lançamento

Dedicação é o mantra de Chico José, que lança sua biografia nesta quinta

“Escolhi as histórias que mais me marcaram, com depoimentos dos que viveram comigo cada episódio. Alguns deles inusitados”, afirmou.

Para concorrer a uma das duas vagas do Estágio-Visita, o candidato deverá gravar um vídeo de no máximo 60 segundos, evidenciando a vocação da sua regiãoPara concorrer a uma das duas vagas do Estágio-Visita, o candidato deverá gravar um vídeo de no máximo 60 segundos, evidenciando a vocação da sua região - Foto: Divulgação

Os 40 anos de carreira do jornalista Francisco José estão reunidos no livro "40 anos no ar - A jornada de um repórter pelos cinco continentes", da Globo Filmes, que será lançado nesta quinta-feira (22), às 19h, na Livraria Cultura do Shopping RioMar, na Zona Sul do Recife. Escrita pelo próprio jornalista, a obra é um recorte das experiências de reportagens que mais impactaram a vida profissional de Chico, como também é conhecido. "Escolhi as histórias que mais me marcaram, com depoimentos dos personagens que viveram comigo cada episódio. Alguns deles inusitados, micos que raramente foram ao ar. Fui escolhendo uma a um dos episódios e transformando em capítulos", afirmou.

O desafio maior, segundo Chico, foi selecionar os acontecimentos que estariam na publicação - diante das mais de duas mil reportagens que produziu. Entre elas, a mais desafiante, que para Chico, teria sido mergulhar e ficar cara a cara com o grande tubarão tigre, espécie responsável pela maioria dos ataques com morte em Pernambuco. Já a que mais gostou de fazer foi a vivência, durante 32 dias, com índios Enawenê Nawê, na Amazônia. "Mostrar como eles vivem completamente isolados de tudo, e como são suas crenças, costumes, a forma selvagem de viver. Foi a melhor porque foi o único programa "Globo Repórter" a ser finalista do prêmio Emmy", destacou.

Nascido na cidade do Crato, no Ceará, Chico cresceu no Recife, onde decidiu ser jornalista, profissão que segundo ele, é a mais gratificante de todas. "Tenho o jornalismo no sangue e nunca me arrependi de ter escolhido a função de repórter. Ao longo do tempo, conclui que nasci no Sertão para ser repórter no Recife. E daqui correr o mundo em busca de grandes reportagens, voltando sempre para a minha praia de Boa Viagem. Cada pauta que realizo é como se fosse a primeira reportagem. Parto pra fazer com muita dedicação", disse.

Agora, Chico vive uma nova experiência. Ele finaliza uma reportagem na região do Pacífico, mais precisamente, na Ilha de Peleliu, onde desbrava o que restou da Segunda Guerra Mundial. "Foram dezenas de mergulhos ao redor das ilhas do Pacífico. Desbravamos florestas para encontrar o que restou da guerra. Encontramos cavernas ainda cheias de bombas, canhões abandonados no meio da selva, dezenas de tanques de guerra sucateados. Foram caminhadas sofridas pelas montanhas, mergulhos radicais para entrar nos navios afundados em bombardeios, ainda carregados de munição. Tudo isso ainda me atrai e me realiza, como se fosse no início dos 40 anos no ar", completou.

Questionado sobre o que os leitores poderão esperar do livro, Chico foi resoluto. "O livro não é uma obra literária, é apenas o relato de um repórter nordestino que sempre viveu aqui e percorreu os cinco continentes e as extremidades norte e sul do planeta. Espero que os leitores não se decepcionem. A forma do texto é bem simples, como faço nas minhas matérias. Estou preparado para críticas, mas espero que o livro seja bem recebido ou pelo menos se torne um estímulo para jovens que estão iniciando a carreira", finalizou.

Serviço:

Lançamento do livro "40 anos no ar", de Francisco José
Editora: Globo Livros (246 págs; Preço: R$ 39,90)
Onde: Livraria Cultura do Shopping RioMar (avenida República do Líbano, Pina)
Quando: nesta quinta-feira (22), às 19h

Veja também

Nem Covid nem Bolsonaro frearam Lei Rouanet, que ficou estável em 2020
Cultura

Nem Covid nem Bolsonaro frearam Lei Rouanet, que ficou estável em 2020

Record demite Marcos Mion após 11 anos na emissora, diz colunista
Famosos

Record demite Marcos Mion após 11 anos na emissora, diz colunista