A-A+

Entenda como o mercado de livros virou do avesso desde 2010

Ao longo da última década, o setor livreiro passou por grandes transformações, incluindo crises em editorias e livrarias, o surgimento dos ebooks e poetas que fazem sucesso nas redes sociais

Venda de livrosVenda de livros - Foto: Lília Carvalho/Adote um Livro

Enquanto a Amazon se consolida como principal vendedor de livros do mundo, livrarias gigantes no Brasil pedem recuperação judicial. Desde 2010, o mercado de livros passou por profundas transformações, incluindo crises em editoras e livrarias, o fim da Cosac Naify e o surgimento de maneiras alternativas de leitura, como ebooks e audiolivros. A saga "Harry Potter" também chegou ao fim, e hoje pipocam poetas no Instagram. Veja o que de mais importante aconteceu no mercado de livros e na literatura desde 2010.

Revolução no mercado

Nascida nos anos 1990, a Amazon se consolida como um dos principais pontos de venda de livros do mundo e chega ao Brasil em 2012, pondo em xeque o modelo de negócios das livrarias.

Crise nas livrarias

Livrarias entram em colapso. A face mais visível é a recuperação judicial das duas principais redes, Cultura e Saraiva. Mas o IBGE aponta que apenas 17,7% das cidades brasileiras tinham livrarias em 2018 (em 2001, eram 42,7%).

Leia também:
Mercado editorial brasileiro vive crises, aponta CBL
Biblioteca Nacional deixa de fazer ISBN de livros


Crise nas editoras

A crise também respingou nas editoras, que veem o número de livros vendidos despencar ano após ano. Até novembro de 2019, o faturamento encolheu 8,31% se comparado com o mesmo período de 2018.

Novos gigantes

A Companhia das Letras se consolidou como o principal conglomerado editorial brasileiro, com 17 selos e uma série de fusões (a última delas com a Zahar, em outubro). Em 2018, a Penguin Random House assumiu o controle acionário majoritário do grupo.

Adeus à ousadia

Uma das principais editoras do país, a Cosac Naify fechou as portas em 2015. A visão editorial da empresa, somada aos avanços tecnológicos na impressão de livros, melhorou a qualidade gráfica dos títulos publicados no Brasil.

Fim de um fenômeno

A saga "Harry Potter", fenômeno editorial que vendeu mais de 450 milhões de exemplares no mundo, teve seu fim em 2016. A autora, J. K. Rowling, publicou "A Criança Amaldiçoada" -uma peça de teatro que encerra a história do bruxo.

Alternativas

Outras formas de leitura surgiram, mas ainda sem resultados expressivos no Brasil. Nos Estados Unidos, os audiolivros geraram quase US$ 1 bilhão em 2018 e crescem a taxas de 25% ao ano (no Brasil, o formato começou a decolar em 2019). Já os ebooks se estabilizaram ao redor do planeta, mas aqui nunca atingiram vendas expressivas.

Poetas do Instagram

As redes sociais criaram uma nova figura: os instapoetas, que escrevem na internet, mobilizam fãs e criam conteúdos para marcas. Com uma base consolidada de leitores, eles atingem resultados expressivos quando lançam livros. A indiana Rupi Kaur, por exemplo, vendeu 400 mil exemplares no Brasil, somando seus dois livros.

Efêmeros

A década também foi marcada por fenômenos editoriais que duraram apenas um piscar de olhos. Os livros de colorir e os títulos escritos por youtubers estão aí para provar.

Era da autopublicação

Com livrarias e editoras em crise e possibilidade tecnológica de editar e imprimir seu próprio livro em casa, a década foi de autores que mudaram a intermediação na relação com o mercado editorial e passaram a se autopublicar e a carregar suas obras embaixo do braço. Nunca se ouviu tanto aquela famosa frase: "Oi, você gosta de poesia?".

Veja também

Super fã? Adele tem chiclete mastigado por Celine Dion
Inusitado

Super fã? Adele tem chiclete mastigado por Celine Dion

'Me apaixonei por uma mulher', declara Leilane Neubarth
Relacionamento

'Me apaixonei por uma mulher', declara Leilane Neubarth