Crítica: 'Jurassic World: reino ameaçado' recorre a clichês

Filme produzido por Steven Spielberg estreia nesta quinta-feira (14). 'Jurassic World: reino ameaçado' reúne mesmas características do filme anterior

Cena do filme 'Jurassic World: reino ameaçado'Cena do filme 'Jurassic World: reino ameaçado' - Foto: Universal Pictures/Divulgação

A combinação entre ficção científica, suspense e ação, com efeitos especiais impressionantes, transformou "Jurassic park: o parque dos dinossauros" (1993) em um clássico do cinema.

A maneira fascinante e carregada de adrenalina como Steven Spielberg recriou os dinossauros, que sempre ocuparam um lugar especial na cultura pop e na memória afetiva dos espectadores, tornou o filme um sucesso comercial e rendeu duas sequências, lançadas em 1997 e 2001, e uma segunda trilogia, iniciada em 2015, com "Jurassic World: o mundo dos dinossauros".

Estreia hoje "Jurassic World: reino ameaçado", dirigido por J.A. Bayona (de "Sete minutos depois da meia-noite", de 2016) e produzido por Spielberg, 25 anos depois do filme original. Retornam os personagens Claire (Bryce Dallas Howard) e Owen (Chris Pratt), que no longa anterior salvaram a ilha que hospedava o Jurassic World, parque que reunia uma grande quantidade de dinossauros, incluindo o Indominus Rex, criado geneticamente para ser um predador implacável.

Leia também:
Filme 'Jogador nº1' mistura cultura nerd e nostalgia
'Vingadores: Guerra Infinita': blockbuster empolgante e explosivo
Blockbuster: impacto e entretenimento no mercado do cinema


Claire e Owen agora tentam resgatar os dinossauros que seguem na ilha, ameaçados por um vulcão prestes a explodir.

O filme traz praticamente todos os elementos já explorados nas obras anteriores, especialmente no filme de 2015. Há novos dinossauros, criados através de misturas entre diferentes espécies, o que os torna ainda mais poderosos e ameaçadores; há humanos tolos que, por ganância e delírios de poder, sonham em lucrar com a venda desses dinossauros, mesmo que signifique cruzar certas fronteiras éticas e morais do estudo genético; há, ainda, grandes sequências de ação de tirar o fôlego, com dinossauros correndo rapidamente e exterminando humanos com violência.

A sensação é de uma versão piorada do filme anterior, de 2015. Todos esses elementos estavam lá e pareciam feitos com maior beleza e empolgação. O roteiro deste novo capítulo da franquia, assinado por Colin Trevorrow e Derek Connolly, parece mais preguiçoso, recorrendo a bandidos pouco inteligentes e soluções banais nos principais momentos do filme.

A dupla protagonista e os novos dinossauros não apagam o fato de ser um enredo fácil de antecipar o que vai ocorrer nas principais cenas, resultado de um roteiro que recorre a clichês e soluções existentes em filmes anteriores.

Cotação: regular


Veja também

Memorial Luiz Gonzaga promove live sobre obra do Rei do Baião
Cultura

Memorial Luiz Gonzaga promove live sobre obra do Rei do Baião

Atriz de 'Stranger Things' está namorando filho de Bon Jovi
Casal

Atriz de 'Stranger Things' está namorando filho de Bon Jovi