Funarte anuncia orçamento de R$ 38 milhões e sistema nacional de orquestras sociais

O número representa um aumento de 137% em relação ao orçamento do ano passado para as atividades finalísticas, de R$ 16 milhões

Presidente da Funarte, maestro Dante MantovaniPresidente da Funarte, maestro Dante Mantovani - Foto: Arquivo pessoal

O presidente da Fundação Nacional de Artes (Funarte), maestro Dante Mantovani, afirmou nesta quinta-feira (16), que o órgão terá um orçamento de R$ 38 milhões para investir em projetos em 2020. A Funarte fomenta áreas da cultura como as artes visuais, o circo, a dança, a música e o teatro.

Segundo dados obtidos pela reportagem com a instituição, o número representa um aumento de 137% em relação ao orçamento do ano passado para as atividades finalísticas, de R$ 16 milhões. O aumento segue tendência de recuperação do investimento nessas atividades, que teve início em 2018.

Em meio à recessão enfrentada pelo país, a Funarte teve o orçamento para as atividades finalísticas reduzido entre 2015 e 2018. Em 2015, foram investidos R$ 23,6 milhões. Em 2016, o valor caiu para R$ 12 milhões, atingindo R$ 7,3 milhões no ano seguinte.

Leia também:
Ao lado de Bolsonaro, Alvim anuncia editais de cultura para rever a história do Brasil
Academia Pernambucana de Letras divulga vencedores de seu Prêmio 2019 

Mantovani apresentou a jornalistas 14 metas que a fundação pretende realizar neste ano, como o Sistema Nacional de Orquestras Sociais, com a implantação de um programa de orquestra-escola em todas as regiões do país. Segundo ele, o objetivo deste projeto é auxiliar a erradicar o analfabetismo, a pobreza e a violência.

Outra meta é a recuperação da infraestrutura dos imóveis da Funarte no Brasil. No Rio, serão elaborados projetos arquitetônicos para cinco espaços, entre eles o Cedoc (Centro de Documentação e Informação). Mantovani também pretende estimular a cultura do mecenato, levando empresários a investir na arte. Está previsto, por exemplo, a criação do Sistema Nacional de incentivo e promoção da Arte e aos Artistas.

Nomeado pelo presidente Jair Bolsonaro em dezembro, como parte da reforma no quadro da Secretaria Especial da Cultura, Mantovani afirmou nesta quinta que é preciso acabar com o preconceito contra o artista e contra a lei Rouanet.

Segundo ele, o governo vê com "bons olhos" as empresas que aportam recursos à lei, mas os empresários ainda têm preconceito. "Eu já ouvi muitos departamentos contábeis reclamarem disso, que tem medo de patrocinar e dar problema contábil", disse.

Mantovani, que já gravou um vídeo dizendo que o rock leva ao aborto e ao satanismo, também afirmou que é necessária uma separação entre arte e política. "Quando você mistura os dois, não é arte, é propaganda ideológica."

Veja também

Juliana Rosa, jornalista da GloboNews, deixa canal após 20 anos
Despedida

Juliana Rosa, jornalista da GloboNews, deixa canal após 20 anos

Todos querem Juliette

Todos querem Juliette