“Despedida em grande estilo" faz retrato cômico de uma crítica social

Em cartaz nas salas de cinema, filme retrata injustiças de forma hollywoodiana

Alan Arkin, Morgan Freeman e Michael Caine formam o trio de protagonistasAlan Arkin, Morgan Freeman e Michael Caine formam o trio de protagonistas - Foto: Divulgação

 

A realidade é uma das inspirações do cinema, sendo adaptada de formas e perspectivas diferentes. Na base de “Eu, Daniel Blake”, filme de Ken Loach vencedor do Festival de Cannes do ano passado, está a luta por direitos de um homem comum, as injustiças da máquina burocrática. Enquanto o filme britânico tende ao realismo, uma espécie sutil de drama político, o filme, que está em cartaz nas salas de cinema, “Despedida em grande estilo“, versão hollywoodiana da luta do homem contra o sistema, aproxima-se da liberdade poética do humor.

O longa é a refilmagem de uma obra de 1979. No enredo, os amigos Joe (Michael Caine), Willie (Morgan Freeman) e Albert (Alan Arkin) recebem benefícios da previdência de uma mesma empresa, que encerra esses contratos de forma abrupta. Um banco está envolvido nesse processo brutal de injustiça - o mesmo em que Joe é cliente e presenciou, na primeira cena, um assalto bem sucedido. 

A soma de problemas diversos - falta de dinheiro para comprar comida, impossibilidade de pagar a hipoteca - fazem Joe sugerir uma ideia ousada, considerando que os três já passaram dos 70 anos: assaltar o banco e roubar o dinheiro que lhes foi retirado. Há boas piadas sobre esse peculiar plano de aposentadoria, humor que nunca parece transcender para questões políticas maiores e mais urgentes. Os três atores parecem em sintonia e a direção de Zach Braff (“Hora de Voltar”, de 2004) tende a priorizar bons lances de humor e instantes de drama.

É a forma como o cinema comercial norte-americano retrata injustiças sociais: um filme que começa apontando deficiências contemporâneas e depois se transforma numa cativante fábula cômica. É uma história que diverte pelos personagens e sensibiliza por sugestões de dramas que geram empatia. Ao longo da projeção, o roteiro parece se afastar de uma possibilidade mais interessante de crítica social, optando pelas condições do gênero humor.

 

Veja também

Nego do Borel apela para discurso religioso após acusações de agressão
Religiosidade

Nego do Borel apela para discurso religioso após acusações de agressão

Comparada a Satanás, Andressa Urach critica pastores da Universal
Polêmica

Comparada a Satanás, Andressa Urach critica pastores da Universal