Childish Gambino toca na ferida com 'This is America'; veja vídeo

Com referências explícitas à violência policial que os negros sofrem nos Estados Unidos, Childish Gambino apresenta até então o melhor clipe do ano

Childish Gambino em cena do "This is America"Childish Gambino em cena do "This is America" - Foto: Reprodução/Youtube

Não seria exagero afirmar que Childish Gambino - projeto musical do ator, roteirista e produtor Donald Glover - parou a internet no último domingo (6), com o clipe do seu novo single "This is America". Apresentado primeiramente ao público no humorístico Saturday Night Live, Gambino toca diretamente nas feridas dos Estados Unidos: morte e encarceramento em massa da população negra do país e o controle de armas. Diversos artistas como Janelle Monáe e Lady Gaga publicaram em suas redes sociais a admiração e respeito pelo trabalho do artista de 34 anos. "This is America" já acumula mais de 35 milhões de visualizações no YouTube em menos de três dias, um marco para a plataforma de vídeos. 

No clipe, Childish Gambino dança e realiza gestos enquanto atrás dele ocorrem diversas cenas. De negros sendo mortos, perseguidos pela polícia ou se suicidando, o vídeo cumpre seu objetivo: entretidos, os Estados Unidos não prestam atenção no extermínio de pessoas negras, mas ao mesmo tempo reservam amores e teses de defesa para as armas. Brilhantemente Childish Gambino critica este fato em uma cena de violência explícita, quando mata um homem e um coral de igreja à queima-roupa.

Leia também:
Indústria musical registra crescimento recorde de vendas em 2017
#Cazuza60anos - Relembre a história e as músicas do poeta do rock nacional
Consumo de música na internet muda a forma de distribuição e lançamento de novos discos


Cada frame de "This is America" vale uma análise. Childish Gambino embriaga o público de referências sobre a cultura de opressão que os negros sofrem nos Estados Unidos, e do seu cotidiano e sonhos. De conceitos claros como Jim Crow - personagem criado ao final do século XIX que perpetua estereótipos do homem negro e acabou nomeando toda uma política de leis segragacionistas - até uma figura de preto em cima de um cavalo branco - possivelmente referenciando à Morte, descrita no livro bíblico do Apocalipse.

A cada minuto surgem nas redes sociais novas interpretações sobre o que Gambino quis dizer neste ou naquele momento, realçando a genialidade do músico e a força que a sua mensagem está trazendo em tempos de polarização política.

Longe de terras estadunidenses, o youtuber brasileiro Felipe Neto questionou as políticas de conteúdo da plataforma, apontando a permissão para cenas explícitas. Felipe Neto então foi lembrado pelos internautas que conteúdo explícito - como nudez e violência - pode ser liberado no site quando carrega um viés educacional e pedagógico. 



No Grammy 2018, o terceiro disco de Childish Gambino, "Awaken, My Love!", foi indicado em quatro categorias - Álbum do Ano, Gravação do Ano, Melhor Música R&B e venceu a de Melhor Performance Tradicional de R&B. Em 2017, levou dois Emmys para a casa - a de Melhor Ator em Comédia e Melhor Direção em Comédia, ambos pela sua série "Atlanta". Em épocas conturbadas como estas, a música e a cultura pop precisam de artistas como Childish Gambino, ou Donald Glover, mesmo que suas mensagens doam. 

Veja também

Universal aproveita brecha legal para estrear TV Templo
Televisão

Universal aproveita brecha legal para estrear TV Templo

'Futuro só o Boninho conhece', diz Ana Clara sobre apresentar o BBB
Famosos

'Futuro só o Boninho conhece', diz Ana Clara sobre apresentar o BBB