Em Berlim, brasileiros fazem manifesto por políticas para o cinema

Texto foi lido na recepção promovida anualmente durante a mostra de cinema pela Embaixada do Brasil na Alemanha

Durante o Berlinale, a diretora brasileira Daniela Thomas prestou uma homenagem ao Cinema Brasileiro e à ANCINE; seu filme, "Vazante", foi escolhido para abrir a Panorama na BerlinaleDurante o Berlinale, a diretora brasileira Daniela Thomas prestou uma homenagem ao Cinema Brasileiro e à ANCINE; seu filme, "Vazante", foi escolhido para abrir a Panorama na Berlinale - Foto: Reprodução/Facebook

A delegação de cineastas brasileiros que está no Festival de Berlim deste ano escreveu um manifesto com críticas ao governo Temer e reivindicações para que permaneçam as políticas públicas em defesa da produção nacional.

O manifesto foi lido na tradicional recepção promovida todos os anos durante a mostra de cinema pela Embaixada do Brasil na Alemanha. "Estamos vivendo uma grave crise democrática no país" é como começa a carta, que fala em direitos de educação, saúde e trabalhistas "duramente atingidos".

O texto também menciona o êxito que o país vem tendo em festivais estrangeiros -só neste ano, bateu um recorde de décadas e emplacou 12 produções em Berlim-, e pede pela manutenção das políticas públicas de fomento à produção, particularmente a autoral.

Uma versão da carta foi lida pelos diretores presentes na Embaixada: Daniela Thomas, Laís Bodanzky, Julia Murat, Cristiane Oliveira e Felipe Bragança.

Boa parte da produção nacional está apreensiva com a troca de comando na Ancine (Agência Nacional do Cinema), responsável pela elaboração dessas políticas. O atual diretor-presidente, Manoel Rangel, deixa o cargo em maio, após 12 anos na entidade.

Na quinta (16) ocorrerá a exibição de "Joaquim", de Marcelo Gomes, o único dos 12 títulos nacionais que está na competição principal da Berlinale. À Folha, o diretor antecipou que uma forma de protesto político "foi discutida" entre os cineastas, mas não deu mais detalhes.

Confira o texto do manifesto:

"Estamos vivendo uma grave crise democrática no Brasil. Em quase um ano sob esse governo, direitos de educação, saúde, trabalhista foram duramente atingidos. Junto com outros setores, o audiovisual brasileiro, especialmente o autoral, corre risco de acabar.

Nos últimos anos, a Ancine tem direcionado suas diretrizes, observando com atenção os muitos "Brasis".

Ampliou o alcance dos organismos de fomento, que hoje atinge segmentos e formatos dos mais diversos, entre eles o cinema autoral, aqui representado.

O resultado é visível. O ano de 2017 começou com a expressiva presença de filmes brasileiros nos três dos principais festivais internacionais, totalizando 27 participações em Sundance, Rotterdam e aqui em Berlim. Não chegamos a esse patamar histórico sem política pública.

Tudo que se alcançou até aqui é fruto de um grande esforço de agentes envolvidos, entre Ancine, produtores, realizadores, distribuidores, exibidores, programadores, artistas, lideranças, poder público, entre outros. Acima de tudo, queremos garantir que toda e qualquer mudança ou aperfeiçoamento nas políticas públicas do
audiovisual brasileiro sejam amplamente discutidas com o conjunto do setor e com toda sociedade.

Assim, pedimos às instituições, produtores e realizadores de todo o mundo que apoiem a luta e a manutenção de todos os tipos de audiovisual no Brasil. Defendemos aqui a continuidade e o incremento dessa política pública."

Veja também

‘The Handmaid’s Tale’: Recapitulando a terceira temporada
UMA SÉRIE DE COISAS

‘The Handmaid’s Tale’: Recapitulando a terceira temporada

João é eliminado; Pocah é a nova líder e novo paredão tem Viih Tube, Gilberto e Fiuk
BBB 21

João é eliminado; Pocah é a nova líder e novo paredão tem Viih Tube, Gilberto e Fiuk