Janela Internacional de Cinema divulga premiados da nona edição

Os curtas “Estado Itinerante”, de Ana Carolina Soares, e o colombiano “Cilaos”, de Camilo Restrepo, estão entre os vencedores

Em uma de suas visitas à transposição, Temer foi recebido por Paulo CâmaraEm uma de suas visitas à transposição, Temer foi recebido por Paulo Câmara - Foto: Beto Barata/PR

Durante os dez dias do Janela Internacional de Cinema, o festival abrigou uma programação com sessões de curtas e longas, lançamento de livros, mesas no 1º andar do Cine São Luiz e reuniões do Janela Crítica no Portomídia. O encerramento, realizado para divulgar a premiação, no último domingo (06), aconteceu na cobertura do Plaza Hotel, Centro do Recife.

Na competição de longas, o prêmio principal foi para “Martírio” (Brasil, 2016), do documentarista franco-brasileiro Vincent Carelli. “Por sua habilidade em reconstruir a história de um país que evita uma parte da sua própria história e que tem abusado de uma minoria desde muito tempo, após 25 anos de acúmulo de um material valioso de arquivo dos indígenas Guarani-Kaiowá, é importante para nós reconhecer a perpetuação da resistência e clamar, nos dias de hoje, por desobediência”, diz a justificativa do júri, formado por Fabienne Morris (produtora, curadora), Irandhir Santos (ator) e Paulo de Carvalho (diretor artístico do Festival Cinelatino na Alemanha).

O longa de Carelli também levou na categoria de melhor imagem pelo júri oficial do Janela, dividindo a premiação com “O Auge do Humano” (Argentina/Portugal/Brasil, 2016), de Eduardo Williams. “O júri de longa-metragem decide premiar duas diferentes imagens de dois filmes: jovens nus que se vendem, se tocam, se seduzem e se submetem a uma certa dependência tecnológica no filme ‘O Auge do Humano’. E a outra imagem, o protesto dos índios Guarani-Kaiowá, no Congresso Nacional, captada através da câmera de TV do próprio congresso. Carelli utiliza essa forte imagem preexistente que contém elementos que resumem temas presentes no decorrer do filme, como a casa do poder, a figura do político, a dança, o canto dos índios e o medo de uma suposta ameaça”.

Ainda entre os longas, o filme de Eduardo Williams foi laureado na categoria de melhor montagem. “Por nos guiar e explorar com sensibilidade diferentes países e a juventude de hoje, por sua capacidade de nos transportar num filme orgânico onde os conceitos de tempo e espaço são encarnados”, argumenta o júri sobre “O Auge do Humano”. O melhor som ficou com “O Ornitólogo” (Portugal, França e Brasil, 2016), do cineasta português João Pedro Rodrigues. “Pela utilização primorosa dos sons naturais, humanos e daqueles posteriormente criados que contribuem de forma expressiva na construção do grande mosaico humano, místico e simbólico apresentado no filme”, justifica o júri.

Instituído pelo Janela em 2014, em homenagem ao amigo e crítico baiano João Sampaio, falecido em 2014, o Prêmio João Sampaio para Filmes Finíssimos que Celebram a Vida foi concedido nesta edição ao longa português “O Cinema, Manoel de Oliveira e Eu”, de João Botelho, aprendiz e amigo do mestre do cinema Manoel Oliveira, com quem conviveu por 40 anos.

A nona edição do festival Janela Internacional de Cinema do Recife é organizada pela CinemaScópio Produções Cinematográficas e Artísticas, tem patrocínio da Petrobras e incentivo do Funcultura / Fundarpe, Secretaria de Cultura do Governo do Estado de Pernambuco. Confira a lista completa dos premiados do IX Janela Internacional de Cinema do Recife:

Mostra Competitiva de Longas-Metragens:
Melhor Longa: “Martírio” (Brasil), de Vincent Carelli
Melhor Montagem: “O Auge do Humano” (Argentina/Portugal/Brasil), de Eduardo Williams
Melhor Som: “O Ornitólogo” (Portugal/França/Brasil), de João Pedro Rodrigues
Melhor Imagem: prêmio dividido entre “O Auge do Humano” (Argentina/Portugal/Brasil), de Eduardo Williams e “Martírio” (Brasil), de Vincent Carelli

Mostra Competitiva de Curta-Metragem Internacional:
Melhor curta internacional: “Cilaos” (Colômbia), de Camilo Restrepo
Melhor Imagem: “Yolo” (África do Sul/EUA), de Ben Russell
Melhor Som: “Manodopera” (Grécia), de Loukianos Moshonas
Melhor Montagem: “Scales in the Spectrum of Space” (EUA), de Fern Silva
Menção especial: “The Beast” (África do Sul/França), de Michael Wahrmann e Samantha Nell

Mostra Competitiva de Curta-Metragem Nacional:
Melhor curta nacional: “Estado Itinerante” (MG), de Ana Carolina Soares
Melhor imagem: “Na Missão, com Kadu” (PE/MG), de Aiano Bemfica, Kadu Freitas e Pedro Maia de Brito
Melhor montagem: “Se por Acaso” (RJ), de Pedro Freire
Melhor Som: “Quando os dias eram eternos” (SP), de Marcus Vinicius Vasconcelos
Menção Honrosa/Especial do Júri: “A Moça Que Dançou com o Diabo” (SP), de João Paulo Miranda

Prêmio Janela Crítica:
Melhor curta nacional: “Estado Itinerante” (MG), de Ana Carolina Soares
Melhor curta internacional: “The Beast” (África do Sul/França), de Michael Wahrmann e Samantha Nell
Melhor Longa: “O Ornitólogo” (Portugal/França/Brasil), de João Pedro Rodrigues

Prêmio ABD (Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas de Pernambuco - ABD/PE):
“Estado Itinerante” (MG), de Ana Carolina Soares

Prêmio oferecido pelo Portomídia (120h de estúdio para finalização de imagem e/ou som concedido para o melhor filme pernambucano do festival):
“O Porteiro do Dia” (PE), de Fábio Leal

Prêmio FEPEC (Federação Pernambucana de Cineclubes):
Curta “Na Missão, com Kadu” (PE/MG), de Aiano Bemfica, Kadu Freitas e Pedro Maia de Brito

Prêmio João Sampaio para filmes finíssimos que celebram a vida:
“O Cinema, Manoel de Oliveira e eu” (Portugal), de João Botelho

Veja também

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações
Streaming

Atriz do filme 'Rebecca', da Netflix, teve ataques de pânico após fim das gravações

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos
Celebridades

De look novo, Andressa Urach adota postura liberal e critica evangélicos