Indicado ao Oscar, documentário resgata obra de escritor antissegregação

James Baldwin, negro e homossexual, defendeu a causa da comunidade negra e foi amigo de Malcolm X e Martin Luther King

James Baldwin foi escritor e ativista na luta por igualdade racial nos EUAJames Baldwin foi escritor e ativista na luta por igualdade racial nos EUA - Foto: Divulgação

O documentário "I am not your negro", indicado ao Oscar na terça-feira (24), foi realizado para imortalizar James Baldwin, personalidade literária da luta pelos direitos dos afro-americanos, informou à AFP seu diretor, o haitiano Raoul Peck.

James Baldwin (1924-1987), escritor americano negro e homossexual, defendeu a causa da comunidade negra, vítima da segregação racial. Foi amigo dos líderes Malcolm X, Martin Luther King e Medgar Evers, os três assassinados "antes dos 40", segundo Peck.

O diretor não suportava a ideia de que Baldwin caísse no esquecimento, que fosse plagiado "sem citá-lo". Ele mergulhou em sua bibliografia e em suas cartas. Todas as palavras do documentário são do próprio Baldwin. "Sem filtros", reforçou Peck. O ator Samuel L. Jackson emprestou sua voz à versão inglesa.

Baldwin influenciou autores como Toni Morrison e Allen Ginsberg. "Ele inventou uma língua de uma força incrível", acrescentou o cineasta, que também preside a Escola Nacional Superior de Ofícios de Imagem e Som (Femis), em Paris.

O título "é, evidentemente, uma provocação", explicou Peck, cujo documentário estreará em 3 de fevereiro nos Estados Unidos.

O discurso de Baldwin continua sendo politicamente incorreto para as emissoras americanas, que nunca exibirão seu documentário, assegurou o diretor. É um filme de "grande risco artístico e político", que denuncia o racismo do presidente Donald "Trump e todos os seus semelhantes", acrescentou.

Algumas imagens dos recentes confrontos raciais em Ferguson e Baltimore, integrados no documentário, lembram a atualidade do assunto. "A inocência" não é mais possível, argumentou Peck, resumindo o pensamento de Baldwin: "Não podem me encurralar em um gueto e me linchar sem virar monstros".

Veja também

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não
CINEMATECA

Mario Frias diz que solicitou perícia para verificar se incêndio na Cinemateca foi criminoso ou não

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020
SÃO PAULO

MPF alertava sobre risco de incêndio na Cinemateca desde julho de 2020