Francisco Brennand terá um instituto à altura do seu mestre

A Oficina Cerâmica Francisco Brennand passará de privada para instituição sem fins lucrativos, a fim de imortalizar e divulgar a obra deste que é um dos maiores artistas plásticos do Brasil e do mundo

O escultor, pintor, desenhista e escritor Francisco BrennandO escultor, pintor, desenhista e escritor Francisco Brennand - Foto: Divulgação

No coração da mata da Várzea, sobre as ruínas da antiga Cerâmica São João, Francisco Brennand vem construindo, há quase 50 anos, uma espécie de cidadela de sonho (que, como bem pontua sua filha Maria Helena, só tem como paralelo possível, em extensão e importância, o conjunto arquitetônico construído por Antoni Gaudí, em Barcelona, na Espanha). 

De oficina isolada, o espaço foi se tornando um museu a céu aberto, atraindo visitantes do mundo inteiro. E, no último dia 21, o artista e sua família deram mais um passo importante para que sua obra seja preservada e divulgada: foi anunciada a criação do Instituto Oficina Francisco Brennand, que passa a funcionar como instituição sem fins lucrativos. A transição deverá acontecer gradativamente, ao longo dos próximos meses, quando também serão divulgados projetos de cunhos artístico, educacional e social, e formadas parcerias com outras instituições e patrocinadores.

Leia também:
Francisco Brennand assina a taça do Barça Legends
Exposição homenageia artista Francisco Brennand na capital paulista
Francisco Brennand recebe a mais alta comenda do Estado
Segundo a outra filha do artista, Maria da Conceição, a Neném, que há mais de trinta anos dividia com a irmã e o pai o comando das ações dentro do espaço, tudo passará a ser extremamente profissionalizado a partir de agora. "Papai será presidente e nós faremos parte do conselho, mas um novo plano de ação e de gestão está sendo elaborado", explica.

Marianna e Francisco Brennand, durante lançamento dos diários do artista, em 2016

Marianna e Francisco Brennand, durante lançamento dos diários do artista, em 2016 - Crédito: Walter Carvalho/Divulgação

As ações acontecem após quase cinco anos de preparativos, com estudos jurídicos especializados e a colaboração da sobrinha-neta do artista, Marianna Brennand Fortes, que é cineasta e neta de Cornélio Brennand - irmão de Francisco, este, por sua vez, também aderiu ao projeto e é o primeiro patrocinador confirmado da nova instituição. "Só demos início ao processo porque era esta a vontade dele. É um privilégio poder fazer isso enquanto ele está vivo, lúcido, podendo dizer o que e como ele quer que seja feito, como ele gostaria que fosse e o que ele não quer de jeito nenhum. Ele está com 92 anos, mas esperamos ter ainda muito tempo para que ele nos guie nessa nova etapa", acrescenta Neném.
Nascido em 1927, Francisco Brennand resolveu viver da arte desde os seus 17 anos. Após aprender com pintores e escultores pernambucanos, ele morou por cinco anos na Europa (1949-1951), onde se inspirou nas obras de Picasso, Miró e Gaudí, entre outros. Acabou voltando à Itália em 1952, a fim de aprofundar-se no conhecimento das técnicas da cerâmica, realizando experiências com o uso de esmaltes e queimas sucessivas das peças, em temperaturas variadas.

Em 1961, ele ocupou a antiga Cerâmica São João, que tinha sido fundada por seu pai, Ricardo, em 1917, mas estava em ruínas, com alguns poucos fornos em funcionamento. Lá, ele fez experimentos que lhe permitiram criar o célebre painel da Batalha dos Guararapes, até hoje exposto no centro do Recife.
Dez anos depois, em 1971, ele oficializaria a criação de sua oficina, um espaço onde deu vazão à sua arte e formou diversos profissionais, a maioria oriunda da comunidade vizinha ao espaço. Desde então, o local virou um gigantesco santuário dedicado à arte, com vários núcleos construtivos espalhados por cerca de 15 mil metros quadrados e ocupados por aproximadamente 3 mil peças.

"É um espaço único. Dificilmente um artista conseguirá, como ele fez, concentrar a maior parte de sua produção dentro de um espaço e não pulverizado em galerias, museus e coleções particulares. Além disso, é uma produção que tem uma narrativa intrínseca, todo um pensamento, uma visão de mundo, uma mensagem que ele quer deixar. Ali está a alma dele e seu legado para as novas gerações", diz Marianna Brennand.

"Ele tem uma história muito bonita com esse espaço, porque ele já entrou ali com a intenção de continuar contando a história daquela fábrica", pontua Marianna. "A paixão do pai dele, meu bisavô Ricardo, pela cerâmica e por aquela mata sempre o encantaram", destaca. Segundo Neném, nada foi demolido ou retirado. "Ao chegar aqui, papai aproveitou cada pequeno detalhe, recriou em cima do que existia".

O espaço hoje ocupado por uma espécie de templo com ovos, soldados, pássaros-roca, trechos de literatura e toda uma fauna de elementos fantásticos que só pode ser vista e apreciada, mas palidamente descrita, foi gradativamente montado sobre uma olaria em ruínas, num galpão paralelo àquele que continua em funcionamento atualmente. "Existe aqui uma memória afetiva de mais de 80 anos. Papai vinha brincar com os irmãos quando era criança, ele cresceu neste espaço e sempre disse que, para ele, era um lugar de mistério. Graças a Deus, ele pôde sentir e ampliar aquele mesmo mistério a vida inteira, tornando a oficina uma fonte eterna de inspiração", diz Neném.

Detalhes do espaço do Instituto Oficina Francisco Brennand

Detalhes do espaço do Instituto Oficina Francisco Brennand - Crédito: Rafael Furtado/Folha de Pernambuco


Cravado na história

O processo que abriu caminho para que o Instituto Oficina Francisco Brennand pudesse ser implementado começou em 2002, quando Marianna Brennand Fortes iniciou sua pesquisa para o documentário cinematográfico "Francisco Brennand", lançado uma década depois. "Descobri que a obra dele não estava catalogada, nem esculturas, pinturas, desenhos... Nada. Então buscamos resgatar a memória, conservando o acervo artístico e também os documentos e fotografias", descreve ela.

Na sequência, foram elaborados o livro "O Universo de Francisco Brennand" (2011) e, em 2016, foram publicados os diários que o artista escreveu a partir dos 22 anos. As bases do Instituto começaram a ser firmadas a partir desse resgate da memória de Francisco Brennand. "Começamos a perceber a necessidade de musealização do espaço, de transformar aquele lugar num centro cultural com uma orientação mais institucional", diz Marianna.
Transformar o ateliê privado de um artista em um museu de fato, numa instituição sem fins lucrativos, permite, ao mesmo tempo, a sustentabilidade financeira do espaço a longo prazo e abre diálogos sobre aspectos diversos. Além de futuramente realizar seminários, capacitações, trocas com outros polos cerâmicos e até residências envolvendo artistas de dentro e de fora do Brasil, a proposta do novo instituto é se tornar um espaço democrático de interlocução com a comunidade da Várzea, já que a oficina está localizada em meio à mata atlântica.

"Aquela mata começou a ser preservada pelo pai dele, há mais de cem anos. Ainda existe vegetação primária no interior dessa mata, além do que foi reflorestado. Então, também existem muitas atividades que a gente gostaria de fazer nesse âmbito ambiental, de educação e de preservação", conta Marianna, para quem o novo instituto pode se tornar uma grande potência de desenvolvimento para a região.

 

Veja também

Belutti diz ser desengonçado antes de estreia no Dança dos Famosos
Televisão

Belutti diz ser desengonçado antes de estreia no Dança dos Famosos

Compadre de Jojo Todynho é assassinado no Rio de Janeiro
Violência

Compadre de Jojo Todynho é assassinado no Rio de Janeiro