Jessica Chastain e Helena Bonham Carter aquecem corrida para o Oscar

Atrizes interpretam as protagonistas dos filmes "Molly's Game" e "55 steps", aumentando a lista de anti-heroínas no Festival de Toronto

Atriz Jessica Chastain em "Molly's Game"Atriz Jessica Chastain em "Molly's Game" - Foto: Diamond Films/Divulgação

Se a edição deste ano do Festival de Toronto se provar mesmo uma vitrine para o Oscar do ano que vem, a categoria de melhor atriz estará repleta de anti-heroínas. Margot Robbie tem colhido elogios por sua performance como a controversa patinadora Tonya Harding em "I, Tonya", e Frances McDormand por sua mãe justiceira em "Thee Billboards Outisde Ebbing, Missouri".

A atriz Jessica Chastain também pode se somar ao grupo por seu papel como Molly Bloom, ex-esquiadora que se tornou gerenciadora de um esquema clandestino de apostadores de pôquer. No grupo de jogadores milionários estavam operadores do mercado financeiros, atores hollywoodianos e integrantes da máfia russa.

A história, verdadeira, inspira "Molly's Game", exibido na mostra canadense. O filme marca a estreia na direção de Aaron Sorkin, um dos roteiristas mais badalados das últimas décadas. São dele os roteiros de longas como "A Rede Social", que lhe valeu um Oscar, e da série "West Wing", marco da guinada de qualidade da televisão norte-americana.

Sorkin embute um clima scorsesiano à história de Molly. É ela quem narra, com muito sarcasmo, sua entrada no submundo do jogo, em cenas ágeis que lembram o estilo dos longas de Martin Scorsese.



Filha de um pai rigoroso, se manda para Los Angeles, entra em contato com jogadores e começa a tocar seu próprio esquema de apostas. As coisas, claro, vão mal, e logo ela cai na mira do FBI e de gângsteres.

O tom acertado da performance de Chastain nunca deixa que sua Molly caia na autocomiseração, ela é cínica - quase uma versão masculina do personagem de Leonardo DiCaprio em "O Lobo de Wall Street". E encontra a química certa ao contracenar com Idris Elba, que faz o advogado reticente e algo incrédulo da protagonista.

Outra personagem real que pode fazer sua intérprete aparecer no Oscar é Eleanor Riese, paciente psiquiátrica que nos anos 1980 se tornou um símbolo da luta de portadores de doença mental contra os abusos das instituições manicomiais nos Estados Unidos.

Quem encara o papel em "55 Steps" é a inglesa Helena Bonham Carter. Aqui, claro, não se trata de nenhuma anti-heroína, ao contrário das vividas por Chastain, McDormand e Robbie.

Helena Bonham Carter em

Helena Bonham Carter em "55 steps" - Crédito: Atlas International/Elsani Film/Divulgação



"55 Steps", que estreou mundialmente no Festival de Toronto, é dirigido por Billie August, de "Pelle, o Conquistador" e "A Casa dos Espíritos". A primeira cena do filme, com Eleanor se debatendo nas mãos de enfermeiros, parece sugerir mais uma enésima produção sobre hospícios, com médicos truculentos e pacientes maltratados.

Em vez disso, August entrega outra enésima produção sobre tribunais, com todos os clichês dos advogados idealistas versus as corporações malignas.

Leia também:
Sátiras sociais protagonizadas por Matt Damon despontam em Toronto
Mulheres ganham espaço no Festival de Cinema de Toronto
Em Toronto, filmes apresentam visões opostas da sociedade americana

É que o diretor enfoca a batalha judicial de Riese, assistida por sua workaholic advogada, Colette Hugues (vivida por Hillary Swank). Na Justiça, a luta da paciente, que poderia abrir precedente para outros doentes mentais, era por mais diálogo com os psiquiatras e pelo direito de recusar medicamentos, se fosse o caso.

Conhecida pelos papéis excêntricos, Bonham Carter dá comicidade a Riese, portadora de esquizofrenia com tiradas certeiras - especialmente as disparadas contra sua advogada fleumática.

Veja também

Nego do Borel apela para discurso religioso após acusações de agressão
Religiosidade

Nego do Borel apela para discurso religioso após acusações de agressão

Comparada a Satanás, Andressa Urach critica pastores da Universal
Polêmica

Comparada a Satanás, Andressa Urach critica pastores da Universal