Crítica: 'Benzinho' é relato simples e intimista de uma família

Segundo longa-metragem de Gabriel Pizzi, o filme 'Benzinho' se destaca pela maneira como apresenta personagens fortes e uma história envolvente

Cena do filme 'Benzinho', dirigido por Gabriel Pizzi, com a atriz Karine TelesCena do filme 'Benzinho', dirigido por Gabriel Pizzi, com a atriz Karine Teles - Foto: Divulgação

O título do segundo longa-metragem de Gabriel Pizzi é "Benzinho", uma referência à maneira como Irene (Karine Teles) chama seus filhos. Esse título parece conter, com força exemplar de síntese e afeto, a essência do filme: um relato simples, intimista e emocional do cotidiano de uma família. 'Benzinho' entra em cartaz nesta quinta-feira (23). 

O filho mais velho é um adolescente, se chama Fernando (Konstantinos Sarris), é goleiro do time de handebol da escola. Ele é tão bom que recebeu uma bolsa de um colégio da Alemanha, o que provoca um delicado tumulto emocional em Irene.

"O filme é muito pessoal, em vários aspectos, mas sem ser biográfico", diz Gabriel. "A gente lida com elementos pessoais e os transforma. A gente queria um jeito para essa mãe chamar esses filhos. Um jeito peculiar, pouco usado, que destacasse ela. Chegamos no 'benzinho', que na verdade é como meus pais se chamam. Meu pai chama minha mãe de 'benzinho' e minha mãe chama meu pai de 'benzinho'. É uma forma emblemática de mostrar o carinho dessa personagem pelos filhos", detalha o diretor.

Leia também:
Crítica: Filme 'Unicórnio' é uma fábula lenta e silenciosa
Crítica: 'O Animal Cordial' é uma fábula violenta sobre o Brasil
Crítica: 'O Protetor 2' mistura ação e melodrama em enredo empolgante


A personagem interpretada por Karine é uma figura central no enredo: a maneira como ela não apenas cuida dos filhos, da casa e do marido, Klaus (Otávio Müller), como também procura autonomia financeira e intelectual.

O filme aos poucos oferece pistas, mostrando, por exemplo, o esforço de Irene em concluir o ensino médio e, em outro momento, uma conversa entre ela e sua antiga patroa - cena em que são sugeridos comentários sobre hierarquia, sociedade, absurdos que se tornam normais com o efeito do tempo.

"Geralmente, quando se tem um filme com histórias do jovem que vai para o mundo, a ideia do 'coming of age' [expressão que se refere à amadurecimento], é o clássico americano do menino que vai para a universidade, vai sair de casa. Então a gente queria fazer uma espécie de 'coming of age' da mãe. A saída do filho desse ponto de vista que é menos visto e muito mais interessante. Era isso nos interessava falar", explica o diretor.

A partir dessa mãe, é possível investigar a maneira como a estrutura familiar se mantém a partir de certas tradições. "Meu pai sempre foi um cara presente, mas ele era classicamente o grande provedor da família, e isso acaba criando na minha geração, e acho que até hoje, uma estrutura familiar em que as crianças são praticamente criadas pela mãe, pelas tias, pelas mulheres, com uma presença feminina maior do que a masculina", diz Gabriel.

"O contato com o pai, o avô, fica mais para o final de semana, quando não é menos. Isso na minha experiência. Então a gente pensou nesse aspecto: como a mulher carrega esse peso sozinha, como as mulheres têm que cuidar da casa, dos filhos, fazer comida, trabalhar fora, cuidar do marido, que vira quase um outro filho. Isso sempre foi para a gente uma questão importante", destaca. Nesse ponto, é fundamental observar o talento da atriz Karina Teles, dando consistência e força a todos esses sentimentos.

Origem

"Benzinho" nasceu a partir da percepção de Gabriel de sua própria história familiar. "Quando tive filho foi o primeiro momento, depois que saí de casa, que comecei a pensar como poderia ter sido para meus pais", lembra o diretor. "Ao mesmo tempo, pensei que daqui a pouco, assim como eu, meu filho também vai sair de casa. Um dia vou passar por isso. Isso me interessava muito", explica.

O resultado foi a escrita do roteiro, ao lado da atriz e protagonista Karine Teles. "Ela também saiu cedo de casa, aos 17 anos, e a gente tem uma vida de experiências muito próximas. Crescemos na mesma cidade, e por mais que a gente não se conhecesse éramos de bairros muito próximos e estruturas familiares parecidas. Então a partir daí a gente começou a escrever essa história", destaca.

Veja também

Saiba o que muda para Hollywood agora que a China bateu os EUA em bilheteria
Audiovisual

Saiba o que muda para Hollywood agora que a China bateu os EUA em bilheteria

A psicodelia moderna de Petrônio e as Criaturas em novo Ep
Música

A psicodelia moderna de Petrônio e as Criaturas em novo Ep