Cultura+

Crítica: Grande missão de 'Aquaman' é ressuscitar a DC no cinema

Com Jason Momoa no papel principal, 'Aquaman' supera as piadas sobre o personagem e aponta um novo caminho para os filmes do universo DC Comics

Aquaman é interpretado por Jason Momoa Aquaman é interpretado por Jason Momoa  - Foto: Divulgação

A reputação do Aquaman nunca foi das melhores. Ao longo dos anos, a habilidade de falar com peixes foi um prato cheio para as piadas no meio nerd, reforçando a fama de herói secundário. Com o primeiro filme solo do Rei dos Mares, protagonizado por Jason Momoa, isso está prestes a mudar. O longa-metragem, que estreia nesta quinta-feira (13), no Brasil, promete melhorar a imagem do personagem e, de quebra, dar alguma esperança sobre o futuro da DC Comics - empresa norte-americana de quadrinhos - nas telas.

Na busca por estabelecer um universo cinematográfico, a principal rival da Marvel vem cometendo uma sucessão de erros. Excetuando-se "Mulher-Maravilha", todos os filmes anteriores da empresa decepcionaram. Em "Aquaman", no entanto, a DC parece ter encontrado um caminho para seguir com mais dignidade. O diretor James Wan entrega uma aventura leve, colorida, com ação desenfreada, efeitos visuais que impressionam e cheia de referências da cultura pop. Não há de inovador, mas a fórmula é executada com excelência.

A trama nos leva às origens do herói aquático. Arthur Curry é filho de um humano com Atlanna (Nicole Kidman), rainha do reino submarino Atlântida, e cresce na superfície. Para evitar que ocorra uma guerra entre os dois mundos, ele sai em busca de uma arma mítica capaz de controlar os sete mares e ajudá-lo a destronar seu meio-irmão Orm (Patrick Wilson). O roteiro consistente, além da direção de arte estonteante, ajuda a fazer desse universo povoado por criaturas marinhas um lugar interessante e com potencial para ser ainda mais explorado em possíveis sequências.

Leia também:
Sandra Bullock participou da CCXP e falou do novo filme 'Bird Box'
Rodrigo Santoro, o 'Louco' do filme da turma da Mônica
'Vingadores - Ultimato': nova sequência da Marvel

Tornar a figura do Aquaman atrativa para os espectadores também é mérito de Jason Momoa. Conhecido como Khal Drogo, da série Game of Thrones, o ator havaiano foi a escolha perfeita para viver o personagem. Seu carisma e visual dá ao atlante uma aparência menos "engomadinha', que condiz com sua personalidade "pavio curto". Ao mesmo tempo, a produção não desmerece as origens de seu protagonista, que surge com seu uniforme original numa das cenas mais hipnotizantes do filme.



O que não engrenou, entretanto, foi a relação entre Arthur e Mera (Amber Heard). Se como parceiros de batalha os dois parecem afinados, como casal a química simplesmente não aconteceu. Um detalhe pouco relevante, se levarmos em conta a força que a princesa tem por si própria, assim como Nicole Kidman, que toma conta da tela numa cena de luta eletrizante. Outro destaque do elenco é Willem Dafoe, que empresta sua experiência para interpretar o conselheiro Vulko.

No quesito vilão, o papel de Patrick Wilson deixa a desejar. Pouco aproveitado neste filme, o Arraia Negra (Yahya Abdul-Mateen II) se mostra um inimigo mais fascinante e com motivos reais - que chegam a ser compreensíveis - para odiar o herói. A cena pós-créditos dão a pista de que, no futuro, ele poderá ter mais destaque numa continuação da franquia.

Cotação:
Bom

Em breve:

"Era uma vez um Deadpool"

A Fox leva aos cinemas, no dia 27 de dezembro, uma versão de "Deadpool 2" para menores. Como parte de uma campanha contra o câncer encabeçada pelo ator Ryan Reynolds, o mercenário tagarela da Marvel surge em um conto de Natal, contando sua história para os garotos que não puderam acompanhar a violência e os palavrões da versão original.



"Homem Aranha no Aranhaverso"

Indicada ao Globo de Ouro e forte candidata ao Oscar, a animação reúne diferentes "homens-aranhas" de universos paralelos. No filme, o jovem Miles Morales assume a identidade do Aranha, mas para conseguir derrotar o Rei do Crime precisa da ajuda de outras versões do herói. A estreia no Brasil está prevista para o dia 10 de janeiro.


Veja também

Sueco Ruben Ostlund ganha sua segunda Palma de Ouro por 'Triangle of Sadness'
Festival de Cannes

Sueco Ruben Ostlund ganha sua segunda Palma de Ouro por 'Triangle of Sadness'

Adiada a segunda noite de show de Caetano Veloso no Guararapes
Música

Adiada a segunda noite de show de Caetano Veloso no Guararapes