Fábulas e mitologias populares eram inspiração para obras de Brennand

A história de Chapeuzinho Vermelho, simbologia das forças masculina e feminina, eram uma espécie de obsessão

Oficina Francisco BrennandOficina Francisco Brennand - Foto: Arquivo/Folha de Pernambuco

Complexo monumental, a Oficina Francisco Brennand é uma antiga olaria herdada pelo artista de seu pai no bairro de Várzea, na Zona Oeste do Recife que funciona como museu e ateliê, e se tornou um ponto turístico importante no Recife. As esculturas de cerâmica eram a parte mais robusta e mais conhecida da produção do pernambucano Francisco Brennand, que morreu, nesta quinta-feira, aos 92 anos, no Recife.

São totens, armaduras, vermes que saem de dentro da terra, seres zoomórficos, soldados. Em grande número, as obras despontam em uma paisagem de galpões e mata do Engenho Santos Cosme e Damião, que pode ser visitado (o ingresso custa R$ 20).

Durante toda a trajetória do espaço e dos trabalhos que iam sendo acumulados ali, Brennand recebia o público ele mesmo. Era comum vê-lo transitando pelo espaço, recebendo os visitantes para conversas. Nas pinturas, ele se valia de fábulas e mitologias populares, não só do Nordeste, mas do mundo.

A história de Chapeuzinho Vermelho, simbologia das forças masculina e feminina, eram uma espécie de obsessão. Deu origem a séries fantásticas, em sua maioria protagonizada por uma mulher ou uma menina, e costumava passar ao fundo a figura misteriosa de um lobo, ou de um homem que usa a máscara de lobo. Obras que se relacionavam com ideias feministas que Brennand viu ganhar volumes na mesma época em que criou a oficina no Recife. Os mesmo motivos se desdobram em outras pinturas e produções de gravuras, onde o erotismo e as formas do corpo da mulher ganham destaque.

Leia também:
[Fotos] Veja obras do artista Francisco Brennand
'Foi uma vida incrível', destaca Neném Brennand sobre o pai; veja repercussão sobre a morte de Francisco Brennand
Morre o artista plástico Francisco Brennand, aos 92 anos
Francisco Brennand terá um instituto à altura do seu mestre

Ele trouxe do modernismo ainda, em sintonia com a última fase do movimento iniciado nos anos 1920, a figuração de temas e representações populares. Entram para o vocabulário do artista as formas da natureza que observava em solo nordestino. Os pássaros, os insetos, as frutas da região.

Quando abriu a Oficina Brennand, em 1971, o artista, cuja família é de origem britânica, já se dedicava à produção artística havia mais de vinte anos. Ele começou sua trajetória em 1942, quando conheceu o artista plástico pernambucano Abelardo da Hora, também eclético em relação aos suportes que utiliza, com temas que revelam a influência direta de Cândido Portinari.

Brennand foi contemporâneo de Ariano Suassuna, com quem produzia um jornal literário. As viagens nos anos 1940 e 1950 para a Europa alimentaram sua bagagem
de influências, principalmente entre modernistas, e especialmente da obra do arquiteto catalão Antoni Gaudí.

Veja também

Porta dos Fundos é acusado de preconceito etário por vídeo de humor
Polêmica

Porta dos Fundos é acusado de preconceito etário por vídeo de humor

Justin Timberlake fala pela primeira vez sobre nascimento do segundo filho
Celebridades

Justin Timberlake fala pela primeira vez sobre nascimento do segundo filho