Filme 'A grande jogada' fica muito vinculado ao livro

Roteiro muito preso à linguagem literária que inspirou a produção e excesso de narração prejudicam a trama

Jessica Chastain interpreta Molly Bloom, protagonista e narradora da históriaJessica Chastain interpreta Molly Bloom, protagonista e narradora da história - Foto: Diamond Film/Divulgação

A história de "A grande jogada" é baseada em fatos reais: a vida turbulenta de Molly Bloom, esquiadora profissional até o dia em que, enquanto disputava uma vaga nas olimpíadas de inverno, sofreu uma grave lesão depois de um acidente. A partir daí, ela se muda de Colorado para a Los Angeles, trocando a carreira de esportista por um emprego como secretária de um agente desprezível de Hollywood. Tudo muda quando ela começa a ajudar esse empresário a organizar um jogo de pôquer para pessoas ricas - estrelas da música, do cinema. O filme estreia nesta quinta-feira no circuito nacional.

O roteiro é baseado no livro biográfico escrito por Molly (interpretada por Jessica Chastain) - o roteiro adaptado é a única categoria que o filme disputa no Oscar. A história é empolgante: enquanto trabalhou nesse jogo, Molly se tornou milionária e conheceu os bastidores sem censuras de Hollywood, fatos da intimidade de gente poderosa, situações que caso fossem expostas poderiam arrasar famílias e carreiras. No livro, assim como no filme, Molly não revela boa parte dos nomes, embora já existam teorias - a principal sendo a identidade de Jogador X, personagem fundamental para o declínio de Molly.



O filme é a estreia de Aaron Sorkin na direção, que baseia o roteiro exclusivamente no ponto de vista da protagonista/narradora. Dessa forma, o filme tende a uma perspectiva favorável a Molly, que foi presa em 2013, acusada de lavagem de dinheiro e de operar um jogo de apostas ilegal. A montagem alterna entre o período atual, que corresponde ao julgamento, em que foi defendida por Charlie Jaffey (Idris Elba), e os dias de luxúria de Molly, que, com uma grande quantidade de dinheiro e poder, se rendeu às drogas e às crises existenciais.

Parece esse um dos problemas fundamentais do filme: a maneira em geral positiva como a personagem narradora se enxerga, sem o devido distanciamento crítico para revisar tantos anos e situações dramáticas. Molly revela certos momentos de crise - física, familiar e existencial -, mas o tom é em geral favorável - o que parece especialmente problemático em uma história que se move através de personagens que cometem algum tipo desvio moral e ético.

Leia também:

Crítica: 'Pantera Negra' representa momento simbólico no cinema
'Lady Bird' aborda a sutileza das transições
'Três anúncios para um crime' não foge do melodrama

A história tem alta velocidade, uma edição que privilegia a rapidez e uma certa dose de humor ao relatar a transição de Molly - de uma vida pacata e interiorana, em uma família tradicional e também disfuncional, até a embriaguez do sucesso. Embora a montagem mantenha um ritmo interessante, o filme não foge de sua herança literária: assim como outras adaptações, "A grande jogada" usa o recurso da narração em excesso, com uma grande quantidade de palavras retiradas do livro para explicar o enredo e as motivações dos personagens.

Embora o texto represente as aflições de uma personagem irônica e nisso haja certo humor e curiosidade, é um artifício que, pelo excesso, se torna cansativo e acaba restringindo a fascinante capacidade sugestiva e emocional das imagens. Parece um filme que não atinge o potencial da grande história que tenta contar, por evitar confrontar certos abismos da protagonista e por um roteiro que teima em seguir com fidelidade o livro.

Cotação: regular

Veja também

Espetáculo de dança 'Inverso Concreto' será apresentado em versões distintas Dança

Espetáculo de dança 'Inverso Concreto' será apresentado em versões distintas

Edital Joel Datz, da segunda etapa da Lei Aldir Blanc no Recife, tem resultado divulgadoRecife

Edital Joel Datz, da segunda etapa da Lei Aldir Blanc no Recife, tem resultado divulgado