A-A+

Cinzas de Francisco Brennand serão levadas para oficina na Várzea

Cerimônia de cremação ocorreu na manhã desta sexta-feira, no cemitério Morada da Paz, em Paulista

Cremação do artista plástico Francisco BrennandCremação do artista plástico Francisco Brennand - Foto: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco

Após velório encerrado na manhã desta sexta-feira (20), familiares, amigos e admiradores de Francisco Brennand se reuniram no cemitério Morada da Paz, em Paulista, na Região Metropolitana do Recife, para a cerimônia de cremação. De acordo com a filha mais velha do artista plástico, Neném Brennand, as cinzas do pai serão espalhadas pela Oficina Brennand, no bairro da Várzea.

“Meu pai dizia ‘Não quero missa de sétimo dia. Quero voltar para a minha casa imediatamente’. E assim será. Ele queria que as cinzas fossem espalhadas por todos os lugares da oficina. Terá uma urna simbólica, obviamente, mas vamos colocar as cinzas por todos os lugares por onde ele passou. Tudo ali ele olhava. Se saísse uma peça do lugar, ele notava”, afirmou Neném.

Leia também:
Últimos momentos do adeus a Francisco Brennand na Capela Imaculada Conceição
Velório de Francisco Brennand reúne centenas de amigos e familiares

O caixão com o corpo de Francisco Brennand deixou a Oficina Brennand às 9h. No Morada da Paz, a família recebeu as condolências de amigos, artistas e autoridades, na capela do cemitério e, por volta das 11h, seguiu para cerimônia íntima de cremação.

“Meu pai deixa uma obra que levou uma vida inteira para ser criada. Era apaixonado pelo que fazia. Só em 2019 pintou mais de cem quadros. Trabalhava de domingo a domingo, sem feriado ou dia santo. A obra dele fala por si só, um patrimônio cultural sem precedentes no Brasil é um legado para a humanidade”, afirmou Pedro Fabrício Mendes Brennand, de 51 anos, um dos cinco filhos do artista.

Entre as autoridades presentes esteve o prefeito do Recife, Geraldo Julio, que lamentou a morte de um dos maiores ícones da cultura pernambucana. "Brennand foi um dos mais ilustres recifenses da história, admirado no mundo inteiro por sua obra. É uma perda irreparável para a cidade. Eu tive o grande privilégio de poder estar com ele algumas vezes no seu local de trabalho, ouvindo suas histórias de amor dele pelo Recife e de tudo o que ele acompanhou de transformação", contou.


Veja também

Dia da Música Popular Brasileira: "Aquarela do Brasil" volta ao topo das mais gravadas
MPB

Dia da Música Popular Brasileira: "Aquarela do Brasil" volta ao topo das mais gravadas

Sorriso Maroto não descarta aderir ao piseiro após 'pagotrap'
Pagode

Sorriso Maroto não descarta aderir ao piseiro após 'pagotrap'