Daniela Vega, o símbolo transgênero que conquista Hollywood

A atriz chilena foi a primeira transexual a apresentar um prêmio em uma cerimônia do Oscar

Daniela Vega no tapete vermelho do Oscar 2018Daniela Vega no tapete vermelho do Oscar 2018 - Foto: Jordan Strauss/Invision/AP

Tudo parece sorrir para Daniela Vega. Sua mudança de gênero contou com o apoio de sua família e sua transformação de cabeleireira em atriz recebeu o respaldo do cineasta chileno Sebastián Lelio, ganhador do Oscar de melhor filme estrangeiro. Sua interpretação de Marina em "Uma mulher fantástica" - quinto filme de Lelio -, uma mulher transgênero que diante da morte de seu companheiro enfrenta a discriminação e a rejeição da família dele, a lançou no ano passado à cena internacional e pôs Hollywood a seus pés.

Não por acaso, foi a primeira transexual a apresentar um prêmio em uma cerimônia do Oscar.

Ninguém ficou indiferente diante do fenômeno Vega. Jornais como The New York Times, The Guardian, El País e as revistas Vanity Fair, The Hollywood Reporter e IndieWire se renderam diante da personalidade, elegância, dignidade e atuação da atriz chilena, de 28 anos. A revista americana W a incluiu em uma seleção do melhor de 2017, na que aparece fotografada com o ator Robert Pattison. O jornal nova-iorquino destaca o "carisma que desafia a pena e um porte que pode ser tanto intimidante como doloroso" de Daniela Vega. Para o The Guardian, a atuação de Vega é "apaixonada, inteligente e com discreta dignidade". Os que a conhecem a descrevem como uma mulher ambiciosa, determinada a chegar longe em sua carreira e que se envolve profundamente com o que faz.

Leia também:
Oscar mais politizado, mas nem tanto
Mesmo com cerimônia mais ágil, audiência do Oscar despenca nos EUA
Oscar de Frances McDormand é furtado


DE CABELEIREIRA A ATRIZ

Autodidata, Daniela Vega, nascida em Santiago em uma família de classe média, começou sua carreira no teatro, com obras como "Migrantes" e "A mulher borboleta" e aulas de canto. Suas aptidões para a lírica, estimuladas desde o colégio, a levaram pelo mundo das artes. Em 2014, participou no videoclipe da canção "María", do músico chileno Manuel García, e estreou no cinema com "A visita", um filme de Mauricio López Fernández, no qual também interpretou uma mulher transgênero.

Antes de Lelio, nascido na Argentina e criado no Chile, contratá-la como "assessora cultural" para preparar o roteiro de "Uma mulher fantástica" e depois lhe oferecer o papel de Marina, Daniela Vega ganhava a vida como cabeleireira em um salão de beleza de Santiago.

A RESPOSTA VIA INTERNET

Em entrevista ao suplemento Sábado do jornal chileno El Mercurio, sua mãe, Sandra Hernández, contou que durante a gravidez, os médicos lhe disseram que teria uma menina, e por isso já tinham preparado os brincos e a roupinha rosa quando nasceu.

Há 13 anos, Daniela Vega, vítima de assédio no colégio por sua condição e pressionada por sua mãe, definiu, após buscas na internet, o que sentia seu corpo de adolescente gótico, atraído pelos homens, e que não se encaixava com a homossexualidade. Era transexual. Em tempos difíceis para fazer frente a esta notícia em uma sociedade conservadora como a chilena, que ainda luta para sacudir os efeitos da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990). Os escândalos de pedofilia no âmbito da poderosa Igreja católica que ofuscam o clero ainda não tinham estourado.

Protegida por seus pais, Sandra Hernández e Igor Vega, e seu irmão caçula, Nicolás, ela iniciou seu "trânsito" para sua nova sexualidade, um processo que levou três anos. "Eu conheci o amor familiar, o romântico e estive rodeada de muito carinho", disse Vega em uma entrevista à AFP.

SÍMBOLO TRANSGÊNERO

Daniela Vega não mudou de identidade nem de sexo em seu passaporte porque a lei chilena não o permite. Os movimentos sociais chilenos esperam que a vitória de "Uma mulher fantástica" e a projeção internacional de sua protagonista contribuam para fazer a causa avançar e que se aprove o casamento entre pessoas do mesmo sexo e a Lei de Identidade de Gênero.

Essas iniciativas são impulsadas pelo governo da socialista Michelle Bachelet, que no domingo entregará o poder ao conservador Sebastián Piñera. No entanto, os sinais dados por membros do futuro executivo, apoiados por partidos que lutaram contra a aprovação do aborto terapêutico, não parecem muito animadores para o futuro de ambos os projetos.

"Não viemos pedir autorização para sermos quem somos, sejamos trans ou não, simplesmente somos como somos", diz a atriz, que se transformou no novo símbolo de uma ascendente sociedade chilena aberta e inclusiva. Enquanto isso, a equipe que fez história no cinema chileno será recebido nesta terça-feira, no Palácio La Moneda, pela presidente Bachelet como os novos heróis do país.

Veja também

Alok anuncia live especial de fim de ano com superprodução para 5 de dezembro
LVE

Alok anuncia live especial de fim de ano com superprodução

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco
Folha de Pernambuco

Navegue na edição digital da Folha de Pernambuco