A-A+

Crítica: Thomas Vinterberg se entrega à cartilha de Hollywood em seu novo longa, 'Kursk'

Baseado numa história real, a produção lembra um episódio trágico de agosto de 2000. Na ocasião, um submarino russo afundou no mar de Barents, localizado ao norte da Noruega e da Rússia

KurskKursk - Foto: Reprodução/ Adorocinema

Em março de 1995, dois diretores dinamarqueses lançaram um manifesto a favor de um cinema baseado na câmera na mão e sem truques de fotografia e iluminação especial.

Defendiam, em suma, filmes radicalmente realistas, sem efeitos. Surgia o Dogma 95. Um desses diretores era o jovem Thomas Vinterberg; o outro, Lars von Trier, já tinha quase 40 anos. Nos anos seguintes, outros cineastas aderiram ao receituário. Havia uma dose farta de marketing nesse protesto contra Hollywood, mas o fato é que o movimento ganhou visibilidade, especialmente porque alguns dos filmes eram realmente bons.

Leia também:
Quentin Tarantino enfrenta assaltantes que invadiram sua casa
Kursk (leg)
Anitta fará a sua estreia como atriz e aparecerá na pele de fã obcecada em 'Amor de Mãe'


Muito premiado, "Festa de Família" (1998), de Vinterberg, foi a melhor produção lançada sob as regras do Dogma 95. Depois disso, já sem as amarras do movimento, ele lançou filmes como "A Caça" (2012) e "A Comunidade" (2016). Nenhum deles tem a força criativa de "Festa...", mas expunham as preocupações de um diretor em busca de uma assinatura própria.

A passagem do tempo não fez bem a Vinterberg. No recém-lançado "Kursk", ele se entrega à cartilha de Hollywood. Não que isso seja ruim por si só -nada impede que cineastas experimentem diferentes linguagens ao longo da carreira. O problema é constatar que Vinterberg abriu mão de qualquer ousadia estética. Como Quentin Tarantino mostra continuamente, é possível usar os códigos do cinema comercial americano para dar um passo adiante. Não é o que faz o dinamarquês.

Baseado numa história real, a produção lembra um episódio trágico de agosto de 2000. Na ocasião, um submarino russo -que dá nome ao filme- afundou no mar de Barents, localizado ao norte da Noruega e da Rússia. Considerado indestrutível pela Marinha do país, a embarcação levava 118 homens. No eixo central desse thriller dramático, está o capitão-tenente Mikhail Kalekov (Matthias Schoenaerts), que tem um filho pequeno e sua mulher está grávida.

Faltam nuances aos personagens principais de "Kursk", e os raros sinais de ambivalência somem justamente nas situações-limite. Somos lembrados insistentemente do heroísmo de Kalekov e da generosidade de David Russell (Colin Firth), o comandante da Marinha britânica que oferece ajuda aos russos. Por outro lado, o apuro técnico é evidente. Vinterberg filma as explosões dentro do submarino com tamanha precisão que consegue assustar o espectador.

O diretor claramente domina a engrenagem do cinema de ação, uma ironia quando nos lembramos do passado de Vintenberg, um tempo de pregação contra filmes de efeitos mirabolantes.

KURSK
Avaliação: razoável
Quando: Estreia nesta quinta (9)
Elenco: Matthias Schoenaerts, Léa Seydoux, Colin Firth e Max von Sydow
Produção: França, Bélgica e Luxemburgo, 2018
Direção: Thomas Vinterberg

Veja também

Irmã de Britney Spears diz que os pais a pressionaram a abortar aos 16 anos
JAMIE LYNN SPEARS

Irmã de Britney Spears diz que os pais a pressionaram a abortar aos 16 anos

Investigação sobre tiro de Alec Baldwin se concentra na custódia da arma
Tragédia no set

Investigação sobre tiro de Alec Baldwin se concentra na custódia da arma