Drama histórico

Cate Blanchett vive líder antifeminista em "Mrs. America"

Com dez indicações ao Emmy 2020, a minissérie chega ao Brasil através do canal Fox Premium

Cate Blanchett interpreta a conservadora Phyllis Schlafly, ícone do Partido RepublicanoCate Blanchett interpreta a conservadora Phyllis Schlafly, ícone do Partido Republicano - Foto: Divulgação

Forte apoiadora do movimento “#MeToo”, Cate Blanchett é hoje uma das mais potentes vozes em defesa das mulheres em Hollywood. A personagem que a atriz interpreta em “Mrs. America”, no entanto, é a antítese de tudo aquilo que ela defende em sua vida pessoal. A minissérie, que recebeu dez indicações ao Emmy 2020, chega ao Brasil neste sábado (19), com os dois primeiros episódios sendo exibidos no canal pago Fox Premium 1, a partir das 22h15.

Baseada em fatos históricos, a produção mostra o debate em torno da Emenda da Igualdade de Direitos (ERA), que pretendia incorporar à Constituição dos Estados Unidos a garantia de igualdade de direitos entre homens e mulheres, nos anos 1970. Blanchett dá vida a Phyllis Schlafly, ativista ultraconservadora que liderou um movimento de mulheres contra a emenda.

Do outro lado da disputa, estão mulheres que defendiam a luta feminista no país norte-americano, como Gloria Steinem (Rose Byrne), Betty Friedan (Tracey Ullman), Shirley Chisholm (Uzo Aduba), Bella Abzug (Margo Martindale) e Jill Ruckelshaus (Elizabeth Banks). A minissérie mostra também os dilemas internos do movimento, que tentava encontrar a dose certa entre ganhar espaços de poder e não abdicar de pautas importantes.  

Ainda que a luta representada na obra já tenha avançado em muitas conquistas, “Mrs. America” soa bastante atual. Para além da questão feminista, é difícil não estabelecer um paralelo entre a trama e a onda conservadora que atingiu diversos países ao redor do mundo nos últimos anos. Em sua campanha contra a ERA, Phyllis utilizava argumentos sem comprovação, como dizer que a emenda tornaria o serviço militar obrigatório para as mulheres. Isso muito antes do termo “fake news” entrar para o vocabulário político. 

Como era de se esperar, o trabalho de atuação de Cate Blanchett é simplesmente primoroso. Duas vezes vencedora do Oscar e do Globo de Ouro, a atriz encara com maestria a desafiadora tarefa de encarnar uma personagem que para boa parte do público esteve do lado errado da história. O magnetismo de Blanchett em cena faz com que mesmo quem não compactua com os ideais da personagem sinta certa empatia por ela. 

Série Série também mostra a luta das feministas nos anos 1970 (Foto: Divulgação)

Phyllis é apresentada em “Mrs. America” sem julgamentos, de uma forma muito humanizada e com algumas contradições expostas de maneira subliminar. Ao mesmo tempo em que defende a submissão das mulheres aos seus maridos - algo que parecia legítimo para ela e tantas outras mulheres da época -, ela se mostra uma excelente estrategista, conseguindo furar a bolha predominantemente masculina do Partido Republicano. No fim das contas, a trama revela que o jugo de uma sociedade patriarcal é algo a ser superado dia após dia, mesmo por aquelas que não enxergam nisso um problema. 

Veja também

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações
Streaming

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos
Celebridades

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos