A-A+

Humor pernambucano

Ítalo Sena: do virtual para os palcos do Brasil

Humorista pernambucano, com cerca de 3,6 milhões de seguidores nas redes, em entrevista à Folha, fala do começo da carreira, planos e que quer mudar a cena local do stand up

Humorista pernambucano Ítalo SenaHumorista pernambucano Ítalo Sena - Foto: Fazemos! Conteúdo e Imagem/Divulgação

“Nas sextas, no final do expediente, eu reunia o pessoal que estava na academia e começava a contar piadas. Então sugeriram que eu fizesse stand up ou algo voltado para a comédia”, relembra o humorista pernambucano, Ítalo Sena, que antes de ter a comédia como meio de vida, era personal trainer.

Aos 28 anos, e colecionando quase quatro milhões de seguidores nas redes sociais, Ítalo garante que sempre foi acanhado. “Ninguém acredita, mas sou tímido. Embora minha paixão sempre tenha sido as piadas, nunca fui de fazer brincadeiras quando mais novo”, comenta. O feeling de Sena para o humor não é hereditário, mas, em seu espetáculo, o artista não poupa anedotas com a família. Inclusive, sua namorada, Alice Monteiro, participa ativamente dos shows e vídeos. 

Youtube e redes sociais 

Há sete anos imerso no mundo da internet, Ítalo contou que nem sempre foi fácil. Os vlogs eram a ideia principal no seu canal do Youtube “Tá gravando” e só depois migrou para o universo das pegadinhas. “Não era um conteúdo bom, confesso. Era difícil conciliar a rotina da academia com os dos vídeos porque eu tinha que ir para a rua gravar. Pensei em desistir inúmeras vezes”, admite o artista.

Até que, em 2015, o comediante ficou conhecido com o vídeo “Chegando atrasado no Enem” e o reconhecimento público veio. Até agora são 222 produções no canal, que também acabaram migrando para outras redes sociais como Facebook, Instagram e Tik Tok e alcançando cada vez mais pessoas. 

O humorista, que costuma gravar pelos pontos turísticos do Recife, está tendo que expandir suas locações. “Mesmo com a máscara, muita gente já marcou meu rosto, por isso tá cada vez mais difícil fazer os ‘teipes’ por aqui. Pelo perfil tento ver se essas pessoas me assistem. Às vezes, acerto, outras erro”, pondera.  

Ítalo Sena em apresentação no Teatro Luiz MendonçaÍtalo Sena em apresentação no Teatro Luiz Mendonça, no Recife Foto: Fazemos! Conteúdo e Imagem/Divulgação

Bordões e interação com o público 

Se existe um lugar que seja a marca registrada do humorista no seu canal é o Parque Dona Lindu, na Zona Sul do Recife. “Por eu citar bastante o local em meus vídeos, muitos turistas me mandam foto falando que foram visitar o Lindu por minha causa”, brinca. Outra referência ligada a Sena são seus bordões “Tu é leigo”, “Aguarde processo”, “Machado 98” e outros. “Nenhum bordão foi planejado. O ‘Leigo’, por exemplo, eu falei automaticamente em uma das pegadinhas e acabou viralizando nos comentários. Então notei que dava para usar mais e hoje é um dos meus apelidos”, comenta. 

É nesse contato com o público que surgem as ideias para novos vídeos. Seus fãs sugerem situações, que são analisadas e, a partir daí, os conteúdos são planejados e gravados.  

Retomada das apresentações

Com a flexibilização das restrições dos eventos culturais, devido à pandemia, Ítalo Sena voltou a se apresentar na Capital pernambucana e em outros estados. Com shows marcados para São Paulo e Bahia, o comediante quer viajar pelo Brasil com o espetáculo “Mostrando meu trabalho”, planeja, além de prosseguir com o projeto audiovisual no Youtube. 

“Recife ainda precisa de força no âmbito do stand up comedy. Daqui já saíram grandes artistas que não acharam tanto reconhecimento. É isso que eu quero mudar. Trazer o público para interagir e frequentar assiduamente esse tipo de arte”, completou o humorista, que se apresenta todas as quartas no The Queen, em Boa Viagem.

Veja também

'Grey's Anatomy' ganha primeiro profissional de medicina não binário
GREY'S-ANATOMY

'Grey's Anatomy' ganha primeiro profissional de medicina não binário

Mano Brown entrevista Ludmilla no próximo episódio do seu podcast
Bate-papo

Mano Brown entrevista Ludmilla no próximo episódio do seu podcast