Brega funk: conheça as apostas do ritmo que dará o tom do Carnaval

Músicas de artistas como Dadá Boladão e Felipe Original serão muito ouvidas durante os dias de folia em todo o País, especialmente em Pernambuco, onde o brega funk surgiu e ganhou força

Felipe Original prepara clipe com Jerry Smith, MC Anônimo e RuxellFelipe Original prepara clipe com Jerry Smith, MC Anônimo e Ruxell - Foto: Divulgação

Ao que tudo indica, o som predominante do Carnaval que se aproxima será o brega funk. Desde que MC Loma e as Gêmeas Lacração - agora só Loma e as Gêmeas - alcançaram o posto de hit da folia com o amador "Envolvimento", em 2018, o ritmo de origem pernambucana vem conquistando todo o Brasil. Não por acaso, artistas de peso nacional, como Pabllo Vittar, Léo Santana e Kevinho estão apostando no estilo para o período momesco. Ao mesmo tempo, nomes em ascensão da cena local têm emplacado mais e mais sucessos nas listas de músicas mais executadas do país.

"O brega funk já vem sendo o ritmo do Carnaval há alguns anos e continuará assim em 2020, dividindo espaço com outros ritmos que já são tradicionais da festa no Recife e em Olinda", defende GG Albuquerque, jornalista e pesquisador da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Ele afirma ainda que, enquanto o frevo e o maracatu ocupam espaços institucionais e de maior visibilidade na folia, o brega funk é ouvido em polos não oficiais. "Nas ruas de Olinda, por exemplo, você tem todas as orquestras de frevo nos blocos e também o pessoal nas casas, que colocam suas caixinhas de som de bluetooth tocando os MCs", aponta.

Entre as canções que o pesquisador aponta como fortes candidatas a virarem hits da folia momesca, duas têm a assinatura de Felipe Original. "Hit contagiante" - remix de "Evoluiu", de Kevin O Chris - e "Sentadão" - parceria com o DJ carioca Pedro Sampaio e o produtor pernambucano JS O Mão de Ouro - já contam com milhares de acessos nas plataformas digitais de vídeo e música. Como novidade, ele prepara para os próximos dias o lançamento de "Beat envolvente", com Jerry Smith, MC Anônimo e Ruxell.

Leia também:
[Entrevista] 'O brega funk representa a favela', diz Shevchenko
Quem é o pernambucano JS Mão de Ouro, do hit 'Tudo Ok'


Com 28 anos de idade, Felipe Original é natural de Paulista, na Região Metropolitana do Recife, e começou a trabalhar com música ainda adolescente. Curiosamente, sua estreia foi cantando rap. "Eu gostava muito de Facção Central e Racionais, mas por aqui isso não era tão valorizado. Quando vi gente como MC Metal e Cego fazendo brega funk, vi uma brecha para entrar na cena musical de Pernambuco", conta o artista. Em paralelo à carreira musical, ele teve outros empregos e cursou faculdade de logística. Só após a explosão de "Hit contagiante", resolveu largar o trabalho como auxiliar de almoxarifado e se dedicar totalmente à música.



Outro pernambucano que promete estar em todas as playlists deste Carnaval é Dadá Boladão. Contratado pela renomada produtora paulista KondZilla Records, o músico aparece como um dos principais nomes do bregafunk em plataformas de streaming como o Spotify e o Deezer. Um dos responsáveis por esse sucesso é "Surtada", gravada com Tati Zak e OIK, que bombou no ano passado e deve seguir em alta durante os dias de folia. Em dezembro, Dadá participou de "Paredão", com Kevinho e MC JottaPê.

"É um momento único esse que estou vivendo. Sou muito feliz com tudo o que está acontecendo na minha vida, mas tenho certeza que isso aqui é só o começo. Muitas coisas grandiosas ainda estão para acontecer não só comigo, mas para o brega funk. Nosso movimento está só começando a se espalhar no país", comenta Dadá, que em janeiro teve a oportunidade de cantar pela primeira vez em Portugal. Apesar de todo o sucesso, o músico ainda percebe preconceito com o ritmo que representa.



"Por ser um ritmo periférico, sempre vai existir um pouco de preconceito, mas eu creio que 80% das pessoas já aceitaram. Quem criticou um dia, hoje já curte e dança. É o fator da informação, tá ligado? Quando você não conhece algo de fato, fica difícil de gostar daquilo. A partir do momento que você começa a escutar e vê outras pessoas fazendo o mesmo, acaba se envolvendo também. O brega funk tem um swing dançante que as pessoas gostam bastante", diz.

Não dá para falar de hit carnavalesco sem citar "Tudo OK". A música de JS O Mão de Ouro, Thiaguinho MT e Mila é a mais provável vencedora dessa disputa. Com mais de 50 milhões de visualizações no YouTube, a canção só reforça o sucesso em nível nacional do pernambucano JS, responsável por quatro das 50 músicas mais executadas no Spotify Brasil.

Mas será que a popularidade do ritmo pernambucano sobreviverá depois do Carnaval? Para GG Albuquerque, a resposta é positiva. "Acredito que o brega funk continuará em expansão ao longo do ano. Historicamente, a força do movimento já foi provada. Passou por momentos de crise, no sentido de perseguição policial, mas sempre continuou vivo, por dois motivos: a capacidade de inventiva dos artistas e seu poder comercial. Há um lastro econômico que foi sendo criado há quase uma década, uma mentalidade empresarial e um profissionalismo que dão uma perenidade ao ritmo", explica.

Veja também

Record demite Marcos Mion após 11 anos na emissora, diz colunista
Famosos

Record demite Marcos Mion após 11 anos na emissora, diz colunista

Cinco filmes que merecem continuações
Cinema

Cinco filmes que merecem continuações