Cultura+

Casa de Manuel Eudócio reabre ao público

Produção do ceramista de Caruaru ficará exposta no seu ateliê, que estava fechado há um ano, em Caruaru

Mesmo sem investimento para o projeto, filhos do artista figurativo do barro tomaram a frente para reativar o espaçoMesmo sem investimento para o projeto, filhos do artista figurativo do barro tomaram a frente para reativar o espaço - Foto: Andréa Regos Barros/Arquivo Folha

Em um espaço que integra casa e ateliê, o ceramista Manuel Eudócio extraía do barro as obras de arte que o tornaram Patrimônio Vivo de Pernambuco. O lugar era parada obrigatória para os turistas que passam pelo Alto do Moura, em Caruaru. Desde que o mestre faleceu, no entanto, o público não tem mais acesso à oficina e ao acervo que ela guarda. Nesta segunda-feira (13), exatamente um ano após a morte do artista, seus filhos reabrem o local para visitação.

“Uma boa parte de tudo o que meu pai produziu ao longo da vida está guardado no ateliê. Era nesse lugar onde ele passava a maior parte do tempo, sempre criando, mesmo aos 85 anos. Portanto, deixar que ele permaneça fechado seria uma perda muito grande para a cultura pernambucana. Além do mais, essa também é a melhor forma de preservar a memória dele para as futuras gerações”, afirma um dos filhos do artesão, Ademilson Rodrigues, 52 anos. O artesão morreu por complicações de insuficiência renal crônica, após ter sido internado com suspeita de febre chikungunya.

Não foi por falta de vontade da família de Eudócio que o estúdio ficou de portas fechadas durante tanto tempo. Embora tivessem o desejo de transformar o local em centro cultural, os herdeiros do ceramista aguardavam a possibilidade de investimento público no projeto. “Estávamos esperando pela Prefeitura de Caruaru, que havia demonstrado interesse em transformar a oficina em memorial. Por 2016 ter sido um ano de eleições, não foi possível que isso se concretizasse. Como a gestão mudou, resolvemos não esperar e reabrir o lugar do jeito que estava, com a simplicidade que meu pai sempre teve. Contamos com o apoio de alguns amigos, mas esperamos que surjam outros parceiros”, torce.

Durante a reabertura, os filhos do mestre farão as honras da casa, recepcionando os visitantes e mostrando não só as peças deixadas pelo artista, mas também os objetos e utensílios usados por ele em seu processo criativo. A visitação é gratuita e ocorre nesta segunda-feira (13), das 9h às 12h e das 14h às 18h. “A nossa intenção é que, daqui para frente, o ateliê fique aberto ao público todos os dias. Mas nós ainda precisamos nos reunir para discutir a viabilidade”, diz.

Mesmo não faltando pessoas interessadas em adquirir as obras do mestre, a família não pretende comercializar partes da coleção exposta. No entanto, os oito filhos de Eudócio que ainda estão vivos aprenderam o ofício do pai e devem dar continuidade à produção das figuras de barro. “Existe um espaço anexo ao ateliê, onde funcionava a garagem da casa. Lá a gente pretende montar uma loja e vender aquilo que nós criamos”, adianta. Para Ademilson, o legado do artesão vai além do reconhecimento e dos títulos recebidos em vida. “Ele nos deixou como herança a arte, a cultura e a formação moral. Isso não dá para mensurar”, defende.

Veja também

Os 21 filmes na disputa pela Palma de Ouro no 75º Festival de Cannes
Cinema

Os 21 filmes na disputa pela Palma de Ouro no 75º Festival de Cannes

Com mercado aquecido, Recife vê novas galerias de arte surgirem
Galeria de Arte

Com mercado aquecido, Recife vê novas galerias de arte surgirem