Danilo Caymmi reverencia o pai no show 'Viva Caymmi'

Espetáculo, que mescla música e contações de histórias, será apresentado neste sábado (28) no Teatro RioMar

Produtor Nilson Raman e Danilo CaymmiProdutor Nilson Raman e Danilo Caymmi - Foto: Arthur Mota/Folha de Pernambuco

O papo começou pelo Recife dos idos de 1940, quando, sob a inspiração dos rios cortados de pontes, das rainhas do frevo e do maracatu, o samba-canção "Dora" foi composto. Uma primeira lembrança trazida por Danilo Caymmi, em visita à Folha de Pernambuco, sobre as memórias do pai, Dorival Caymmi (1914-2008), entre as tantas outras que serão contadas e cantadas por ele, neste sábado, no Teatro RioMar.

O palco receberá o espetáculo "Viva Caymmi", que teve sua estreia em 2018 no Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), passou pelo Teatro de Santa Isabel em maio e agora retorna à Capital pernambucana junto à Orquestra Bravo Cordas. "É uma obra em construção, em constante movimento, com experimentações. Abraçamos a ideia de levá-la Brasil afora, seguindo uma lógica cronológica que envolve música e histórias bem-humoradas", comentou Danilo.

Leia também:
Céu, de APKÁ!, é afetiva, sonora e estridente
Hebe Camargo se impõe contra censura em 'Hebe: Estrela do Brasil'


Partiu de Bibi Ferreira (1922-2019) a ideia de exaltar Dorival Caymmi em um espetáculo, tal qual ela fez com Edith Piaf e Sinatra, entre outros nomes, e com a produção de Nilson Raman. Não foi possível e, portanto, ficou para o filho do cantor e compositor baiano a "missão" de perpetuar a sua obra no palco levado, inclusive, por outras ferramentas além do show propriamente dito. "Seria um dos próximos espetáculos da Bibi, mas ela própria, depois, sugeriu o Danilo, que topou de imediato", contou Raman.

No palco, o "de tudo um pouco" define bem a apresentação que deve introduzir o público a um chamado "lado B" de Caymmi, mesclado a um repertório composto por mais de vinte canções. "São histórias bem-humoradas de meu pai, algumas que eu conhecia e outras que nem eu imaginava que faziam parte da vida dele. É certo que o público vai rir conosco, porque é um espetáculo em que a gente canta e se diverte muito", garante.

Com "Maracangalha", "O Mar", "Oração da Mãe Menininha" e "O Que é Que a Baiana Tem", entre outras, e acompanhado pelo sexteto de quatro violinos e dois violoncelos da Bravo Cordas, além do seu violão e sua flauta, Danilo deseja fincar na memória do público as letras e melodias compostas por Dorival, no decorrer de pouco mais de seis décadas de trajetória na música.

"É urgente que as novas gerações conheçam a obra do meu pai, assim como é preciso reforçar o que ele deixou, que é grandioso, inacabado. As pessoas precisam saber de quem é o que elas cantam e é engraçado como isso acontece desde o início do show, com o público acompanhando as letras", ressaltou Danilo, que, no Recife, com a Bravo, fará uma espécie de "espetáculo embrionário" para, futuramente, fazer da homenagem a Caymmi uma montagem orquestral. "Seguiremos com o 'Viva Caymmi' e com as experimentações de vozes e instrumentos em cada lugar por onde passamos", concluiu.

Serviço
"Viva Caymmi", sábado, 21h no Teatro RioMar

Ingressos a partir de R$ 40 (balcão, meia)
Av. República do Líbano, 251, RioMar Shopping

Veja também

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem
Assédio

'Fazer o certo requer coragem', diz Dani Calabresa sobre acusações contra Marcius Melhem

Mais de 40 filmes de terror nacionais são exibidos em mostra online
Cinema

Mais de 40 filmes de terror nacionais são exibidos em mostra online