Luto

Flaviola, ícone da psicodelia pernambucana, morre de Covid-19

Músico recifense, que faleceu ao 68 anos, marcou a cena musical dos anos 1970

Flaviola se apresentou no Festival Abril Pro Rock em 2015Flaviola se apresentou no Festival Abril Pro Rock em 2015 - Foto: Juliana Bandeira/GESCC AESO/Flickr/Reprodução

O músico pernambucano Flávio Lira, mais conhecido como Flaviola, faleceu neste sábado (12), em decorrência da Covid-19. O artista tinha 68 anos e estava internado no Hospital Português, no Recife.

Flaviola foi um dos principais nomes da cena musical psicodélica pernambucana dos anos 1970, ao lado de Alceu Valença, Ave Sangria, Lula Côrtes, Marconi Notaro e Lailson. Seu primeiro disco, o icônico “Flaviola e O Bando do Sol” (1974), é considerado uma referência do chamado movimento Udigrudi. 

Residente no Rio de Janeiro por várias décadas, Flaviola passou mais de 20 anos sem visitar o Recife. Em 2015, voltou à terra de origem a convite do Festival Abril Pro Rock. Na ocasião, se apresentou no palco do Baile Perfumado, acompanhado de Zé da Flauta, Juliano Holanda e Juvenil Silva. 

“Flaviola e O Bando do Sol” chegou a ganhar uma reedição em LP em 2020. No mesmo ano, o pernambucano retornou ao mercado fonográfico com seu segundo álbum, “Ex-tudo”. A capa expõe uma foto do músico na UTI, em 2019, quando ele ficou internado por problemas no coração. 

Em parceria com Zé Ramalho, Flaviola escreveu músicas como “Martelo dos 30 anos”, “Quasar do sertão” e “Décimas de um cantador”. Também criou trilhas para espetáculos teatrais e dirigiu shows de outros artistas, como a cantora Elza Soares. 

Veja também

Carolina Ferraz diz viver amadurecimento na TV e veta novelas para sempre
Celebridades

Carolina Ferraz diz viver amadurecimento na TV e veta novelas para sempre

Fundo internacional Hubert Bals Fund está com inscrições abertas
Audiovisual

Fundo internacional Hubert Bals Fund está com inscrições abertas