Especial de Natal da Globo tem humor e costumes locais

Especial “Bode de Natal”, exibido hoje na Globo, mostra os costumes, vocabulário e cenário do Recife

Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Um especial de fim de ano com o jeito e o sotaque do povo pernambucano. Essa é a proposta do telefilme “Bode de Natal”, que a Globo Nordeste exibe neste sábado (24), às 14h.

Produzida em parceria pela produtora Bateu Castelo e a Globo Filmes, a obra faz parte de uma iniciativa inédita da emissora, que preparou especiais para serem exibidos exclusivamente nas afiliadas de Pernambuco, Minas Gerais e Brasília. Todos esses projetos contam com curadoria artística de Jayme Monjardim e Cacá Diegues.

O filme exibido por aqui tem direção de Daniel Edmundson - que assina o roteiro, junto com Flavinha Marques - e André Hora. O enredo gira em torno de Mira (Clarissa Pinheiro), que trabalha como funcionária do primo Dedéco (Giordano Castro), que é dono de uma banca no Mercado Público de Casa Amarela. Com dificuldades financeiras e às vésperas do Natal, ela acaba recebendo um bode como pagamento de salário.

O animal, no entanto, é mágico e pode realizar desejos. “Essa é uma história da gente e que vai conversar com a gente. Então, está bem presente nessa produção os costumes, o vocabulário e o cotidiano do nosso povo, mas não de uma forma caricata. Navegamos pelo humor, sem deixar de tocar em temas importantes e, em alguns momentos, deixando que o fantástico entre em cena”, detalha Daniel. Toda a equipe técnica envolvida no projeto é de profissionais pernambucanos.
No total, foram 12 dias de gravações, que terminaram em outubro. A maior parte das filmagens ocorreu em Casa Amarela, na Zona Norte. “Tanto eu como a Flavinha já moramos em Casa Amarela. Por isso, há uma relação afetiva nessa escolha. Além disso, o bairro é um dos mais populares e cheios de personalidade do Recife”, diz o diretor. Outro bairro que serviu de locação foi a Encruzilhada, também na Zona Norte.

Como representante da musicalidade da periferia recifense, o brega tem forte presença no filme. A atriz paulista Débora Nascimento faz uma participação interpretando a cantora Karla Karina. Para absorver melhor a essência do gênero musical, ela se espelhou na cantora Michelle Melo. A ex-vocalista da banda Metade também atua.

Ela interpreta Raquel Fortes, uma cliente que desperta os olhares de todos no mercado público. “Foi uma experiência nova, totalmente diferente de tudo o que eu já fiz. Débora é um doce de pessoa e conseguiu criar uma personagem muito fiel à realidade”, revela. Os bailarinos que trabalham com a artista integram o elenco de apoio.

Destaque da minissérie “Justiça”, na qual interpretou um estuprador, Pedro Wagner vive o marido da protagonista. “Eu faço o Giba, um típico pai de família brasileiro, que sempre foi o provedor. Depois de sofrer um acidente, ele fica impossibilitado de trabalhar e a esposa assume a tarefa de trazer a comida para dentro de casa, enquanto ele cuida dos filhos e do lar. Com muita delicadeza, o telefilme vai quebrando com alguns estereótipos e mostrando que, hoje em dia, as famílias podem se organizar de diversas maneiras“, adianta o ator. Também estão no elenco Amanda Cavalcanti, João Neto, Arthur Canavarro e Lívia Falcão.

Relação afetiva com a Cidade

Além de trazer referências natalinas de um jeitinho pernambucano, o especial faz um recorte realista da família brasileira. De acordo com a roteirista do “Bode de Natal”, Flavinha Marques, o telefilme contempla a atual situação financeira de muitos brasileiros. “O filme tem um discurso que se aproxima da vida real das pessoas. Optamos por sair da ideia de consumo, para mostrar como a festa é celebrada por muitos, sobretudo com a crise em que o País vive”, explicou.

Segundo a autora, o filme resgata situações de sua infância e de momentos que passou com a família no bairro da Mustardinha. “Meu pai trabalhava no Interior como médico, e costumava ganhar animais de alguns clientes como forma de pagamento. Achei que a passagem dava mote para o filme que conversa com situações cotidianas e faz uma brincadeira estética com uma linguagem popular”, acrescentou.

Movida pelas lembranças e relações afetivas com o espaço urbano, Flavinha se prepara para lançar, em 2017, o livro de poesia “Cidade de amor”. “Aprovado pelo Funcultura, trará poesias inspiradas na preservação e patrimônio das cidades”, contou. Ivan Moraes Filho foi convidado para participar do livro. No próximo ano, Flavinha irá se dedicar ao longa “Dora e Mané”, que mostrará a transformação ao longo das épocas. “Recebi convites para projetos e acredito que o ano que vem será produtivo”, completou.

Veja também

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não
CINEMATECA

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020
SÃO PAULO

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020