Cultura+

Drama Turco 'Milagre na Cela 7' é um dos mais vistos da Netflix

O longa é uma das refilmagens de um sucesso sul-coreano de 2013 e tem tudo para trazer novos atritos entre crítica e público

Cena de 'Milagre na Cela 7'Cena de 'Milagre na Cela 7' - Foto: Reprodução/Divulgação

Ultimamente tem havido uma sintonia estranha entre crítica e público. Filmes que fazem sucesso são majoritariamente elogiados pela crítica. Como pode? Brincadeiras à parte, isso provavelmente se deve ao rejuvenescimento da crítica e ao aumento da qualidade de algumas produções destinadas ao grande público.

Um bom exemplo, entre muitos, é "Coringa", legitimado no Festival de Veneza, endossado pela crítica e adorado por boa parte do público. Pode não ter sido um estouro como "Vingadores: Ultimato", mas fez lá seu estrago e se tornou assunto obrigatório por algum tempo.

O longa turco "Milagre na Cela 7", de Mehmet Ada Öztekin, no entanto, é uma das refilmagens de um sucesso sul-coreano de 2013 e tem tudo para trazer novos atritos entre crítica e público.

Foi o maior sucesso de bilheteria na Turquia em 2019 e tem um aspecto de folhetim (enquanto o original era mais cômico) que tende a agradar um grande número de pessoas e a fazer críticos espumarem.

Leia também:
Crítica: 'A Máfia dos Tigres' é o escapismo ideal para a atual quarentena
Lançamento de filmes em streaming é antecipado


Não à toa, está entre os mais vistos da Netflix, plataforma na qual estreou em março. É um filme que apela demais para o sentimentalismo, ultrapassando com frequência o limite entre um bom melodrama e o dramalhão açucarado.

Na trama, o deficiente mental Memo é injustamente acusado da morte de uma colega de escola de sua filha, Ova. A vítima, por sua vez, é herdeira de um alto comandante do Exército, que não pensa duas vezes antes de manipular jurados e oficiais para condenar Memo ao enforcamento.

Os momentos de Memo no presídio e o progressivo entrosamento com os demais presos dão um aspecto realista interessante, que se contrapõe aos exageros sentimentais.

Eis que no meio do mar de açúcar surge a magia desconcertante de uma criança, uma atriz muito bem escolhida, fundamental para que suas cenas mais fortes funcionem - Nisa Sofiya Aksongur. É ela que torna mágico, por exemplo, o momento em que Ova visita o pai clandestinamente, com a ajuda de um presidiário com certo poder e influência sobre alguns guardas.

Nesses momentos, o filme alcança uma força que vem do simples encontro proibido entre pai e filha. Sua fraqueza, por ironia, é que as circunstâncias que fizeram o encontro ser proibido são mal pensadas e desenvolvidas.

Ou seja, os grandes momentos só existem porque algo na construção narrativa falhou, o que torna esses momentos, em retrospecto, mais frágeis.

Há o óbvio destaque da menina, que corta nossos corações, mas é necessário apontar para o acerto da interpretação de Aras Bulut Iynemli, no papel muito difícil do deficiente mental. Sua atuação está no tom certo, entre o infantil e o sensível, respeitoso com pessoas nessa condição.

Outra grande atuação é a de Yurdaer Okur, como o comandante. É um vilão folhetinesco, uma pessoa totalmente do mal, que só não escorrega para o caricatural por causa do trabalho do ator.

Na corda bamba, o filme tem seu charme, sobretudo na maneira como mostra que os presidiários têm muito mais caráter que o comandante. Pena que tudo seja prejudicado por um acúmulo de clichês acima do tolerável.

MILAGRE NA CELA 7
Avaliação: bom
Onde: Disponível na Netflix
Classificação: 16 anos
Elenco: Aras Bulut Iynemli, Nisa Sofiya Aksongur e Deniz Baysal
Produção: Turquia, 2019
Direção: Mehmet Ada Öztekin

Acompanhe a cobertura em tempo real da pandemia de coronavírus

 

 

Veja também

Artistas pernambucanos realizam exposição fotográfica em Fortaleza (CE)
Nordeste

Artistas pernambucanos realizam exposição fotográfica em Fortaleza (CE)

Depp afirma que acusações de agressão feitas por Heard são 'ultrajantes'
Julgamento

Depp afirma que acusações feitas por Heard são 'ultrajantes'