Entre o adeus e o avante: Johnny Hooker se despede de "Coração" no Recife

O artista pernambucano é o nome da edição de 7 anos da festa Odara Ôdesce, que rola neste sábado (17), às 20h, na Cachaçaria Carvalheira

Johnny faz show na festa Odara Ôdesce Johnny faz show na festa Odara Ôdesce  - Foto: Lívia Tostes/Divulgação

Johnny Hooker escolheu a sua terra para fechar um ciclo marcado por brilho, efeito das suas realizações e confirmações. A turnê do álbum "Coração" (2017), o segundo do cantor, será encerrada neste sábado, em momento também especial para amigos seus, leia-se Allana Marques, Lucas Logiovine e Lala K, que celebram os 7 anos da festa Odara Ôdesce, na Cachaçaria Carvalheira.

"Se não fosse aqui, o povo me matava (rs). A galera pediu para ter. Vai ser lindo. A gente já fez esse show no ano passado, com ingresso esgotado, público emocionado", contou o pernambucano em entrevista à Folha de Pernambuco, lembrando da sua última apresentação por aqui, dentro do projeto Budweiser Basement, em julho de 2018, no mesmo local. 

Lala K e Allana Marques convocaram o artista para o aniversário da Odara

Lala K e Allana Marques convocaram o artista para o aniversário da Odara - Crédito: Felipe Lorega/Divulgação

Desta vez, Hooker faz valer a máxima entoada na música "Touro", segunda faixa do trabalho. "Viver, morrer, renascer" marca este momento: o artista despede-se de um disco gestado com muita dedicação, vivido intensamente, e já trabalha nas produções para o próximo. "Foram dois anos lindos, de muitos presentes imensos que eu nunca imaginei", declarou.

Morando em São Paulo há três anos, ele chegou à Capital pernambucana no começo da semana, no desejo de pôr fim à saudade, vendo as suas pessoas, o seu sotaque e os seus lugares. Aquele Recife gigante de sentidos que aparece de corpo e alma no seu primeiro álbum, "Eu vou fazer uma macumba pra te amarrar, Maldito!" (2015), responsável por garantir ao músico o Prêmio da Música Brasileira na categoria Canção Popular- Cantor.

Johnny Hooker

Johnny Hooker - Crédito: Murilo Yamanaka Studio/Divulgação

 

"Coração" deu a Hooker o passaporte para as suas duas primeiras turnês internacionais e o colocou numa posição de representação ainda maior entre o público LGBT com a canção "Flutua", dueto com Liniker. Também cumpriu uma missão decisiva na carreira. Cravou, de uma vez por todas, o seu nome na cena nacional. Era difícil imaginar que viria outro trabalho tão redondo, com uma estética tão alinhada e, paradoxalmente, marcado pela diversidade de ritmos e construções.

Johnny conseguiu, contando também uma história, que atraiu não só pela felicidade, mas pela tristeza. E só o fez ao olhar para dentro de si. E passou a tornar coletivas situações pessoais. Parece mesmo que este é o seu dom: partilhar emoções, "cutucar" os sentimentos. "Foi um sonho. Eu nunca imaginaria, porque o 'Macumba' já tinha sido aquela explosão, as pessoas já tinham gostado muito. Mas o 'Coração' realmente transformou algumas vezes mais. Poder viajar o mundo com este disco e, enfim, ter esses momentos que eu vou carregar para sempre", conta.

É inegável o caráter combativo de "Coração". Ao passo que levanta a bandeira do "Amar sem temer", numa clara referência a bordões políticos que circulavam à época do governo Michel Temer, também faz uma ode ao que o Brasil tem de bom, a exemplo de Caetano Veloso, com música que leva o nome do artista baiano. "Foi um grito ali naquele momento, em que a gente estava se sentindo acuado, estava vendo todos aqueles absurdos acontecerem. Estava todo mundo meio perplexo. Fazer aquele disco foi meio assim: 'vamo simbora, a gente está junto'. A gente resiste", explica.

Não há como não criar expectativas em relação ao que está por vir, principalmente depois do primeiro single divulgado, já em clipe, no último dia 8. "Escolheu a pessoa errada para humilhar" é o lado pop do novo álbum, cujos nome e data de lançamento ainda são desconhecidos. "Eu queria lançar este ano ainda, mas não sei se vai dar tempo. Estou trabalhando para isso", adianta. Segundo Hooker, a música é a que menos se parece com o resto do trabalho, com uma pegada de forró, também forma de reverência a seus avós sertanejos, que sempre lhe cobraram a presença do instrumento que tem a cara do Nordeste.

A escolha da música para introduzir as divulgações foi muito pensada. Deveria mesmo seguir pelo caminho das alegrias e superações. "Eu queria começar pelo lado da festa, da pista, da superação, da gente. Também falo do reencontro com o autoamor, dos relacionamentos abusivos. Lógico que tem uma sombra política nisso também, mas essa galera sequestra tanto a pauta. Falam besteiras todos os dias, e só o que você consegue conversar é sobre isso", justifica.

O público pediu e Johnny não tinha como negar. O novo single será entoado com gostinho de estreia na Odara. "Vamos sentir a energia do povo", revela. E sentencia: "Eu não poderia estar mais feliz. As pessoas podem esperar tudo de mim, como sempre, mas mais emocionante". 

Veja também

Artistas e cartunistas relembram Quino, criador de Mafalda, morto nesta quarta
LUTO

Artistas e cartunistas relembram Quino, criador de Mafalda, morto nesta quarta

Morre Quino, criador de Mafalda, uma das garotinhas mais amadas dos quadrinhos
Luto

Morre Quino, criador de Mafalda, uma das garotinhas mais amadas dos quadrinhos