Entre a pesquisa e o olhar histórico sobre o Baile

Lançado pela Cepe, livro “A Aventura do Baile Perfumado: 20 Anos Depois” traz depoimentos da equipe, trechos de jornais e até o roteiro do filme na íntegra

GODZILLA IIGODZILLA II - Foto: Reprodução/Adoro Cinema

 

Os 20 anos de lançamento de “Baile Perfumado”, filme pernambucano dirigido por Paulo Caldas e Lírio Ferreira, estão sendo celebrados neste ano. O longa ajudou a moldar o cenário do cinema nacional nos anos 1990, ampliando possibilidades de estilo, conceitos narrativos e estratégias de produção.

Além do lançamento do longa-metragem em nova versão, no Festival de Brasília, estão previstos uma cópia em DVD e contratos de exibição on-line - ainda não finalizados. Há outro projeto que ajuda a fundamentar a importância do filme na história do cinema brasileiro: o lançamento do livro “A Aventura do Baile Perfumado: 20 Anos Depois”.

A obra, escrita pelos professores do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Amanda Mansur e Paulo Cunha, editada pela Companhia Editora de Pernambuco (Cepe), reúne depoimentos não apenas dos cineastas, mas também de atores e integrantes da equipe técnica, além de trechos de jornais da época do lançamento e o roteiro do filme na íntegra, com as anotações dos cineastas.

Assim, o livro, que chega as livrarias a partir desta segunda-feira, preenche uma importante lacuna na trajetória do nosso cinema: equilíbrio entre pesquisa cultural, testemunho sobre um determinado período de nossa história e ideias de quem movimentou as engrenagens naquele período. 

“Nós achamos que o filme continua vivo, instigando as pessoas que o veem pela primeira vez”, dizem os autores. “É fortíssimo visualmente e tem uma trilha sonora incrível - talvez a mais forte criada para um filme realizado em Pernambuco. Sem o ‘Baile Perfumado’, provavelmente não teríamos visto a produção posterior - porque foi esse filme que rompeu com o paradigma de que não seria viável produzir longas em Pernambuco. Estávamos condenados, há 20 anos, a rememorar o Ciclo do Recife, no começo do século 20, e o Super-8, dos anos 1970.

O ‘Baile Perfumado’ fez com que olhássemos para frente, sem esquecer o passado”, ressaltam Amanda Mansur e Paulo Cunha, destacando os dos principais movimentos associados ao cinema pernambucano.

“O livro reúne depoimentos com muitos dos participantes da produção - dos diretores aos técnicos, passando pelos atores e músicos. Cada um lembra com muita sinceridade o que aconteceu há 20 anos”, explicam. “O livro também publica documentos inéditos, entre os quais o mais importante é o roteiro original. O roteiro vem na íntegra e em fac-símile - o que permitirá aos leitores ter acesso até às anotações dos diretores, feitas durante as filmagens. Há um texto excelente e inédito de Frederico Pernambucano de Mello, o historiador que foi o principal consultor dos roteiristas do ‘Baile Perfumado’. E há centenas de imagens do fotógrafo Fred Jordão, que documentou a realização do filme há 20 anos”, detalham.

Antes de falar sobre o filme, os autores apresentam um rigoroso trabalho de investigação sobre o cenário daquele período no ambiente cultural pernambucano, destacando a ligação com o movimento Manguebeat, o conceito de “Árido movie”, criado pelo jornalista e cineasta Amin Stepple, e a inquietação da geração de cineastas que fundou o grupo Vanretrô, “uma Vanguarda Retrógrada, com a disposição de ‘fazer cinema’”.

O grupo tinha, entre outros, além de Paulo e Lírio, os cineastas Cláudio Assis e Adelina Pontual. Depois, em 1987, o também cineasta Marcelo Gomes criou o cineclube Jurando Vingar, que durante quatro anos promoveu sessões de filmes clássicos em 35 mm, na sala que se tornaria o Cinema da Fundação.

São fatos que amadureceram perspectivas de cinema e modelos de trabalho que, segundo os autores da pesquisa, podem ser associados a um padrão de “cinema independente autoral de baixo orçamento”, que continua hoje. “Temos tido o cuidado de publicar o máximo de nossas pesquisas sobre o cinema feito em Pernambuco.

Consideramos que a reflexão sobre filmes e realizadores fortalece a cena cinematográfica - é preciso pensar no que fazemos para fazermos cada vez melhor.

Esses filmes realizados em Pernambuco têm feito a diferença no contexto do cine­ma brasileiro - é um fato comprovado pela repercussão na crítica e nos festivais mais importantes do mundo. Esse conjunto se inicia com o ‘Baile Perfumado’. E se hoje temos uma enorme diversidade estética e muitos coletivos de produção é a partir de um pon­to fora da curva, que foi o ‘Bai­le Perfumado’”, ressaltam.

 

Veja também

Entidade assume Theatro Municipal sem concorrência pública após edital ser suspenso
SÃO PAULO

Entidade assume Theatro Municipal sem concorrência pública após edital ser suspenso

Cartolouco pede Luiza Ambiel em namoro no palco do programa Hora do Faro
Reality Show

Cartolouco pede Luiza Ambiel em namoro no palco do programa Hora do Faro