A-A+

Famosos

Diplo é alvo de novas acusações de violência sexual e poderá sofrer processo

DJ nega acusações e afirma que são "mais mentiras da mesma pessoa perturbada"

O DJ do grupo Major Lazer, DiploO DJ do grupo Major Lazer, Diplo - Foto: Reprodução/Instagram

O DJ e produtor musical norte-americano Thomas Wesley Pentz, 42, mais conhecido como Diplo, foi acusado de ter estuprado uma mulher e ter conscientemente passado para ela clamídia, uma doença sexualmente transmissível. Com isso, ele poderá enfrentar um processo judicial.

A mulher ainda acusou o DJ de gravar vídeos explícitos de relações sexuais sem a sua permissão e ter compartilhado os registros com ao menos uma pessoa, sem seu consentimento. Segundo o site Buzzfeed, a mulher tem 25 anos e fez a denúncia no Departamento de Polícia de Los Angeles.

"Estamos revisando a acusação e por enquanto não temos comentários", afirmou o porta-voz do procurador da cidade de Los Angeles, Rob Wilcox. O Gabinete do Procurador estaria considerando os crimes de invasão de privacidade e transmissão de DST intencionalmente.

A mulher apresentou a queixa em outubro de 2020, e não foi identificada por questões de privacidade. Ela também alegou à polícia de Los Angeles que o estupro teria ocorrido em seu quarto de hotel em Las Vegas, após um dos shows do DJ.

Ao site Page Six, o advogado de Diplo enviou uma nota negando as acusações e afirmando que são "mais mentiras da mesma pessoa perturbada que vem perseguindo e ameaçando Wes, sua família e seus amigos há anos".

"Como se sabe, essa pessoa tentou extorqui-lo em milhões de dólares e, depois que ele se recusou a pagar um centavo a ela, lançou uma campanha incessante de assédio contra meu cliente", continuou o advogado Bryan Freedman.

"Ela tem espalhado suas mentiras pelo país em uma tentativa desesperada de prejudicar Diplo e aqueles que ele ama, mas não terá sucesso", finalizou. O músico também moveu uma ação judicial contra a suposta vítima, e anteriormente obteve uma medida cautelar temporária contra ela.

O DJ a processou por perseguição, invasão e distribuição de materiais privados. No entanto, essa não é a primeira vez que o DJ do grupo Major Lazer recebe acusações de violência sexual. Em julho deste ano, ele foi acusado de forçar uma mulher bêbada a fazer sexo oral e filmar o encontro.

Na época, Freedman considerou que as alegações eram uma "extorsão". A mulher deste caso também não havia sido identificada e posteriormente desistiu do processo.

Veja também

Duo Barbarize lança 'KiCalor' neste sábado (27)
Música

Duo Barbarize lança 'KiCalor' neste sábado (27)

Rosário Pessoa exibe mais de 20 quadros na sua exposição 'Rosário Cor & Artes'
Arte Abstrata

Rosário Pessoa exibe mais de 20 quadros na sua exposição 'Rosário Cor & Artes'