A-A+

Frevo está cada vez mais vivo aos 113 anos

Dia do Frevo será comemorado com lançamento de livros e apresentações em vários lugares do Recife

Atrás das máscaras, membros da TCM Mexe com Tudo perdem a vergonha de frevar em públicoAtrás das máscaras, membros da TCM Mexe com Tudo perdem a vergonha de frevar em público - Foto: Arthur de Souza/Folha de Pernambuco

E lá se vão 113 anos desde que a palavra 'frevo' foi registrada pela primeira vez, no extinto Jornal Pequeno. De 1907 para cá, muita coisa mudou na dança ou no ritmo, que continuam fazendo a gente 'ferver' e transformam todo dia 09 de fevereiro em motivo de celebração.

O frevo se tornou um verdadeiro sistema cultural que vem sendo reinventado a cada dia, acompanhando as alterações nos corpos e no jeito de cada folião de estar no mundo, enquanto ao mesmo tempo se preservam as raízes daquela miscelânea criada por capoeiristas, operários e outros integrantes das classes menos favorecidas, na virada do século XX. Neste fim de semana em que se comemora o Dia do Frevo, resolvemos ouvir alguns dançarinos que vêm exercendo essa paixão de forma muito peculiar, ampliando as possibilidades do ritmo.

Leia também:
Flaira Ferro subverte Recife com frevo-rock do single ‘Revólver’
Canal do YouTube 'Mexe com tudo' mostra as particularidades do frevo
Frevo dita o ritmo nas águas do Capibaribe
Bloco Conto de Fadas terá Fada Magrinha, Carol Levy, Mari Bigio e Mini Rock de graça, no Bairro do Recife

Os mais puristas e conservadores poderão dizer que tais misturas são indesejáveis e que não se deve ir além dos cerca de 120 passos que já foram catalogados, os quais incluem a dobradiça, a tesoura e o parafuso. O que não dá para esquecer é que toda essa coreografia deriva de outras danças e da criatividade de quem freva.

A influência da capoeira é inegável, desde o início. Mas muitos não sabem, por exemplo, que o frevo bebeu na fonte de dançarinos "cossacos" que se apresentaram no Recife, no início do século passado. Balé, passinho, vogue, danças contemporâneas variadas têm trazido contribuições para o frevo. E assim vem sendo, desde sempre.
"Eu sinto que o frevo é um território onde eu fui identificando alguns princípios humanos e, a partir disso, trazendo para a minha vivência como artista, me permitindo criar coisas. Tanto a capoeira como o frevo foram perseguidos, então a dança nasceu como um lugar de drible para o sistema opressor vigente naquela época, como um novo paradigma para o que poderia ser um corpo negro, livre, na rua. O frevo diz muito sobre a nossa capacidade de trazer beleza, de exercer o lúdico", afirma Flaira Ferro, que é cantora e bailarina e começou a exercer sua veia artísticas nas aulas do Mestre Nascimento do Passo, um dos maiores propagadores do frevo no País, expandindo depois seu conhecimento através da dança contemporânea e outras vertentes. "O frevo vai além da ideia do passo, do código, do movimento. Ele diz respeito a um jeito de existir no mundo, e isso independe de um determinado tipo de corpo, por exemplo. É mais a questão de um olhar que se tem para a vida".



A proposta de tornar a dança ainda mais democrática é o ponto de partida do projeto Mexe com Tudo, do dançarino e professor Otávio Bastos. Além de divulgar o frevo nas redes sociais, contando com um canal que até o momento possui 90 vídeos que já foram assistidos por milhares de pessoas, Otávio dá aulas onde desmistifica a necessidade de ser jovem e atlético para poder frevar.

Ele e seus alunos formaram a Trupe Carnavalesca Mascarada (TCM) Mexe com Tudo, que no próximo dia 16 vai para o Marco Zero mostrar que a dança é para todos. "Tenho trabalhado muito em cima da vergonha. As pessoas se seguram para não dançar, e a ideia da máscara que usamos é muito mais para permitir, para revelar, do que para esconder", explica Otávio. Com a máscara, as pessoas se permitem experimentar, errar. E tudo isso é parte do frevo.
A questão, diz Otávio, é que se foi criando uma ideia sobre o que seria o frevo, e isso foi absorvido pelo Estado, tornando-se inclusive um produto a ser vendido. Sob esse ponto de vista, passista de frevo é alguém que salta e desce muito, e usa sombrinha e roupa colorida. "Na sua origem, quando as pessoas saíram das senzalas e passaram a ocupar o espaço público, quem estava lá frevando era todo mundo, qualquer corpo festejava", pontua ele, para quem o frevo traz em si várias possibilidades. O próprio Otávio, com seu corpo de 1.93m, não integra o padrão esperado dos passistas, mas isso não o impede de dançar. Em um dos vídeos de seu canal, ele experimenta junto ao também professor e dançarino Edson Vogue.



Edson começou dançando break e balé, na adolescência. Depois, apaixonou-se pelo voguing - e, na sequência, pelo frevo. Desde 2010, integra o grupo Guerreiros do Passo, que vem se dedicando a levantar a história da forma de dançar dos pernambucanos e, ao mesmo tempo, ensinar as novas gerações. Na dança de Edson, porém, as influências pelas quais passou seguem presentes. "O frevoguing é minhas pesquisa histórico-corporal sobre a pretitude urbana que dança e compartilha a mesma história de diáspora africana vivida de maneiras diferentes, seja pelo recorte geográfico, de gênero ou de identidade sexual", resume ele, que se propõe a buscar "novas maneiras estéticas, didáticas e metodológicas para o frevo".

Alisson Lima, dançarino que há dez anos está radicado em São Paulo (onde atua como professor e pesquisador do Instituto Brincante), vem se tornando referência pelo trabalho corporal, estético e coreográfico que mescla o frevo com uma de suas raízes iniciais, a capoeira. Nascido no bairro do Ibura, ele aprendeu capoeira na escola e posteriormente descobriu o frevo. "Foi paixão à primeira vista", relembra. "Comecei a me diferenciar por misturar as duas manifestações, e foquei minhas pesquisas nisso. Minha dança é genuína e diferente", ri.

O frevo de Alisson é extremamente contemporâneo, sem tirar o pé da tradição, e atrai por sua força e beleza plástica. Ele prefere dançar sem sombrinha, e usa as mãos de forma mais intensa. "Procuro dialogar com a música, me deixo embriagar por ela. O frevo é uma dança de improviso, apesar de ter tantos passos", descreve. "Eu procuro dançar a música, e não só executá-la. Não é uma coreografia pré-moldada, é um corpo aberto à experiência. E assim as pessoas se sentem mais próximas", afirma.

Lançamentos e festejos 

Neste sábado (8), véspera do Dia do Frevo, a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) lança no Paço do Frevo, a partir das 15h, duas importantes obras que devem interessar não apenas aos estudiosos do gênero, mas ao público em geral. "Frevo: transformações ao longo do passo" é o quarto livro da coleção Batuque Book, que anteriormente abordou o maracatu, o cabocolinho e o forró.

Escrita por Climério Santos e por Marcos Ferreira Mendes (mais conhecido como Marcos FM), a obra levou mais de cinco anos para ficar pronta e abrange um período que vai do fim do século 19 ao início do século 21, mostrando grupos, personagens e acontecimentos ao longo de 382 páginas. Além de subsidiar didaticamente estudantes de Música e de História, o livro é acessível aos demais leitores. "Falamos dos significados do frevo, o que está por trás daquele ritmo", afirma Climério. Um farto arsenal online ajuda a quem não sabe ler partitura a ouvir e entender os exemplos citados.
Marcos FM tem outro livro sendo lançado neste sábado. "Arranjando Frevo de Bloco" encerra uma trilogia que já havia registrado o frevo de rua e o frevo-canção. Com 295 páginas, a obra traz dicas úteis para orquestras de diferentes formações e ajuda a preencher uma lacuna sentida pelos profissionais do gênero. "Existem vários livros sobre a história e os personagens do frevo, mas poucos com esse perfil técnico e educativo", destaca Marcos FM.

A festa do lançamento será animada por várias apresentações gratuitas, e no domingo o Bairro do Recife deverá ferver com o show do Maestro Spok, a partir das 14h e também no Paço do Frevo. Spok trará, em seu projeto "Roda de Frevo", os passistas do grupo "Trajetos e Trejeitos", comandados pelo dançarino Alisson Lima.
Na rua da Aurora, a partir das 15h30, haverá cortejo de 26 blocos líricos, saindo do monumento Tortura Nunca Mais até o palco montado na altura do Banco Central, onde vão se apresentar a Orquestra e Coral Evocações e o Bloco Cordas e Retalhos, entre outras atrações. Já no Pátio de São Pedro, haverá o tradicional concurso de passistas durante todo o fim de semana, nas categorias infantil, juvenil e adulto.

 

Veja também

Arma disparada por Alec Baldwin era usada para tiro ao alvo fora do set
Alec Baldwin

Arma disparada por Alec Baldwin era usada para tiro ao alvo fora do set, com munição real

Alec Baldwin decide cancelar outros projetos após morte em set de filmagem
Tragédia no Set

Alec Baldwin decide cancelar outros projetos após morte em set de filmagem