Música

Dia Nacional do Samba é celebrado nesta quarta-feira (2)

Ritmo perpassa gerações e se consagra a cada ano

Belo Xis, sumidade no samba pernambucano, abrilhanta o palco com performances e composições há 45 anosBelo Xis, sumidade no samba pernambucano, abrilhanta o palco com performances e composições há 45 anos - Foto: Eric Gomes

O samba é brasileiro ou o brasileiro é o próprio samba? Ambas afirmações têm o sentido de tanto faz. O samba tem a cara do Brasil. O ritmo, que saiu das periferias tomou conta do País, e tem seu dia comemorado nesta quarta-feira (2), acabou se tornando mais que um gênero musical, transformando-se em um fenômeno social. 

A data, apesar de não oficial, é celebrada em muitos estados, principalmente no Rio de Janeiro e na Bahia, onde projetos de lei foram aprovados, desde a década de 1960, perpetuando, assim, um dia exclusivo para este artefato cultural tradicional, que representa a nação perante o mundo. 

Surgido no século XIX, a partir dos antigos batuques trazidos pelos africanos que vieram escravizados para o Brasil, o ritmo consolidou-se no Rio de Janeiro, embora tenha sido na Bahia, segundo relatos históricos, que o samba tenha sido criado. Com raízes negras e, geralmente, associado a elementos religiosos, um tipo de ritual era feito através dessa música e sua dança. 

Democrático até na hora de ser reproduzido, o samba pode ser acompanhado ao som das palmas. Tradicionalmente, é tocado por instrumentos de corda e percussão, como cavaquinho, violão, pandeiro, surdo e tamborim. Com sua popularização pelo Brasil, outros sons foram introduzidos e novos segmentos a partir dele foram criados.  

O samba-enredo e as marchinhas engrandecem as escolas de samba e os blocos carnavalescos. O de gafieira enfeita e anima os salões de dança. O partido alto mistura improviso e a dança, e se aproxima do samba raiz. Entre suas muitas vertentes, o pagode, com um tom mais eletrônico, ganhou força e tornou-se destaque entre os filhos 'mais novos' do gênero. Apesar das particularidades, cada desdobramento tem características fiéis ao gigante que os gerou. 

Nomes como Cartola, Noel Rosa e Pixinguinha foram alguns dos responsáveis por dar voz ao som que prolifera até os dias atuais. Sucessos como “Vou festejar”, na voz de Beth Carvalho, e “Não deixe o samba morrer”, na de Alcione, estão marcados na memória de qualquer brasileiro. Dividir a mesma época com estrelas como Arlindo Cruz, Jorge Aragão e Fundo de Quintal é um privilégio, assim como também acompanhar os novos nomes que surgem e mantêm a hegemonia do samba no patamar que sua trajetória merece, como Xande de Pilares, Diogo Nogueira, Maria Rita, entre outros.  

Pernambuco 

Engana-se quem acha que Pernambuco é apenas a terra do frevo. Aqui, o samba ocupa um largo espaço, seja no cotidiano ou no Carnaval, inclusive, a Capital pernambucana adotou o dia 2 de dezembro também como Dia Municipal do Samba. 

Se nas décadas de 1960 e 1970 intelectuais travavam uma guerra com as agremiações e as escolas de samba do Carnaval do Recife, julgando ser uma traição às tradições do Estado, atualmente, um polo exclusivo de samba no carnaval, ascende ainda mais a democratização da folia momesca em nossa cidade. “Pernambuco é um dos cernes do samba do Brasil, mas foi uma construção de longas datas. O polo do samba enaltece esse impulso. A força é tão grande que precisou de um espaço só pra ele”, contou um dos símbolos do ritmo no Recife e o homenageado do Carnaval 2019, Belo Xis.  

A sucessão do samba recifense vê como estímulo os espaços e públicos que, cada vez mais, os abrigam. “Além do amor pelo que faço, o que me deixa mais entusiasmada é ver a alegria, a satisfação e a fidelidade do público recifense a cada show”, explicou Dinah Santos, voz feminina da nova geração que propaga o ritmo.  

A voz da periferia ecoa seja em bares, seja em festas, seja em pequenos projetos, ou em grandes festivais como o “Samba Recife”, que enaltecem a força do ritmo no Estado, espaço em que artistas locais e nacionais disseminam com louvor o gênero que representa a raiz e a identidade do povo brasileiro.

Veja também

Livro de Germana Accioly e nova exposição de Dani Acioli em cartaz na Casa Estação da LuzOlinda

Livro de Germana Accioly e nova exposição de Dani Acioli em cartaz na Casa Estação da Luz

Festival de Vídeos de Dança 'Na Ponta do PÉ' começa nesta sexta (3)Festival

Festival de Vídeos de Dança 'Na Ponta do PÉ' começa nesta sexta