Música

Documentários musicais voltam a atrair jovens fãs

O gênero documentário musical atingiu seu auge na década de 1960

Cena do documentário 'Homecoming' da cantora BeyoncéCena do documentário 'Homecoming' da cantora Beyoncé - Foto: Reprodução / Netflix

Os documentários musicais vivem uma nova era de ouro, com material inédito sobre os Beatles, o fascínio por estrelas como o rapper Kanye West e a história do rock latino-americano. 

"Há toda uma ebulição de formatos, entre documentários clássicos, séries ou docficções", explica à AFP Olivier Forest, especialista francês em filmes musicais. 

Entre os projetos previstos para 2022 está a série documental "Dear Mama" sobre Afeni Shakur, mãe do astro do hip hop americano Tupac (Disney+), e "The World of Tomorrow", um produto que mistura documentário e ficção sobre os primórdios do Banda francesa NTM (Arte e Netflix). 

O gênero documentário musical atingiu seu auge na década de 1960, com dois marcos: "Don't look back", filmado em 1968 por D.A. Pennebaker, sobre uma polêmica turnê do cantor Bob Dylan no Reino Unido, e as longas filmagens do mega-concerto "Woodstock", em 1969.

A chegada do canal de música MTV e os videoclipes "entorpeceram" o setor na década de 1980. O público jovem queria formatos curtos, para sonhar a partir da música.

Com a internet e os criadores alternativos, os fãs estão voltando aos poucos à história da vida e do processo criativo de suas estrelas favoritas. 

Muitas vezes como veículo para desencadear um certo narcisismo, como foi o caso de "Miss Americana", a peça de Taylor Swift 2020 na Netflix. 

“Um artista se torna conhecido nas plataformas de música, as pessoas o seguem nas redes sociais e então um documentário é pesquisado em outra plataforma”, explica Olivier Forest. 

Isso sem esquecer as gerações mais velhas, adeptas de formatos clássicos, como aconteceu com "Rompan todo", o documentário sobre rock latino-americano com intervenções de Soda Stereo e Café Tacuba, que teve boa audiência na Netflix há dois anos.

Ajuda dos fãs

No caso de Taylor Swift e Lady Gaga, o limite entre "olhar documental e objeto promocional" não é claro, alerta Forest. 

O rapper Kanye West exigiu a aprovação final do documentário que a Netflix fez sobre sua carreira. 

Mas apesar das pressões e obstáculos, o futuro destes formatos parece estar no bom caminho, porque existe “um público educado na imagem”, indica o especialista. 

Se não houver imagens inéditas, como foi o caso do aclamado documentário do diretor de cinema Peter Jackson "Get Back" sobre os Beatles, então "você tem que dar acesso a intimidade dos artistas", explica ele. 

Outros conteúdos são mais inovadores, como o documentário filmado sobre a artista britânica Charli XCX

Trancada em casa devido ao confinamento, esta jovem pediu ajuda aos seus fãs para gravar um álbum. Seus seguidores musicalmente experientes colocaram suas habilidades à sua disposição, por meio de videoconferência. 

"Chama-se 'Alone together' ("Juntos sozinhos") e resume o paradoxo contemporâneo: estar conectado enquanto está isolado", explica Benoît Hické, um produtor musical em Paris. 

“E isso diz muito sobre os métodos atuais, pois Charli XCX mostra seu processo criativo filmando a si mesma, tornando-se sua própria documentarista”, acrescenta. 

Para as plataformas, enfim, é mais uma forma de atrair assinantes. 

"As estrelas chegam com suas redes sociais e seus fãs", explica.

Veja também

Fernanda, Lucas Henrique e Rodriguinho estão no paredão desta semana
BBB 24

Fernanda, Lucas Henrique e Rodriguinho estão no décimo paredão desta temporada

Da'Vine Joy Randolph não dá nada como garantido no Oscar após vencer Spirit Awards
CINEMA

Da'Vine Joy Randolph não dá nada como garantido no Oscar após vencer Spirit Awards