Pandemia

Eric Clapton volta a repercutir, ao sugerir 'hipnose de massa' em quem foi vacinado contra Covid-19

Fenômeno sequer é reconhecido entre acadêmicos no campo da psicologia

Eric ClaptonEric Clapton - Foto: Divulgação

Eric Clapton voltou a repercutir na internet com uma declação negacionista. O músico de 76 anos sugeriu que as pessoas vacinadas contra Covid-19 ficaram sob "hipnose / psicose de formação em massa", termo que sequer é reconhecido entre acadêmicos no campo da psicologia. Além disso, vários especialistas em comportamento de multidões consultados pela agência de notícias "Reuters" disseram que não há evidências de "tal fenômeno".

 

A fala do guitarrista britânico surgiu durante entrevista com Dave Spuria do canal "Real Music Observer" no YouTube na última sexta-feira, dia 21.

"Quando comecei a procurá-lo, eu o vi em todos os lugares", disse o guitarrista a respeito da "hipnose de formação em massa", quando se referiu à campanha de vacinação contra Covid-19 e às informações sobre ser segura e eficaz.

O “conceito” ganhou força recentemente graças a Robert Malone, já banido do Twitter, que alegou que as pessoas haviam sido "hipnotizadas" para acreditar na eficácia da vacina. Essa ideia, porém, é contestada por estudiosos.

"A ideia de que as multidões estão sob uma psicose em massa, o que significa que elas não são mais responsáveis por suas ações, é um mito total que não é apoiado por nenhuma evidência confiável" disse à "Reuters" o professor Chris Cocking, da Universidade de Brighton, no Reino Unido.

Especialista em Psicologia e Ciência Neural, Jay Van Bavel, da Universidade de Nova York, também afirmou que o termo “não existe como um conceito acadêmico real”.

"Eu tenho estudado identidade de grupo e comportamento coletivo por quase duas décadas e há pouco publiquei um livro sobre o tema e em nenhuma vez me deparei com este termo",  acrescentou.

A "Reuters" também conversou com Steven Reicher, professor de psicologia social da Universidade de St. Andrews, que estuda psicologia das multidões há mais de 40 anos. Ele descreveu o conceito de “psicose de massa” como “mais metáfora do que ciência, mais ideologia do que fato”.

"Ele surge das teorias da sociedade de massa e das teorias da psicologia das multidões que se desenvolveram no século XIX e que refletiam o medo das massas" , disse Reicher. A alegação era que as pessoas em massa perdem seu senso de identidade e sua capacidade de raciocinar, regridem a um estado mental inferior onde são manipuláveis por líderes inescrupulosos. Foi totalmente desacreditado pelo trabalho contemporâneo sobre grupos e multidões.

Ele também apontou para um estudo de sua coautoria e divulgado em novembro de 2020 analisando o movimento de aproximadamente 15 milhões de americanos durante os estágios iniciais da pandemia, descobrindo que um dos “maiores preditores de seguir as diretrizes de distanciamento social era o partidarismo político”.

Veja também

Ex-Pânico Carlinhos "Mendigo" é enviado para centro de detenção em Guarulhos
Carlinhos "Mendigo"

Ex-Pânico Carlinhos "Mendigo" é enviado para centro de detenção em Guarulhos

Edifícios icônicos de Artacho Jurado levam cor ao centro de São Paulo
ARQUITETURA

Edifícios icônicos de Artacho Jurado levam cor ao centro de São Paulo

Newsletter