Música

Conde (Só Brega) volta à cena, atrai novas gerações e se mantém nome forte da música pernambucana

O "Conde do Brega" em Pernambuco tem "bombado" entre os jovens que acompanham o brega no Estado

Conde, cantor e compositor do brega pernambucanoConde, cantor e compositor do brega pernambucano - Foto: Gabriella Oliveira

“Pode ser só ‘Conde’ mesmo, o que vier, do rock ao samba, tá valendo”, foi assim que o Conde (Só Brega), figura quase mística da música pernambucana, se apresentou para esta entrevista.

Apesar de ter assumido o viés eclético na música, da essência ao figurino, Ivanildo Marques da Silva, 68, é Conde ‘Só Brega’, em alusão à banda formada por ele na década de 1990 mas, principalmente, pelo gênero que o tornou conhecido pelas bandas de cá e faz tempo, segundo o próprio, há cinco décadas. 

“Comecei aos 16 anos como guitarrista de Maurício Reis”. E lá se vão oito CD’s, quatro DVD’s, mais de dez coletâneas e uma média de 50 composições assinadas por ele, que nos últimos tempos vem ganhando adeptos de uma geração que inclui o pernambucano João Gomes, nome recente (e promissor) da música País afora. 
 

Crédito: Gabriela Oliveira

 

2022 já o melhor ano
“O melhor ano pra mim já é 2022 porque cantei com esse menino e foi a melhor coisa que eu pude receber. Sempre tive o público jovem ao meu lado, mas agora explodiu”, contou, em tom de quem ainda está sob o encantamento de ter cantarolado ao lado do artista de Serrita (PE) a sua “Espelhos do Poder” em uma festa de Revéillon em Petrolina.

“Foi a partir de João também que muita coisa mudou em minha vida”, complementa Conde em conversa com a Folha de Pernambuco.

Sossego e estabilidade
Expoente do brega pernambucano – gênero que se tornou em 2021 Patrimônio Imaterial do Recife – ele, como a grande maioria, integrou o rol de artistas que padeceram em meio à pandemia da Covid-19, mas atualmente já não precisa mais “correr atrás” para ter o dinheiro do aluguel do apartamento onde mora, em San Martin, Zona Oeste do Recife. 

“Hoje, gravo de outros o que ouço e gosto, mas quando precisava corria atrás e escrevia”, comenta. À fase financeira aliviada ele atribui, inicialmente, ao convite recebido da On Produções, que o trouxe de volta à cena. 

“Nunca deixei de fazer shows, mas eram poucos. Agora, só neste mês de janeiro fechamos 22 apresentações. Tá bacana tudo isso e admito que em 2021, além da saúde que não me faltou, consegui me manter bem, com contrato assinado e gravação de mais um DVD”. Trata-se do trabalho “Livre pra Voar”, com participação de nomes como Petrúcio Amorim e Sheldon, entre outros.

Brega alto nível
Somado ao frenesi de ter João Gomes exaltando seu cancioneiro, inclusive em redes sociais, a fase do Conde é, de fato, das melhores. Fato atribuído por ele à constância de manter as letras que canta em "alto nível". “Sempre segui na luta, vi muita gente indo embora da música. Mas olhe, faço letras com conteúdo, essência e visão de futuro, sobre coisas sérias, de alto nível e intelectualidade”, definindo seu repertório. 

E embora já tenha antecipado 2022 como o melhor ano de sua vida, os meses que estão por vir devem guardar boas surpresas para o cantor e compositor recifense, desde a agenda de shows cheia até março até os planos de levar o gênero para fora do Estado e do Brasil – programação prevista para os meses de abril e maio deste ano. Um feito que ele encara sem deslumbre.

“Se tiver de fazer um show na Europa, vai ser maravilhoso. Mas nada disso altera minha cabeça e a alegria vai ser a mesma, ou até mais se for para cantar no Interior pernambucano”, confessa Conde, realizado em ter chegado até aqui e com desejos simples de quem tem muito mais a agradecer do que pedir. 

“Fui menino feliz de jogar bola e soltar pipa. Infância pobre, mas rica em brincadeiras. Não penso no que quero realizar nem com quem ainda quero cantar. Vai ser uma honra dividir o palco com quem quer que seja. Tenho isso não de ser famoso, nem gosto de ser rotulado, até porque tem tanta gente que canta melhor do que eu. Sabe o que quero mesmo? Fazer meu sítio lá em Glória do Goitá. Terreno já tenho.” E como diria o próprio Conde, isso é bacana mesmo.

Veja também

Ave Sangria celebra Paulo Rafael em show no Teatro do Parque
Música

Ave Sangria celebra Paulo Rafael em show no Teatro do Parque

Morre, aos 73 anos, o rabequeiro de Aliança, Mestre Luiz Paixão
Luto

Morre, aos 73 anos, o rabequeiro de Aliança, Mestre Luiz Paixão