Estreia "Trama fantasma", novo filme de Paul Thomas Anderson: impactante e hipnótico

Na corrida pelo Oscar, longa-metragem marca a aposentadoria do ator Daniel Day-Lewis, aos 60 anos, e disputa em seis categorias

Imagem do filme "Trama fantasma", do diretor Paul Thomas AndersonImagem do filme "Trama fantasma", do diretor Paul Thomas Anderson - Foto: Divulgação

Diferentes sentimentos compõem o romance que está no centro do novo filme de Paul Thomas Anderson, "Trama fantasma", que entra hoje em cartaz no circuito nacional. O longa, que disputa o Oscar em seis categorias (melhor filme, diretor, ator, atriz coadjuvante, figurino e trilha sonora original), tem a fascinante capacidade hipnótica dos melhores trabalhos do cineasta norte-americano, autor de "Magnólia" (1999) e "O mestre" (2012).

Leia também:

'Lady Bird' aborda a sutileza das transições
'A Forma da Água' se revela uma metáfora sobre ausências e afetos
Filme 'The Post' traz o jornalismo sob olhar cativante

O roteiro, escrito pelo próprio diretor, se passa em Londres, nos anos 1950, e fala sobre os caminhos delicados da relação entre o estilista Reynolds Woodcock (Daniel Day-Lewis), homem obcecado pelo trabalho, pelo processo de criação artística, pela essência da beleza e do estilo, um erudito que oculta sentimentos no rigor da rotina, e Alma (Vicky Krieps), jovem cuja combinação de vigor, paixão e carisma se torna um encanto surpreendente para Woodcock.

Reynolds é reconhecido por seu talento, autor de peças únicas para mulheres ricas e importantes. Ele trabalha com Cyril (Lesley Manville) em um cotidiano cuja ordem parece indicar interesse por formas de controle e proteção diante das contingências da vida. Alma é garçonete e um dia atende Reynolds, que pede para o café da manhã uma combinação peculiar de coelho galês, ovos, linguiças, bacon, manteiga e geleia: um instante de encanto.

O filme não seria o mesmo sem esses atores: Daniel Day-Lewis (que anunciou que vai se aposentar após este filme, aos 60 anos) e Vicky Krieps parecem chegar à essência dos personagens, recorrendo aos gestos e à expressividade do silêncio como meios para acessar o que fundamenta os sentimentos mais complexos e contraditórios. A relação entre eles avança por caminhos diferentes e fascinantes, um panorama elegante e claustrofóbico de sensações que se tornam mais intensas com a admirável construção do cenário e dos figurinos.

A certa altura parecem abolidos os limites entre amor e ódio, carinho e desilusão, e a história chega a novo território, um lugar que expande o conceito de afeto. É intensa a maneira como Paul Thomas Anderson trabalha a ideia de romance, um filme grandioso e eloquente, impregnado por um sentido trágico de amor e decadência, sem dúvida entre os trabalhos mais impactantes do diretor.

Trilha sonora

Jonny Greenwood, guitarrista da Radiohead, assina a trilha sonora do filme. O músico, que já fez trabalhos excelentes nos filmes anteriores do diretor PTA, especialmente "Sangue negro" (2007), volta a experimentar pequenas melodias e sonoridades que se tornam mais intensas e dramáticas de acordo com a cena. É uma forma fascinante de afetar o sentimento de um determinado momento através do som, algo especialmente valioso quando em geral a trilha sonora serve apenas para ressaltar algum detalhe da imagem.

Veja também

Na crise, Globo vai usar todos os canais do grupo em grade única
GLOBOPLAY

Na crise, Globo vai usar todos os canais do grupo em grade única

Após nude, cantor Tyga volta a chocar fãs ao publicar vídeo explícito de sexo no Onlyfans
Internet

Após nude, cantor Tyga volta a chocar fãs ao publicar vídeo explícito de sexo no Onlyfans