Cultura+

Fafá de Belém diz ter lembrado das Diretas Já ao ver ato de torcedores a favor da democracia

Para Fafá de Belém, a intolerância no Brasil vinha numa crescente e chegou a um patamar insuportável

Fafá de BelémFafá de Belém - Foto: divulgação

A cantora Fafá de Belém, 63, diz que ficou muito emocionada com o ato de diferentes torcidas dos quatro grandes clubes de São Paulo (Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo) a favor da democracia, realizado neste domingo (31), na avenida Paulista, em São Paulo. Ela afirma que ao ver a manifestação se lembrou do movimento das Diretas Já, quando puxou comícios ao lado do jogador Sócrates (1954-2011), então um dos líderes da Democracia Corintiana, e do locutor Osmar Santos.

"Estar vivo é um ato político [...] Eu fiquei muito emocionada, porque começa a existir uma reação legítima de um povo que é o povo que toca esse país...As elites se unem aqui, ali e lá, isso em qualquer sociedade...mas não venha falar em nome de um povo que vocês não representam, para mim esse foi o grito de ontem [domingo, 31]."

Para Fafá de Belém, a intolerância no Brasil vinha numa crescente e chegou a um patamar insuportável. Mesmo sem citar o nome do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ela criticou os frequentes protestos realizados por apoiadores do seu governo que pedem o fim do isolamento social, e as agressões e ofensas feitas por fanáticos contra profissionais de saúde e jornalistas. No último dia 35, A Folha de S.Paulo e outros veículos de comunicação decidiram suspender a cobertura jornalística na porta do Palácio da Alvorada temporariamente até que o Palácio do Planalto garanta a segurança dos profissionais de imprensa.

Leia também:
Felipe Neto ironiza silêncio de Neymar sobre casos de racismo
Hamilton critica colegas de F-1 por silêncio sobre caso George Floyd


"Defenda o seu segmento, o seu pensamento, mas não me ofenda...defenda a sua bandeira, mas não me persiga. Perseguir não vai dar certo, porque a força do povo é muito maior que qualquer grito que venha de cima para baixo", disse.

Ela ainda afirmou que espera que a situação seja pacificada e que o momento é de união na luta contra o coronavírus. "A democracia é para todos, o estado democrático é a convivência entre todos. Não vem acabar com a minha democracia através da sua intolerância, porque aí chega uma hora que não dá. Por favor, vamos refletir e vamos entender que o país é feito de muitos olhares, mas todos têm que ser ouvidos."

"Vamos esquecer diferenças políticas e vamos brigar contra o vírus e por esse país que é maravilhoso, plural, e por esse povo que é absolutamente sensacional. Respeito é bom e a gente gosta", acrescenta ela.

TORCIDAS UNIDAS
A manifestação das torcidas, que começou pacífica, acabou em confronto com a Polícia Militar (PM) e apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O ato deste domingo começou por volta das 11h30, com gritos contra Bolsonaro inspirados em cânticos dos estádios. Os manifestantes levavam faixas pró-democracia. A maioria dos presentes era de torcedores do Corinthians, mas um grupo de fãs do Palmeiras, autodenominados antifascistas, também esteve no local. Havia ainda, em menor número, são-paulinos e santistas.

A Polícia Militar criou um cordão humano para tentar isolar um grupo de manifestantes pró-Bolsonaro dos torcedores, mas houve pelo menos dois picos de confusão após discussões entre as partes.

A tropa de choque da PM utilizou bombas de gás e balas de borracha para dispersar o movimento de torcedores. Estes revidaram com arremessos de pedras, lixeiras e rojões. Pelas imagens disponíveis até o momento, não foi possível identificar confronto entre a polícia e o grupo bolsonarista.

Veja também

João Gomes anuncia rapper L7nnon como segundo convidado de DVD que será gravado no Marco Zero
MÚSICA

João Gomes anuncia rapper L7nnon como segundo convidado de DVD que será gravado no Marco Zero

Atriz Anne Heche está intubada e estável após grave acidente de carro nos EUA
hospitalizada

Atriz Anne Heche está intubada e estável após grave acidente de carro nos EUA