Crítica: 'Yesterday' imagina um mundo sem os Beatles

Filme dirigido por Danny Boyle traz bons momentos ao som do quarteto de Liverpool, mas derrapa em trama previsível e repleta de clichês

Himesh Patel vive o protagonista de "Yesterday"Himesh Patel vive o protagonista de "Yesterday" - Foto: Divulgação

"Um mundo sem os Beatles é um mundo infinitamente pior", frase dita em uma das cenas de "Yesterday", resume a proposta do filme britânico que estreia hoje nos cinemas brasileiros. Dirigido por Danny Boyle ("Quem quer ser um milionário?" e "Trainspotting") e com roteiro de Richard Curtis ("Um lugar chamado Notting Hill"), o longa-metragem propõe um exercício de imaginação. O que seria de nós se John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr não tivessem existido?

O público é apresentado à história de Jack Malik (Himesh Patel), um cantor e compositor desiludido com os sucessivos fracassos na carreira musical. Estranhamente, a "virada no jogo" ocorre depois que ele sofre um acidente de bicicleta durante um repentino apagão mundial e, ao acordar, descobre que é o único que ainda lembra quem foram os Beatles. Enxergando nisso uma oportunidade, ele acaba se apropriando do repertório da banda inglesa e passa a fazer sucesso cantando canções como "Here comes the sun", "Help" e "All you need is love". A premissa até que é interessante, mas a debilidade na sua execução faz com que o filme não decole.

A princípio, a ideia central do roteiro parece ser contemplar a beatlemania, o que por si só já atrai as atenções de uma legião de fãs espalhada pelo mundo. No entanto, a certa altura, o quarteto de Liverpool passa a ser deixado de lado. Ao optar por atender aos clichês argumentativos que normalmente povoam uma comédia romântica, a trama ofusca o que seria o principal atrativo do filme: a música.

Leia também:
Crítica: 'Bacurau' é retrato de um Brasil que não se rende
'Simonal': para reavivar história e (boa) música


É pouco original - e até mesmo ultrapassado - o dilema romântico que envolve o protagonista, dividido entre a fama e a paixão por uma amiga de infância, como se as duas coisas fossem inconciliáveis. Pior ainda é o papel nada crível entregue a Kate McKinnon: uma empresária absolutamente caricata, encarnando quase todos os estereótipos da indústria musical.



Apesar das derrapadas, o que salva "Yesterday" de ser um desperdício completo de tempo é a sua leveza. É uma produção para assistir acompanhando cada clássico apresentado na tela, cantando junto com Malik. O humor britânico, unindo sarcasmo e sutileza, garante algumas boas risadas ao longo do filme.

O momento mais comovente do longa ocorre em uma das últimas cenas, quando o protagonista contracena com um curioso personagem que só existira nesta realidade imaginada pelo filme. A ideia de que um artista poderia atingir o estrelato interpretando composições feitas há mais de cinco décadas é um símbolo da atemporalidade da obra dos Beatles.

Veja também

Belutti diz ser desengonçado antes de estreia no Dança dos Famosos
Televisão

Belutti diz ser desengonçado antes de estreia no Dança dos Famosos

Compadre de Jojo Todynho é assassinado no Rio de Janeiro
Violência

Compadre de Jojo Todynho é assassinado no Rio de Janeiro