Em curta, Spike Lee liga morte de George Floyd a 'Faça a Coisa Certa'

Além deste filme-protesto na esteira do movimento Black Lives Matter, Lee produziu um curta dedicado à cidade de Nova York

Spike LeeSpike Lee - Foto: Frazer Harrison / Getty Images/AFP

O cineasta Spike Lee lançou neste domingo um curta-metragem inédito, chamado "3 Brothers", que liga a morte de George Floyd, estopim de manifestações antirracistas nos Estados Unidos, a dois outros assassinatos de negros por policiais.

Lee usa imagens reais da morte de Eric Garner, em 2014 -que foi asfixiado e fez ressoar em protestos pelo mundo a frase "I can't breathe" (não consigo respirar)- costuradas ao assassinato de Radio Raheem, personagem de "Faça a Coisa Certa", um dos principais filmes do diretor, de 1989.

Os três homens negros foram mortos por sufocamento em ações policiais e engatilharam forte mobilização social. O vídeo de Lee começa com a pergunta "a história vai parar de se repetir?".

Leia também:
Spike Lee dirige clipe da The Killers que critica muro de Trump
Netflix desiste de lançar filmes em festivais de cinema em 2020


Além deste filme-protesto na esteira do movimento Black Lives Matter, Lee produziu um curta dedicado à cidade de Nova York, onde o cineasta nasceu e fez boa parte de seus filmes, em meio à onda de mortes causadas na metrópole pelo coronavírus.

O cineasta lança seu próximo filme de longa-metragem para o streaming, "Destacamento Blood", no próximo dia 12, na Netflix. A estreia de Lee na plataforma, encabeçada por Chadwick Boseman ("Pantera Negra"), conta a história de veteranos negros que voltam ao Vietnã décadas depois de lutarem na guerra pelos Estados Unidos.

O filme segue o sucesso de "Infiltrado na Klan", de 2018, que rendeu a Spike Lee o primeiro Oscar de sua carreira de mais de 30 anos, coroado como melhor roteiro adaptado.

Veja também

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não
CINEMATECA

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020
SÃO PAULO

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020