Breve e marcante trajetória no teatro de Joaquim Cardozo

Peças do escritor, entre as décadas de 1960 e 1970, estão reunidas em livro, que será lançado nesta quarta-feira (24)

Joaquim Cardozo, escritorJoaquim Cardozo, escritor - Foto: Divulgação

Mais conhecido por sua vasta produção poética, o escritor e engenheiro civil pernambucano Joaquim Cardozo (1897-1978) também deixou sua marca no teatro. A dedicação à linguagem dramatúrgica surgiu tardiamente, entre as décadas de 1960 e 1970, quando escreveu seis peças: "O coronel de Macambira" (1963), "De uma noite de festa" (1971), "Os anjos e os demônios de Deus" (1973), "O capataz de Salema" (1975), "Antônio Conselheiro" (1975) e "Marechal, boi de carro" (1975).

Poucas vezes levados aos palcos, os textos ganham a chance de serem conhecidos por um público maior. É que eles foram reunidos em livro pela Cepe Editora, que será lançado nesta quarta-feira (24), às 18h, no Teatro Arraial Ariano Suassuna, dentro da programação do 24º Janeiro de Grandes Espetáculos.

Com o título de "Teatro de Joaquim Cardozo - Obra completa", a publicação traz, além das peças, textos de dois especialistas no universo do autor: João Denys Araújo Leite, da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e Manoel Ricardo de Lima, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Unirio). Para João Denys, o lançamento do livro cumpre papel fundamental. "O teatro é instantâneo. Para preservar o texto, nada melhor e mais eficiente que a publicação. Com a obra em um só volume, a importância ainda é maior. Podemos cotejar o texto, compará-lo, entende-lo integralmente", comenta.

Leia também:
Livro reconhece importância do historiador Oliveira Lima
Obra póstuma de Ariano Suassuna é lançada pela editora Nova Fronteira
Biografia revela as outras faces de José Pimentel

Uma característica fácil de identificar em todas as obras dramatúrgicas cardozianas é a presença da cultura popular nordestina como fonte de inspiração. Influência essa que não fica restrita aos personagens e cenários das histórias. O imaginário regional está vivo também na própria estrutura dos textos, como em "O coronel de Macambira" e "Marechal, boi de carro", ambos escritos no formato de apresentações de bumba-meu-boi. "Cardozo, mais que qualquer dramaturgo brasileiro, soube enxergar nas manifestações populares o valor cósmico nelas contidos. Ele consegue transcender o que produziu Hermilo Borba Filho, Ariano Suassuna, Luís Marinho, Osman Lins e tantos outros", defende João.

Como engenheiro calculista, Joaquim Cardozo ajudou Oscar Niemeyer a erguer alguns dos mais famosos monumentos de Brasília, como o Palácio do Planalto e a Catedral Metropolitana. Essa outra faceta do pernambucano, ligada às ciências exatas, não está dissociada da literatura. "Beppo Levi, o matemático italiano que vivia na Argentina, é tão importante para o pensamento de Joaquim Cardozo quanto Da Vinci, Coubert, Cezanne ou Brecht. Ele elaborou um pensamento radical e potente, que atravessa toda a sua pequena produção. E isso se dá em perspectiva e luta entre o poema, o teatro, a crítica, o relato, a anotação etc., traçando uma linha indistinta e díspar", pontua Manoel Ricardo.

Serviço:
Lançamento do livro "Teatro de Joaquim Cardozo - Obra completa"
Cepe Editora, 552 páginas, R$ 40 (físico), R$ 12 (Ebook)
Nesta quarta-feira (24), às 18h
No Teatro Arraial Ariano Suassuna (Rua da Aurora, 457, Boa Vista)
Entrada gratuita
Informações: (81) 3184-3057

Veja também

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem
Assédio

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem

Mais de 40 filmes de terror nacionais são exibidos em mostra online
Cinema

Mais de 40 filmes de terror nacionais são exibidos em mostra online