LUTO

"Com Zé Celso, aprendi a viver a liberdade", disse Gianecchini sobre peça em que ficava nu em cena

Em artigo para O Globo, escrito em 2021, ator contou a experiência de voltar a trabalhar com o diretor 20 anos depois, em 'Fédro'

Zé Celso e Reinaldo Gianecchini em montagem de 'Fedro' Zé Celso e Reinaldo Gianecchini em montagem de 'Fedro'  - Foto: Divulgação/Pedro Pedreira

Confira a seguir relato do ator Reynaldo Gianecchini sobre a importância de José Celso:

"Primeiro, conheci o José Celso Martinez Corrêa através do trabalho dele. E como ele se mostra inteiro naquele palco/casa que é o seu Teatro Oficina!

Como ele é visceral, grandioso, gigante mesmo, provocador, libertador e inspirador como é o teatro que ele oferece generosamente ao seu público fiel, que sabe que ali vai encontrar espaço para sair do chão, voar e alcançar lugares inimagináveis. Sim, ele e o teatro são uma coisa só, a mesma verdade, o mesmo motor gerador de tanta eletricidade.

Depois, o conheci de perto quando entrei para aquela trupe maravilhosa do Teatro Oficina. Nem nos meus melhores sonhos podia visualizar um começo de carreira tão intenso e determinante como esse.

Naquele momento, entendi que dali pra frente nada seria como antes, meu destino nas artes estava selado.

Achei que nunca mais sairia do lado dele, que não haveria terreno mais fértil do que aquele para eu me encontrar, me desenvolver como ser humano e artista. Mas um golpe do destino me levou para a TV. Topei o desafio do novo que se apresentava, mas nunca tirei o Zé Celso e seu Teatro Oficina de mim.

Depois de um hiato de 20 anos, nos reencontramos no documentário “Fédro”, promovido pelo inspirado Marcelo Sebá.

Fiquei muito nervoso, porque sabia que ia mexer fundo nas minhas emoções. Topei o desafio de, agora, mais maduro, tentar me aproximar mais dele e dialogar, tentando enxergar camadas mais profundas dessa experiência que é estar ao lado dele. Porque Zé Celso é o ser mais livre e sem amarras que alguém pode conhecer. E não tem como não ser contagiado, tocado por essa força.

Como ele mexe com nossa liberdade! Ou a ausência dela, porque ao lado dele entendemos que ainda temos muito o que conquistar em relação a isso.

Alguns podem rejeitá-lo, porque essa liberdade também dá medo. Outros, como eu, no mínimo param para refletir.

Os entendimentos chegam sempre na hora certa para cada um. Com o Zé Celso, tenho a sensação de que, para ele, certas coisas sempre foram claras desde cedo.

Só agora, depois, e por causa, desse último encontro com ele, tive a real dimensão de que tanta coisa já andou dentro de mim rumo a essa tal liberdade.

A liberdade de poder ser, na potência do meu desejo, na minha expressão própria, sem amarras, sem ter que negociar nada. Que aula!

Obrigado, Zé Celso. Sei que as fichas vão continuar caindo, porque você tem esse dom natural de nos tocar fundo."

Reynaldo Gianecchini é ator

Veja também

Sobreviventes de "crimes reais" tomam controle de suas histórias no TikTok
REDES SOCIAIS

Sobreviventes de "crimes reais" tomam controle de suas histórias no TikTok

Sobrenome e zero contato: entenda a briga dos filhos de Brad Pitt e Angelina Jolie com o pai
CELEBRIDADES

Sobrenome e zero contato: entenda a briga dos filhos de Brad Pitt e Angelina Jolie com o pai

Newsletter