CAETANO - 80 ANOS

Caetano Veloso é verso, prosa e ebulição aos 80 anos

Cantor e compositor baiano celebra oito décadas neste domingo (7), como símbolo imponente da cultura nacional

Caetano Veloso, cantor e compositorCaetano Veloso, cantor e compositor - Foto: Camila Alcântara/@calcantarasouza

Foi com Luiz Gonzaga e os sambas de roda baianos que o quinto dos sete filhos de José Telles Veloso e de dona Canô deixou escapulir a vertente artística, ainda na tenra idade dos cinco anos de vida na terra natal Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo Baiano. 

Era 1947 e dali até os tempos atuais, exatos 75 anos se passaram, tempo hábil para culminar no octogenário Caetano Emanuel Vianna Telles Velloso, nome inconteste da Música Popular Brasileira, e que neste domingo, 7 de agosto, celebra 80 anos de vida – destes, pelo menos 60 deles dedicados a um fazer artístico peculiar e que segue necessário em verso, prosa e ebulição, que o coloca distante de um mero “mortal” para a cultura do País.

 



As mais tocadas de Caê
De Caetano, no acervo do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad), constam pouco mais de 1,9 mil gravações registradas. Ao longo da carreira são mais de 600 canções, com “Sampa” – composta para o aniversário de São Paulo, em 1978 - no topo das mais tocadas na última década e “Você é Linda” (1983) e “Você não Entende Nada” (1970), respectivamente na segunda e terceira colocação entre as mais executadas em segmentos como rádios e shows. 
 

Caetano Veloso, cantor e compositorFoto: Matheus Alves/divulgação

Mas os dados fonográficos que o elegem como símbolo da música nacional é apenas o limiar da vastidão que orbita em torno de Caetano Veloso, como voz que marca também e, fundamentalmente, vieses sociais e políticos Brasil e mundo afora.

Que o digam a Tropicália e, frise-se, para além da estética musical que foi o movimento, com a “Alegria, Alegria” ao lado de Gil, Gal, Tom Zé e Os Mutantes, em um período “sem lenço e sem documento no sol de quase dezembro” dos anos de 1960, que aplainou concomitante junto aos tempos cruéis da Ditadura Militar, inclusive – quiçá principalmente – como o período mais obscuro para a arte como um todo. 


 

Gil, Tom Zé e Caetano

Cultura em catarse
No exílio, em Londres, após ser preso, ao lado do também octogenário Gilberto Gil, Caetano seguiu em movimentos cruciais para projetar a catarse da cultura nacional.

Era início dos anos de 1970 e em tom melancólico e saudoso do Brasil que o havia expulsado, as sete faixas do álbum “Caetano Veloso” (Famous) – que em 2021 completou 50 anos - foi o contraponto para a asfixia que circundava artistas, intelectuais e jornalistas exilados, entre outras figuras “incômodas” à época.

Atemporal, luminoso, inquieto, popular (ou não), cronologicamente Caetano será celebrado neste domingo, às 20h30, em live ao vivo junto aos filhos Moreno, Tom e Zeca, e à irmã, Maria Bethânia - via aplicativo da Globoplay, aberto para não-assinantes e no canal fechado Multishow


Celebração também na literatura
Na literatura, pelo menos seis livros vão ser lançados para impulsionar a data, um deles “Caetano Veloso – Conversaciones com Carlos Galilea” ganhou lançamento em junho, na Espanha, cujo prólogo foi subscrito pelo ‘oitentão’ baiano. E sobre o mais recente trabalho “Meu Coco” (2021, Sony), tal qual fez nos idos anos iniciais de carreira, ele não silenciou e atento, como é de esperar de quilates da arte como ele, falou (cantou) sobre um dos verbetes em evidência nos tempos atuais: resistir.

“Apesar de você dizer que acabou, que o sonho não tem mais cor, eu grito e repito: Eu não. Vou” (“Não Vou Deixar”). Para os dias, meses e anos após 7 de agosto...



Caetano vai se prolongar resistente, oxalá, ao seu tempo de vida ‘pelas bandas de cá da terra’, embora, plácido (e desapegado), ele apoie-se em finitudes. “Somos o infinito aprisionado no finito. Sinto mais o impacto do mistério de existir, de ter consciência de que isso é finito, que eu vou acabar. Então o mundo todo vai acabar para mim, em mim, de mim” (Caetano Veloso, dezembro de 2021, Roda Viva/TV Cultura).

Veja também

Espetáculo 'A Golondrina' estreia no Teatro de Santa Isabel neste fim de semana
Teatro

Espetáculo 'A Golondrina' estreia no Teatro de Santa Isabel neste fim de semana

Abertas inscrições para curso gratuito de aperfeiçoamento em aéreos
Circo

Abertas inscrições para curso gratuito de aperfeiçoamento em aéreos