Cantora Lúcia Menezes lança disco com músicas da própria infância

O sonho da artista de gravar músicas que coleciona desde a infância será lançado pela Biscoito Fino. O resultado é um álbum feito com o coração

Cearense radicada no Rio, Lúcia contou com  participações especiais como a de Chico BuarqueCearense radicada no Rio, Lúcia contou com participações especiais como a de Chico Buarque - Foto: Divulgação

 

Cearense da cidade de Itapipoca, a cantora Lúcia Menezes mantém um passatempo da época de criança: colecionar músicas. “Desde os dez anos de vida, sempre que ouvia na rádio algo que me encantasse, corria para gravar em fita cassete. Hoje, tenho mais de 3 mil canções nessa minha coleção”, revela a artista, que se mudou para o Rio de Janeiro em 2002. Em seu sexto álbum, intitulado “Lúcia”, a intérprete realiza o sonho de ter o registro de algumas dessas músicas cantadas na sua própria voz.

Neste novo CD, lançado pela Biscoito Fino, Lúcia aposta na receita de trabalhos anteriores, reunindo composições de variados nomes da música brasileira. Eclético, o repertório vai de Chico Buarque a Luiz Gonzaga, passando por Jorge Mautner e Chico Anysio. “Há músicas que ficam na saudade, mas que quase não se ouve mais. Resolvi trazer de volta canções que fizeram sucesso e outras que foram desmerecidas. Defini isso como um norte que guia a minha obra e vem dado certo”, afirma a cantora, que em 2008 foi indicado ao Prêmio de Música Brasileira, na categoria cantora regional, pelo disco “Pintando e bordando”.

Em “Desencontro”, terceira faixa do álbum, é possível ouvir a voz do próprio autor do samba, lançado em 1968. No dueto, Chico Buarque e Lúcia cantam a melancolia de um amor que chegou ao fim. O convite partiu da cantora, que não esconde o sentimento de fã. “Vez ou outra, a gente acabava se encontrando, porque moramos no mesmo bairro, no Leblon. Quando comecei a pensar no disco, bateu uma vontade de convidá-lo. Tomei coragem, fiz a proposta, e ele aceitou”, relembra. “Passei uma semana me preparando para a gravação, porque Chico é um dos meus grandes ídolos. Na hora foi muito legal.

Ele foi muito simpático, brincalhão e deixou o ambiente bem descontraído”, conta.
Outra participação especial do disco produzido por José Milton, com arranjos e regência de Cristóvão Bastos e João Lyra, é a da cantora Miúcha, irmã de Chico Buarque. Ela e Lúcia cantam juntas “Sonho de marinheiro”, de João Donato e Fausto Nilo, que ganhou um novo arranjo em ritmo de ciranda. “Nós ficamos próximas em 2005, num estúdio de música, quando gravei ‘A violeira’, de Chico. A Miúcha é uma diva, sabe que é, mas não precisa dizer isso para ninguém. Ela é uma pessoa sempre divertida e muito fácil de lidar”, elogia.

Mesmo morando na capital carioca há mais de uma década, Lúcia não deixa de lado suas raízes. Em seu repertório, ela reverencia compositores nordestinos, como Ednardo (“Enquanto engomo a calça”), Vital Farias (“Sete cantigas para voar”), Chico Anysio (“A fia de Chico Brito”) e os pernambucanos Luiz Gonzaga (“A letra i”) e Zé da Flauta (“Zé Piaba”). “Meu sotaque e a musicalidade da minha terra eu não quero perder jamais. Posso cantar todos os ritmos, mas o que eu aprendi na infância está bem guardado no coração”, assegura.

 

Veja também

Nego do Borel apela para discurso religioso após acusações de agressão
Religiosidade

Nego do Borel apela para discurso religioso após acusações de agressão

Comparada a Satanás, Andressa Urach critica pastores da Universal
Polêmica

Comparada a Satanás, Andressa Urach critica pastores da Universal