Didi e Dedé se reencontram em “Os Saltimbancos Trapalhões - Rumo a Hollywood”

Filme se preocupa em resgatar o tipo de humor simples que Didi vem fazendo nos últimos anos

Remanescentes da trupe se juntam a Letícia Colin, que interpreta a personagem Karina nesta nova produçãoRemanescentes da trupe se juntam a Letícia Colin, que interpreta a personagem Karina nesta nova produção - Foto: Downtown Filmes/Divulgação

 

Didi Mocó Sonrisépio Colesterol Novalgino Mufumbo, eternizado por Renato Aragão, é, provavelmente, conhecido pelas gerações mais novas por programas televisivos como “A Turma do Didi”. Mas quem acompanha o humor inocente e quase infantil das últimas aparições do personagem talvez não lembre (ou não conheça) o espírito anarquista do trabalho que o consagrou.

“Os Trapalhões” foi fenômeno na TV de 1977 a 1993, encontrando sucesso maior ainda na telona, com a química perfeita entre Didi, Dedé, Mussum e Zacarias, em produções como “O Cangaceiro Trapalhão” (1983) e “Os Saltimbancos Trapalhões” (1981), cuja continuação/reboot estreia nesta quinta-feira (19).

Apesar do título, “Os Saltimbancos Trapalhões - Rumo a Hollywood” - 50º filme de Renato Aragão - é uma trama despretensiosa. Em momento algum a tal viagem à Hollywood é discutida. Em vez disso, o filme se preocupa em resgatar o tipo de humor simples que Didi vem fazendo nos últimos anos, mas com um diferencial: o retorno de Dedé Santana e as referências ao quarteto.

Mesmo após 19 anos sem contracenar em uma produção no cinema, os dois ainda mantém uma química impecável. Didi, o atrapalhado, e Dedé, quase sempre servindo de escada para as piadas do primeiro. “Rumo a Hollywood” é, além de uma continuação, uma espécie de reboot na trama, não sendo necessário conhecimento da obra original. Para quem é fã, é um brinde de nostalgia ver Renato Aragão e elenco entoando canções inspiradas no musical “Os Saltimbancos”.

Na nova trama, o circo Sumatra está à beira da falência após a proibição de espetáculos envolvendo animais (o que é sempre destacado pelos personagens como uma coisa boa). É então que o vilanesco Assis Satã (Marcos Frota) decide passar a alugar o picadeiro para os eventos de um prefeito corrupto. Cabe então a Didi e à jovem Karina (Letícia Colin) bolar um plano para que os espetáculos voltem a ser o principal atrativo do circo.

Mas se o carisma de Didi e Dedé salva o filme de ser uma produção quase indistinguível das últimas produções de Renato, o mesmo não pode se dizer do elenco. Mesmo com nomes como Letícia Colin, Marcos Frota, Alinne Moraes e Nelson Freitas, tudo parece muito caricato e fantasioso, quando não desnecessário.

No fim das contas, o filme parece uma tentativa de mesclar o humor dos anos 1970 com a estética mais infantil do Didi de hoje em dia, até, talvez, como forma de introdução aos novos fãs. Se visto dessa forma, o filme cumpre o que promete, com os melhores momentos sendo justamente as referências ao trabalho anterior, além das justas homenagens a Mussum e Zacarias, já falecidos, e os momentos sinceros de emoção de Didi e Dedé.

 

Veja também

Em sua maior edição, Música Mundo anuncia série de entrevistas como parte de suas atividades
Música

Em sua maior edição, Música Mundo anuncia série de entrevistas como parte de suas atividades

Anitta entra na lista oficial de músicas da posse de Joe Biden e Kamala Harris
Celebridades

Anitta entra na lista oficial de músicas da posse de Joe Biden e Kamala Harris