Capoeira busca reconhecimento em Pernambuco

Manifestação da cultura popular ganha segunda edição de seminário, enquanto projeto de lei busca seu fortalecimento no Estado

Mestres daqui e de outras cidades brasileiras comentam suas vivências no evento, no Centro EstácioMestres daqui e de outras cidades brasileiras comentam suas vivências no evento, no Centro Estácio - Foto: Divulgação

O 2° Festival e Seminário "Capoeira Em Evolução: Preservando sua Essência", que ocorre sexta-feira (23) e sábado (24) no Centro Universitário Estácio do Recife, no Prado, endossa um coro de reivindicações que buscam divulgar e preservar a Capoeira. Pois tramita na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) um projeto de lei tornando possível o reconhecimento da manifestação artística como Patrimônio Cultural Imaterial do Estado, de autoria do Deputado Estadual Zé Maurício (PP). Embora seja considerado tanto pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), desde 2008, e pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), desde 2014, como Patrimônio Cultural Imaterial, a Capoeira não obtem o mesmo reconhecimento em Pernambuco.

"A importância da Capoeira é imensa para a cultura e ao cotidiano das pessoas, já que também possui um forte viés pedagógico", comenta Mestre Pácua, que por cinco anos esteve à frente da União dos Capoeiras Leão do Norte (Unicalen). O capoeirista - além de Gran Mestre, é professor e músico - fala da diferença que aulas de Capoeira fazem na vida dos seus alunos. "Além do exercício físico propriamente dito, ajudam a formar o caráter. Tendo uma riqueza histórica e musical tão grande, a prática serve de instrumento de luta social. É uma manifestação genuinamente brasileira, formada através da miscenação das culturas indígena, negra e branca. Em nenhum lugar, você encontra uma mistura assim", diz o mestre.

Leia também:
Para empoderar nossa capoeira
Livro mostra os bastidores da criação musical
Livro 'No seu pescoço' reúne 12 contos sobre cultura e preconceito

O projeto de lei que tramita na Alepe está atualmente sendo analisado pela Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco, que tem até 90 dias para devolver o documento à casa. O texto do projeto argumenta que o reconhecimento ajudaria a Capoeira a obter maior espaço e estrutura para apresentações, já que a aprovação da medida teria um efeito importante para a ampliação da valorização da prática no Estado, já que aqui ela foi determinante para a cultura do passo do Frevo. "Lutamos também para que os mestres de Capoeira consigam garantir sua aposentadoria por lei em Pernambuco, como ocorre na Bahia, já que a prática constante da atividade demanda esforço físico e mental", finaliza Mestre Pácua.

Promovido pelo Coletivo de Mestres de Capoeira, o festival e seminário trará na sexta, entre 18h e 22h, os Mestres Zumbi Bahia e Israel para falarem sobre suas vivências dentro da Capoeira, e a entrada é gratuita ao público. Já no sábado é oferecido um curso para Contra-mestres, Mestrandos e Mestres, entre as 18h e as 22h.

Veja também

Instagram deleta conta de deputado que xingou AnittaRedes

Instagram deleta conta de deputado que xingou Anitta

Pela primeira vez, uma obra de Banksy será leiloada na América LatinaArte

Pela primeira vez, uma obra de Banksy será leiloada na América Latina