrada das Ubaias, 758, Casa Forte
Quando: domingo, 16, das 10h às 18h (contato: 98850-2441)

Bijuterias e toda sorte de presentinhos estão disponíveis nos brechós e bazares

Bijuterias e toda sorte de presentinhos estão disponíveis nos brechós e bazares - Crédito: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Bazar Solidário do Projeto Germinar
Seguindo a linha beneficente característica dos eventos promovidos em igrejas e organizações não-governamentais, o bazar busca fundos para viabilizar a formação de alunos do Programa Germinar (voltado para a formação de lideranças e empreendedores e visando à construção de ambientes sociais saudáveis, através dos princípios da fraternidade). As peças foram doadas por familiares e amigos, e vão de R$ 2 a, no máximo, R$ 20. Há roupas, calçados, acessórios e livros, entre outros itens. "É uma relação onde todos ganham. Nós, porque conseguimos a verba necessária. Já quem compra, sai feliz, porque fizemos uma seleção criteriosa. Só tem peças boas à venda", assegura a organizadora Priscila Xavier. É a terceira vez que o evento acontece e, segundo ela, a adesão foi tão grande que o grupo já tem material suficiente para fazer mais duas ou três edições do bazar.
Onde: Parque Dona Lindu - av. Boa Viagem, s/n - Boa Viagem
Quando: domingo, 16, das 10h às 18h

Brechó das Minas
Foi criado a partir da comunidade virtual Networking das Minas (espaço que divulga oportunidades de trabalho, serviços e projetos feitos por mulheres). Está em sua quinta edição e também funciona como um encontro de brechós totalmente colaborativo, que ocorre em locais diferentes como a Mostra Internacional de Música de Olinda (Mimo) e a Casa Co.Criativa (sede do evento atual). A arte educadora Licinha Cemíramis conta que quem quer participar, paga uma taxa para cobrir custos - que, nesta edição, custou apenas R$ 20. Desta vez, serão 38 expositoras. "Geralmente, brechós são organizados por mulheres, o que tem a ver com a relação do público feminino com a moda e com a necessidade de buscar uma rede de apoio, gerando renda e movimentando a economia", opina. A cientista social Samantha Souza também integra a organização e reforça a ideia. "O brechó é uma alternativa que fortalece a sustentabilidade, tanto das mulheres, como do meio ambiente. Num momento de crise como o que estamos passando, é um espaço carregado de significados, onde é possível achar soluções para a dificuldade econômica e ao mesmo tempo repensar nossos hábitos de consumo", afirma.
Onde: Casa Co.Criativa - Estrada do Encanamento, 675 - Casa Forte
Quando: sábado, 15, das 10h às 17hItens como calçados são bastante disputados pelos frequentadores de brechós

Itens como calçados são bastante disputados pelos frequentadores de brechós - Crédito: Ed Machado/Folha de Pernambuco

Mercado Ourela na Garagem
A proposta desse evento é ainda mais radical: as roupas não estão à venda, e sim disponíveis para troca. É preciso se inscrever previamente (paga-se uma taxa de R$ 30 para disponibilizar 20 peças, ou R$ 2 por peça individual). As roupas são avaliadas e classificadas por meio de pontos, que podem ser acumulados para edições posteriores. "Esta prática é comum em Nova Iorque, onde fiz um intercâmbio. Trabalho com moda e tive a ideia de introduzir o conceito no Recife", conta a organizadora Mariana Monteiro, que é designer e faz mestrado na UFPE. Ela ressalta que circular peças é repensar a moda e o consumo de forma ampla. "Assim, estendemos o ciclo de vida dos objetos e damos a oportunidade às pessoas de renovar seus guardar-roupas de forma mais saudável também para o bolso. Existe uma pesquisa do SPC/Serasa que diz que o vestuário é um dos maiores fatores de endividamento dos jovens na faixa dos 20 anos", alerta. Além das trocas, haverá uma feirinha com 20 marcas locais, que comercializam produtos sustentáveis como cosméticos, roupas e decoração - uma excelente chance de encontrar seus presentinhos de Natal.
Onde: rua Oliveira Góes, 361 - Poço da Panela
Quando: sábado, 15, das 10h às 17h (contato: 98894-0379)

Villa Olinda Brechó
Organizado pela jornalista Jacy Luna, o espaço vende peças em consignação, retendo uma porcentagem. Atualmente, são mais de 1,5 mil peças em estoque, com destaque para criações de estilistas e grifes famosas como Alexandre Hercovitch, Arezzo, Le Lis Blanc e várias outras. É possível encontrar roupas novas, ainda com etiqueta. A loja abre de forma permanente, e no mês de dezembro está funcionando de forma mais intensiva. "É só ligar e combinar, que eu recebo", afirma Jacy, que assegura só comercializar peças "em ótimo estado". "Aqui tenho de blusas de cetim, na faixa dos R$ 40, a vestidos finos, de festa, a partir de R$ 70", anuncia.
Onde: rua Antônio Estelita Passos, 55, Casa Caiada - Olinda
Quando: de terça-feira a sábado, das 14h às 18h (confirmar por telefone através do número 99680-1408)

Veja também

'Colônia', nova série do Canal Brasil, retrata história real de hospício mineiro
Drama

'Colônia', nova série do Canal Brasil, retrata história real de hospício mineiro

Coquetel Molotov, Bananada e DoSol se unem em passe vitalício
Mercado

Coquetel Molotov, Bananada e DoSol se unem em passe vitalício