Crítica: 'MIB: Homens de Preto - Internacional' é mais do mesmo

Estrelado por Chris Hemsworth e Tessa Thompson, novo filme da franquia acerta na dupla de protagonistas, mas se perde em roteiro trivial e confuso

Chris Hemsworth e Tessa Thompson apresentam dupla carismática em novo filme "MIB"Chris Hemsworth e Tessa Thompson apresentam dupla carismática em novo filme "MIB" - Foto: Sony Pictures/Divulgação

Todo reboot (reinício de uma obra de ficção) de uma franquia de sucesso carrega o peso das comparações. No caso de "MIB: Homens de Preto - Internacional", que chega aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (13), há uma desvantagem clara em relação aos seus antecessores. Mesmo com uma nova dupla de protagonistas bastante carismáticos, o quarto filme da série de ação não consegue repetir o encanto proporcionado pelas produções anteriores.

Sem Tommy Lee Jones e Will Smith, que estrelaram os três primeiros longas-metragens, o novo filme aposta no entrosamento entre Chris Hemsworth e Tessa Thompson, já testado em "Thor: Ragnarok" (2017). Deixando os deuses nórdicos para trás, os atores vivem agora os agentes dos Homens de Preto. Na trama dirigida por F. Gary Gray ("Velozes e furiosos 8"), eles precisam lidar com um espião infiltrado na organização e que ameaça a missão de proteger a Terra das ameaças alienígenas.

Leia também:
Sérgio Malandro faz participação em 'MIB: Homens de Preto Internacional'
'A velhice é um massacre', diz Almodóvar após lançamento de filme autobiográfico


Molly, interpretada por Tessa, descobre a existência de extraterrestres ainda na infância, quando a memória dos seus pais é apagada. Aceita como uma agente MIB e rebatizada de M, ela é enviada para Londres, onde conhece o inconsequente agente H, vivido por Hemsworth. A combinação entre as duas personalidades rendem momentos engraçados, mas que não são suficientes para salvar o longa. Embora cativantes, os personagens carecem de complexidade. Outros grandes atores, como Liam Neeson e Emma Thompson, são desperdiçados em papéis pouco explorados.



Os efeitos especiais e as cenas de ação não deixam a desejar, mas não passam de uma embalagem bonita para um roteiro previsível e cheio de trechos confusos. Mesmo tentando ampliar os universos da franquia, levando trama para um cenário fora dos Estados Unidos, a sensação é de ter visto mais do mesmo. Se em 1997, quando o primeiro "MIB" estreou, os ETs, as armas curiosas, os óculos e os ternos pretos eram uma novidade para o público, agora já não causam nenhum impacto. Era preciso ir além da mera repetição desses elementos, coisa que o novo filme não conseguiu.

Cotação
Regular   

Veja também

Elton John adia turnê após machucar quadril no final das férias
Música

Elton John adia turnê após machucar quadril no final das férias

Sérgio Lemos: mais de cinco décadas dedicadas à pintura
Artes Visuais

Sérgio Lemos: mais de cinco décadas dedicadas à pintura