Farnese de Andrade tem obras em exposição na Caixa Cultural

Exposição é oportunidade rara de apreciar as obras do artista mineiro Farnese de Andrade, falecido em 1996. Trabalhos falam do diálogo entre loucura e razão

Exposição 'Farnese de Andrade - Arqueologia Existencial'Exposição 'Farnese de Andrade - Arqueologia Existencial' - Foto: Brenda Alcântara

Os pernambucanos têm a oportunidade de apreciar, a partir desta quinta-feira (13), a exposição de um artista único e singular. "Farnese de Andrade - Arqueologia Existencial" traz 40 peças produzidas pelo desenhista, gravador e escultor falecido em 1996 - de tuberculose e tristeza, como registram os que conviviam com ele.

Homossexual e afeito a temas como religião, sexualidade e loucura, Farnese "viciou" alguns (poucos) colecionadores que vêm preservando o maior volume de sua obra, motivo pelo qual visitar a Caixa Cultural, no Bairro do Recife, é uma chance única de poder ver, ao vivo, suas assemblages (montagens) e outras criações inquietantes.

Leia também:
Mac Adams mostra o verso do que não vemos, em exposição na Caixa Cultural
Arnaldo Antunes traz a palavra para as artes visuais, em exposição na Caixa Cultural
Exposição 'O Tempo dos Sonhos' traz arte tradicional aborígene para a Caixa Cultural


Segundo o curador da mostra, Marcus Lontra Costa (que conheceu e entrevistou o artista quando ainda era um jornalista recém-formado e, desde então, apaixonou-se por sua produção), "Farnese era um cara muito gauche, muito à esquerda do mainstream do caminho natural da arte brasileira". Ele explica que o artista tem uma capacidade ímpar de articular pensamentos e coragem de expor a própria vida, ampliando os próprios dramas, "essa angústia, essa tensão de ser gay e filho de uma família extremamente religiosa, dentro da sociedade do interior de Minas, na primeira metade do século 20".

Para compor a exposição, Lontra partiu daquilo que chama "instâncias prisioneiras do ser". "Farnese trabalha basicamente com as questões da loucura, sexualidade, religião e sistema de arte", descreve. "Essas instâncias são, na verdade, libertadoras, mas o homem as transforma em prisão. Isso acontece com todas essas dimensões e por fim, com a própria arte, que seria a essência maior da libertação humana, mas acaba ficando presa nas catalogações acadêmicas, aprisionando a capacidade criativa a partir de uma excessiva setorização da informação", critica.

Marcus Lontra Costa é o responsável pela mostra sobre Farnese, que chega ao Recife nesta quinta-feira (13)

Marcus Lontra Costa é o responsável pela mostra sobre Farnese, que chega ao Recife nesta quinta-feira (13) - Crédito: Alfeu Tavares/ Folha de Pernambuco

Nas obras de Farnese, é possível contemplar os embates de seus medos, fetiches, pesadelos, rancores, tristezas e alegrias. Muitos objetos são compostos a partir de elementos que garimpou nas ruas, praias e aterros do Rio de Janeiro, como imagens de santos corroídos pelo tempo e fotos de família. Contemplando os signos presentes nas esculturas do artista, é possível perceber o surrealismo e alguns pontos de convergência com a produção de outros artistas, como o pernambucano Francisco Brennand - que apesar de fazer um trabalho completamente diferente, também lida com os impulsos de morte, vida, sexo e religião de maneira muito forte, com uma onipresença de signos como falos, vaginas e ovos (símbolo universalmente associado à fertilidade).

 "Na obra de Farnese, a loucura e a razão dialogam. Ele aceita a presença da fantasia, do inusitado, e mantém uma tensão, uma crueldade interiorana", descreve o curador, que afirma não ter a intenção de "domesticar" o artista, mas criar um ambiente e um conjunto que consigam transmitir o impacto de sua produção a quem vê.

Durante a mostra, será exibido o filme "Farnese" (1970), do cineasta Olívio Tavares e Araújo, além de uma entrevista com o curador e textos e poemas que ajudam a elucidar a trajetória de Farnese, um dos artistas brasileiros mais valorizados em nível mundial. A exposição já passou por Brasília, São Paulo, Belo Horizonte e Curitiba, e ficará em cartaz no Recife até o dia 17 de fevereiro.

Serviço:
Exposição "Farnese de Andrade - Arqueologia Existencial"
Caixa Cultural Recife - av. Alfredo Lisboa, 505, Praça do Marco Zero, Bairro do Recife
Abertura e visita guiada com o curador: 13 de dezembro, às 19h
Visitação: 14 de dezembro a 17 de fevereiro
Horários: terça a sábado, das 10h às 20h; domingos, das 10h às 17h
Informações: (81) 3425-1915

Veja também

'Colônia', nova série do Canal Brasil, retrata história real de hospício mineiro
Drama

'Colônia', nova série do Canal Brasil, retrata história real de hospício mineiro

Coquetel Molotov, Bananada e DoSol se unem em passe vitalício
Mercado

Coquetel Molotov, Bananada e DoSol se unem em passe vitalício